Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Quinta Nova - detalhe

Designação

Designação

Casa da Quinta Nova

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Santa Maria, São Pedro e Matacães

Endereço / Local

EN 9
Matacães

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Implantada na freguesia de Matacães, a Casa da Quinta Nova destaca-se no meio urbano em que se insere, pela longa fachada em L, e pelos elementos heráldicos que ostenta, símbolos de poder e distinção.
São, no entanto, muito incompletas as informações conhecidas sobre este imóvel, que se pensa ter sido edificado, ou reedificado, no final do século XVIII, pois é provável que, anteriormente, aqui tenham existido outras construções. A própria planimetria da casa que hoje conhecemos, com algumas irregularidades e vários corpos, assim o indica. Na verdade, o ano de 1779, na fachada da capela, constituiu um importante indicador cronológico, que nos permite fazer remontar a uma data próxima a campanha de obras setecentista, responsável pela construção ou remodelação do conjunto arquitectónico.
Os diferentes volumes que formam o edifício apresentam uma disposição em L, ganhando especial importância a fachada mais longa, não apenas por incluir a entrada e a capela, mas também por articular dois corpos distintos, ligados entre si através de um portão. O alçado perpendicular a este, de dois pisos, é aberto por vãos simétricos, de moldura reta, excetuando o amplo portão do piso térreo. A outra fachada, também de dois andares, apresenta cinco janelas de sacada, a que correspondem outros tantos vãos no piso inferior, com a porta principal ao centro. A fachada da capela inscrita no mesmo plano do alçado da casa de habitação, distingue-se pelo maior cuidado decorativo, com portal de verga reta decorado por motivos vegetalistas, e brasão de armas, a que se segue o óculo, e a cornija em forma de frontão triangular. O remate é comum ao restante edifício, com cornija saliente, mas encimada por fogaréus e cruz.
O último corpo, tal como o outro perpendicular, denota uma linguagem mais despojada, com quatro janelas simétricas.
Se a depuração arquitetónica do exterior dificulta a definição de uma cronologia mais precisa, deixando em aberto várias possibilidades, o interior é claramente da segunda metade do século XVIII, época bem evidente nos diferentes conjuntos azulejares que o revestem - de padrão polícromo D. Maria, na casa, e com concheados em forma de asa de morcego, a azul e branco, na capela.
Rosário Carvalho/IPPAR/2005. Atualizado por Maria Ramalho/DGPC/2016.

Imagens

Bibliografia

Título

"Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, vol. IV"

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de