Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja e Vestígios do Convento do Carmo - detalhe

Designação

Designação

Igreja e Vestígios do Convento do Carmo

Outras Designações / Pesquisas

Convento e Igreja do Carmo em Torres Novas(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Torres Novas / Torres Novas (São Pedro), Lapas e Ribeira Branca

Endereço / Local

Largo das Forças Armadas
Torres Novas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-CZ/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 13448/2012, DR, 2.ª série, n.º 184, de 21-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 12-03-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo, retirando os imóveis a demolir e alterando a designação para "Igreja e vestígios do Convento do Carmo"
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de 3-09-2009 do director do IGESPAR, I.P. para alargamento do âmbito da classificação
Parecer favorável de 26-08-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 9-12-2008 da CM de Torres Novas para alargamento do âmbito da classificação, de forma a abranger o Convento
Despacho de abertura de 1-04-1993 (igreja)

ZEP

Portaria n.º 740-CZ/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 13448/2012, DR, 2.ª série, n.º 184, de 21-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 12-03-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo
Parecer favorável de 26-08-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 7-08-2009 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O antigo Convento de São Gregório Magno, onde se integrava a Igreja do Carmo, foi fundado em 1558, depois de D. Jaime de Lencastre, bispo de Ceuta e prior da Igreja de São Pedro, ter doado aos Carmelitas Calçados uma ermida, já então com a invocação de São Gregório, bem como os terrenos que lhe estavam anexos, para a edificação de um convento.
No entanto, as obras iriam arrastar-se até à centúria seguinte. Certamente edificada de raiz na estrutura quinhentista do templo, a capela-mor foi dotada e ornamenta em 1624 por João Rodrigues de Novais e sua mulher, Maria de Almeida, que foram sepultados nesse espaço.
Depois da extinção das ordens religiosas, o convento e a igreja passaram a integrar o património da Misericórdia de Torres Novas, que em 1882 transformou o espaço conventual num hospital, que ali funcionou até 2000.
O templo apresenta uma fachada dividida em três panos, que lembra o frontispício do templo de São Vicente de Abrantes. Ao centro foi rasgado um portal de moldura rectangular encimado por friso, com a inscrição 1689, sobre o qual foi aberta uma janela com guarda de ferro. Nos panos laterais foram rasgadas duas portas de moldura rectangular com frontão curvo.
O interior do templo é de nave única coberta por abóbada de berço com caixotões de estuque. Ao fundo foi edificado o coro-alto de madeira, e nas paredes laterais foram abertas duas capelas, de cada lado, que abrem com arcos de volta perfeita assente sobre pilastras toscanas e cobertas por abóbada de caixotões. A igreja tem ainda painéis de azulejos seiscentistas, que decoram a Capela do Senhor dos Aflitos e a parede sobre o arco triunfal.
A capela-mor é coberta por uma abóbada de caixotões pintada com ornamentos de ferroneries , que enquadram as armas da Ordem do Carmo. Ao centro foi colocado o retábulo rococó, em estuque marmoreado, que alberga a imagem de Nossa Senhora do Carmo e de São José. Nas paredes laterais foram integrados os túmulos dos fundadores encimados pelas pedras de armas de cada um, do lado do Evangelho João Rodrigues de Novais, e na parede fronteira D. Maria de Almeida.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Santarém

Local

Lisboa

Data

1949

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Azulejaria em Portugal no século XVII

Local

Lisboa

Data

1971

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos