Saltar para o conteúdo principal da página

Casa com Chaminé Algarvia do Século XVII - detalhe

Designação

Designação

Casa com Chaminé Algarvia do Século XVII

Outras Designações / Pesquisas

Casa com Chaminé Algarvia na Rua do Castelo, n.º 22 (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Silves / São Marcos da Serra

Endereço / Local

Rua do Castelo
São Marcos da Serra

Número de Polícia: 22

Travessa da Escada
São Marcos da Serra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Implantada no centro da vila de São Marcos da Serra, no seu local mais elevado e na artéria pública que presumivelmente conduzia ao castelo, esta modesta casa privada de planta retangular e fachada típica tripartida com uma porta ladeada por duas janelas, apresenta como única particularidade uma enorme chaminé na sua secção Sul. Trata-se de um elemento sem paralelo em todo o Algarve, não apenas pelas suas exageradas dimensões, mas também pelo facto de ter sido datada do século XVII.
Quanto ao primeiro destes aspectos - a imponência da chaminé face à ruralidade que caracteriza a casa - explica-se como uma clara marca de poder do proprietário que patrocinou a sua construção, facto ainda realçado pela localização do imóvel no ponto mais elevado da vila e, neste sentido, visível a longa distância para um setor mental algarvio que via nas diferentes composições de chaminés a exacta marca do seu prestígio sócio-económico.
Já sobre a datação desta chaminé mantemos muitas dúvidas se efectivamente poderá recuar ao século XVII. Não só as tipologias de chaminés não estão definidas numa perspectiva diacrónica, como esta possui a data de 1909 numa cartela, dados que deverão motivar uma maior cautela.
Recentemente restaurada, a casa manteve o essencial da sua traça rural característica, mas é largamente prejudicada pelas construções situadas na envolvência, designadamente uma outra moradia particular adossada a Norte, que não respeitou as volumetrias antigas e o edifício da Junta de Freguesia, também uma construção dissonante relativamente à tradicional linha urbanística da vila.

Paulo Fernandes/IPPAR/2003. Atualizada por Maria Ramalho/DGPC/2016

Imagens