Saltar para o conteúdo principal da página

Penedo de Vegide, em que se encontram escavadas duas sepulturas - detalhe

Designação

Designação

Penedo de Vegide, em que se encontram escavadas duas sepulturas

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Sepultura

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Castelo de Paiva / Sobrado e Bairros

Endereço / Local

- -
Corvite

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Localizado no Lugar de Corvite, nas proximidades de Sobrado, o sítio do "Penedo de Vegide" (ou "Pias dos Mouros", como será mais vulgarmente conhecido na região) é constituído por duas sepulturas rectangulares escavadas no próprio afloramento granítico, de tipologia antropomórfica, de modo relativamente destacado na paisagem e junto a caminhos antigos.
De dimensões diferenciadas, ambas apresentam uma zona especialmente afeiçoada para apoio da cabeça dos inumados, assim como sulcos transversais, estes últimos situados nas respectivas bases, especialmente da sepultura maior. Observa-se, ainda, uma depressão a contornar o rebordo das duas sepulturas, provavelmente destinada a impedir as infiltrações das águas, designadamente pluviais, e a permitir um melhor encaixe da tampa que as cobriria na origem.
Uma das principais características deste conjunto residirá, contudo, na presença de inscrições presentes ao lado da sepultura de maiores dimensões (com aproximadamente dois metros de comprimento, por setenta de largura e quarenta e cinco de altura interna).
Essencialmente executadas durante a Idade Média do Norte Peninsular, possivelmente entre finais do século IX e meados do XI (embora se admita a sua produção já durante os séculos VI/VII, assim como prolongamentos pontuais até aos XIII/XIV), as duas sepulturas confirmarão um ritual funerário próprio da época desta região do país, quando de procedia à deposição dos corpos sem qualquer tipo de espólio associado, numa altura em que não existiria um cemitério paroquial e se verificara um acentuado afastamento entre os espaços rurais e urbanos, estes últimos tão distintivos dos momentos precedentes, na esteira da tradição clássica, por intermédio da presença romana no actual território português.
Estamos, em todo o caso, perante uma matéria de estudo que não reúne, propriamente, consenso entre os especialistas, em grande parte por ausência dos imprescindíveis contextos estratigráficos e de outros elementos que pudessem clarificar o carácter intrínseco e extrínseco destes testemunhos medievais.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Elementos para a história de Castelo de Paiva

Local

Coimbra

Data

1947

Autor(es)

PINHO, Margarida Rosa Moreira de

Título

Carta arqueológica do Concelho de Castelo de Paiva

Local

Porto

Data

1996

Autor(es)

SILVA, Eduardo Jorge Lopes da, ROCHA, Manuel Joaquim Moreira da, LOUREIRO, Olímpia Maria da Cunha, MONTEIRO, Carla Isabel da Silva Nunes

Título

Lendas e tradições de Castelo de Paiva: poemetos

Local

Castelo de Paiva

Data

1981

Autor(es)

VASCONCELOS, Adriano M. Strecht de

Título

Arte Monumental Portuguesa

Local

Porto

Data

1975

Autor(es)

AZEVEDO, Correia de