Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Ponte do século XVII, sobre o rio Jamor - detalhe

Designação

Designação

Ponte do século XVII, sobre o rio Jamor

Outras Designações / Pesquisas

Ponte setecentista sobre o rio Jamor (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Oeiras / Algés, Linda-a-Velha e Cruz Quebrada-Dafundo

Endereço / Local

Avenida Pierre de Coubertin
Cruz Quebrada

Rua Sacadura
Cruz Quebrada

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)
Edital de 28-10-1975 da CDA do Concelho de Oeiras
Edital de 22-08-1975 da CDA do Concelho de Oeiras
Despacho de homologação de 4-07-1975 do Secretário de Estado da Cultura e Educação Permanente
Parecer de 27-06-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como VC
Proposta de classificação de 27-05-1975 de José Luis Morgado

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizada em pleno centro histórico da povoação da Cruz Quebrada esta pequena ponte une duas margens do rio Jamor sendo constituída por três arcos de volta perfeita de idêntica feição e abertura. O aparelho construtivo é muito cuidado tendo sido utilizados, na sua edificação, silhares retangulares de encaixe perfeito. O sistema de reforço compõe-se por talha-mares triangulares e relativamente delgados, anexos aos pilares. O tabuleiro é horizontal e desenvolve-se ao longo de c. de 50 metros, estando protegido por guardas em cantaria.
Na origem, o conjunto monumental era mais extenso e englobava, para além da ponte, um cruzeiro (que ainda existe, do lado direito da estrutura) e um chafariz, desmantelado em 1930. Era no chafariz - ponto fundamental de abastecimento de água à população - que se encontravam as duas lápides, transferidas para a ponte no início da década de 30 do século XX, altura em que supomos ter o tabuleiro sido alcatroado e aberto ao trânsito rodoviário, embora não existam dados seguros sobre esta última reconversão.
Actualmente, a velha ponte ainda serve o seu primeiro propósito de passagem entre as duas margens, ligando a Avenida Pierre de Coubertin e a Rua Sacadura, e integra-se num curioso conjunto de pontes da localidade da Cruz Quebrada, de que fazem parte outras duas, de funções distintas, uma rodoviária e em betão armado, construída em 1939, e outra ferroviária, servindo a linha Cascais - Cais do Sodré, inaugurada no ano de 1896.
História
A relevância desta ponte, em termos locais, é indiscutível integrando o próprio brasão heráldico da freguesia.
Esta ponte corresponde, também, a um importante elemento de travessia do Jamor para quem fazia a ligação Este-Oeste desta parcela do território ocidental de Lisboa. Não obstante a importância no quadro viário da região, a sua construção aconteceu apenas num momento tardio, concretamente em 1608, época do domínio filipino em Portugal. Esta data, todavia, não esclarece se existiu anteriormente uma outra ponte, ou se a passagem era feita por barca, como seria natural tendo em conta a relevância deste antigo caminho pelo interior do território da atual linha de Cascais.
A sua construção é atribuída ao frade arrábido de Santa Catarina de Ribamar, Fr. Rodrigo de Deus, possível arquiteto que se pensa ter edificado outras três pontes nas imediações (Algés, Linda-a-Pastora e Caxias). No entanto, existem vários motivos para duvidar desta atribuição, desde a não confirmação documental da autoria, até às grandes diferenças tipológicas entre as várias estruturas (NOÉ, 1991, SIPA on-line). Por outro lado, uma inscrição localizada na secção meridional da ponte esclarece acerca do patrocínio que presidiu à sua construção: a Câmara de Lisboa, decorrendo as mais obras por conta do povo local. Associada a este letreiro, uma outra lápide contém a representação de uma caravela, símbolo tradicional da autarquia da capital, que deve ter patrocinado a edificação tendo em conta as vantagens económicas da passagem de pessoas e de mercadorias que afluíam à cidade vindas do Ocidente do território.

Paulo Fernandes/IPPAR/2005. Atualizado por Maria Ramalho/DGPC/2016

Bibliografia

Título

Pontes Antigas Classificadas

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

RIBEIRO, Aníbal Soares

Título

Oeiras, o Património - a História

Local

Oeiras

Data

1996

Autor(es)

ROCHA, Maria Filomena Isabel Serrão

Título

Plano de Salvaguarda do Património Construído e Ambiental do Concelho de Oeiras

Local

Oeiras

Data

1999

Autor(es)

SOROMENHO, Maria Isabel, RIBEIRO, Cristina Pintassilgo, BATALHA, Elisa Galrão

Título

O sítio da Cruz Quebrada

Local

Lisboa

Data

1964

Autor(es)

MONTEIRO, Gilberto