Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício da sede da Sociedade de Instrução e Beneficência A Voz do Operário - detalhe

Designação

Designação

Edifício da sede da Sociedade de Instrução e Beneficência A Voz do Operário

Outras Designações / Pesquisas

Edifício de A Voz do Operário / Edifício da Voz do Operário(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

Norte Júnior

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / São Vicente

Endereço / Local

Rua da Voz do Operário
Lisboa

Número de Polícia: 13

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-BU/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 22-10-2012 do diretor-geral da DGPC
Anúncio n.º 6250/2012, DR, 2.ª série, n.º 58, de 21-03-2012 (ver Anúncio)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de concordância de 7-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Novo parecer de 7-11-2011 a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de concordância de 20-06-2005 do presidente do IPPAR
Parecer favorável de 4-05-2005 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 5-08-2004 da DR de Lisboa para a classificação como IIP
Despacho de 18-02-1987 do presidente do IPPC a determinar a abertura da instrução do processo de classificação, na sequência de pergunta da Assembleia da República sobre se estava classificado ou se já havia proposta de classificação

ZEP

Portaria n.º 740-BU/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 22-10-2012 do diretor-geral da DGPC
Anúncio n.º 6250/2012, DR, 2.ª série, n.º 58, de 21-03-2012 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 7-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 7-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 14-10-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Edifício da sede da Sociedade de Instrução e BeneficênciaA Voz do Operário, sito na da Rua do mesmo nome (originalmente R. da Infância), esquina com a Tv. de S. Vicente, 11-11A.
Imóvel de planta retangular e imponente volumetria, constituído por três corpos interligados e habilmente adequados ao declive do terreno, cujo programa se distribui por 4 pisos, servindo as funções educativas e assistenciais que marcaram este inovador projeto. O alçado principal é composto por três corpos, o central recuado e de perfil irregular, sugerindo um proscénio, com dois pilares da ordem colossal, simultaneamente decorativos e comemorativos, encimados por frontão curvo em cujo tímpano se inscreve o nome da instituição. A entrada é feita por três portas de arcos plenos, ao centro, sendo que as demais fenestrações apresentam vergas retas ou em arco rebaixado. Nos corpos laterais, simétricos, as fachadas organizam-se em dois panos de três registos, o primeiro delimitado por cantaria aparelhada, que marca os cunhais e se prolonga superiormente em arco pleno, onde se rasgam fenestrações duplas, separadas por colunelo poligonal que no último registo sustenta um arco geminado. O segundo pano é rematado por frontão triangular, fechado por corpo prismático, com dois martelos cruzados e unidos por filacteras, em relevo, alusivos ao operariado. Em cada piso, a iluminação é feita por três janelas de peito curvo, que no piso térreo são separadas por pilares e unificadas por arco abatido, cujas aduelas estilizam rodas dentadas.
O piso superior corresponde ao amplo Salão Nobre, cuja cobertura metálica assenta em asnas aparentes e montantes de ferro, é exemplo das virtudes da nova tecnologia, que permitiu vencer amplos vãos. O espaço, onde ocorriam projeções cinematográficas desde 1917, foi modernizado em 1931 e é dominado por três amplos vãos: ao centro, uma rosácea com vitrais de temática maçónica, vazada ao centro de frontão curvo e emoldurada por decoração neobarroca. De ambos os lados, janelas de arco triplo; nos corpos laterais, janelão único de arco rebaixado cujo fecho é marcado na fachada.
As necessidades de iluminação do edifício determinaram a abertura de claraboia e a construção de um corpo poligonal, voltado para a Tv. de S. Vicente, com grandes janelões.
O plano exterior das traseiras é ocupado por estreitas escadas de segurança, em ferro. O interior, que guarda muito do mobiliário e das decorações originais, é dominado pela imponente escadaria, anunciada na volumetria do frontispício, que liga os corredores centrais dos vários pisos e conduz ao Salão.
História
O edifício foi construído de raiz em terreno exíguo, cedido pelo Governo de João Franco, com o fito de albergar as escolas e os serviços da instituição nascida em 1883 para prestar assistência humanitária e educativa aos operários da indústria tabaqueira, posteriormente alargada a trabalhadores de outras indústrias. O projeto foi encomendado pela Sociedade a Manuel Joaquim Norte Júnior, que concebeu um edifício funcional dentro da estética do Ecletismo historicista, associado à nova arquitetura do ferro. Tendo por construtor João Maria da Cruz, a 1ª pedra foi lançada em outubro de 1912. Novo projeto daquele arquiteto, de agosto de 1914, receberia aprovação camarária em dezembro, condicionada à revisão da largura das portas de saída do Salão para a varanda; era então seu construtor António Dias Monteiro.
Este raro equipamento cívico em que foi utilizada a tecnologia do ferro, foi inaugurado em 07/12/1930 mas concluído apenas dois anos mais tarde, não sem antes ter sofrido algumas alterações e diversos atrasos por força da Grande Guerra e de constrangimentos financeiros que determinaram o recurso a empréstimos bancários. À data da sua conclusão, o imóvel albergava o mais importante núcleo de instrução primária de Lisboa.Em 2012, foi classificado Monumento de Interesse Público.
Elsa Garrett Pinho
(Coord. Deolinda Folgado)
DGPC,2015

Imagens

Bibliografia

Título

A Arquitectura Modernista em Portugal (1890-1940)

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel

Título

A Arquitectura do Princípio do Século em Lisboa (1900-1925).

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel

Título

Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa

Local

-

Data

1987

Autor(es)

AA VV

Título

Cinemas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel

Título

Arquitectura Portuguesa do Século XX, in História da Arte Portuguesa (dir. Paulo Pereira), vol. 3

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

TOSTÕES, Ana Cristina

Título

Arquivo Municipal de Lisboa. Obra n.º 46275

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

-

Título

Voz do Operário. Expresso Revista, 25 de janeiro de 1997

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel

Título

Arquivo Nacional Torre do Tombo. Fundo: Sociedade de Instrução e Beneficência A Voz do Operário. Secção: Atas da Assembleia Geral. Unidade de Instalação: Actas nº 8 (1 livro). Datas de Produção: 1914-04-16 a 1916-02-10. Código de Referência: PT/SIBVO

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

-

Título

A arquitectura do ferro e do betão. In Portugal Contemporâneo (dir. António Reis), vol. 3, pp. 281-296

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel

Título

Os Cinemas de Lisboa. Um Fenómeno Urbano do Século XX

Local

Lisboa

Data

2013

Autor(es)

ACCIAIUOLI, Margarida

Título

Edifício da Voz do Operário. SIPA-Sistema de Informação para o Património Arquitetónico

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Tradição centenária a par com o nosso tempo (1883-1993). Contribuição para a História da Voz do Operário

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Norte Júnior - O percurso e a obra de um arquitecto artista. Sociedade Amor da Pátria. 150º Aniversário. 1859-2009.

Local

Horta

Data

2009

Autor(es)

CALADO, Maria

Título

Sociedade de Instrução e Beneficência A Voz do Operário. Uma associação representativa da classe dos manipuladores do tabaco, em particular, e da classe operária, em geral. Dissertação de Mestrado

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

LOPES, Ramiro José Ferreira

Título

O Centenário da Sociedade A Voz do Operário

Local

Lisboa

Data

1983

Autor(es)

SANTOS, F. Piteira

Título

Filantropia e Arquitetura: da 1.ª República ao Estado Novo (1880-1920) . Revista Arquitectura Lusíada, N.º 2 (1º semestre de 2011), pp. 19-32

Local

Lisboa

Data

2011

Autor(es)

GALVÃO, Andreia Aires de Carvalho, MENDES, José Ribeiro

Título

Experiências republicanas e intervenções educativas (o exemplo da I República Portuguesa,1910-1926)

Local

Lisboa

Data

2012

Autor(es)

PINTASSILGO, Joaquim

Título

O público e o privado na História da Educação. O exemplo de Portugal (segunda metade do século XIX - início do século XX)

Local

Lisboa

Data

2011

Autor(es)

PINTASSILGO, Joaquim

Título

A República e a educação: do ideal às realizações

Local

Lisboa

Data

2009

Autor(es)

PINTASSILGO, Joaquim

Título

O ensino não-oficial na 1ª República - (A Voz do Operário). Análise Psicológica, 3 (V), pp. 363-374

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

TAVARES, David, PIMENTA, Manuel

Título

Voz do Operário. In Dicionário da História de Lisboa, p. 965

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

SANTANA, Francisco

Título

Norte Júnior: obra arquitectónica, Tese de Mestrado em História da Arte.

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

PAIXÃO, Maria da Conceição Ludovice

Título

Arquitectura Moderna e Obra Global a partir de 1900

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

TOSTÕES, Ana

Título

Estética masónica y modernismo portugués. Lisboa y el arquitecto Manuel Joaquim Norte Júnior. Akros. Revista de Patrimonio, n.º 12, pp. 40-47

Local

Melilla

Data

2013

Autor(es)

MARTÍN LÓPEZ, David