Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Ulgueira - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Ulgueira

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de Nossa Senhora da Conceição da Ulgueira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Sintra / Colares

Endereço / Local

Largo Dr. Carlos França
Ulgueira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-FJ/2012, DR, 2.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 2-07-2012 do diretor-geral da DGPC
Declaração de retificação n.º 534/2012, DR, 2.ª série, n.º 79, de 20-04-2012 (retificou a delimitação e consequentemente relocalizou a futura ZGP) (ver Declaração)
Anúncio n.º 5878/2012, DR, 2.ª série, n.º 55, de 16-03-2012 (ver Anúncio)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de concordância de 20-12-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação, mas apenas da igreja, como MIP
Proposta de 26-10-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Edital N.º 241/06 de 10-07-2006 da CM de Sintra
Despacho de 11-04-2006 da vice-presidente do IPPAR a revogar o despacho anterior e a determinar a abertura do procedimento relativo à eventual classificação da Igreja, adro frontal e cemitério anexo
Informação favorável de 2-09-2003 da DR de Lisboa do IPPAR
Proposta de 2-10-2001 da CM de Sintra para alargamento da classificação ao adro
Edital de 5-08-1996 da CM de Sintra
Despacho de 23-07-1996 do vice-presidente do IPPAR a determinar a abertura da instrução do processo de classificação
Proposta de 5-07-1993 da CM de Sintra para a classificação da igreja

ZEP

Portaria n.º 255/2016, DR, 2.ª série, n.º 166, de 31-08-2016 (com restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 16-10-2015 do diretor-geral da DGPC
Despacho de concordância de 12-10-2015 do diretor-geral da DGPC
Proposta de 9-10-2015 do Departamento dos Bens Culturais para manter as restrições
Em 24-06-2015 foram apresentadas observações por um particular relativamente a algumas restrições propostas
Anúncio n.º 98/2015, DR, 2.ª série, n.º 92, de 13-05-2015 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 26-03-2015 do diretor-geral dac DGPC
Parecer favorável de 11-02-2015 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Em 17-03-2014 foi solicitado parecer à CM de Sintra, não tendo sido obtido resposta
Proposta de 25-07-2014 da DGPC
Proposta de 6-03-2014 do Departamento dos Bens Culturais da DGPC

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Abrangido pela Zona Tampão da "Paisagem Cultural e Natural de Sintra", incluída na Lista de Património Mundial - ZEP (nº 2 do art.º 72.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, de 23 de Outubro)

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Erguendo-se no centro da localidade de Ulgueira, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição foi edificada na década de 60 do século XVI. Ao longo do século XVIII a capela-mor recebeu um novo programa decorativo.
A planta do templo, de modelo irregular, é composta por dois corpos justapostos, o da nave, retangular, e o que integra a capela-mor e a sacristia, em forma de L.
A fachada, precedida por adro com escadaria e ladeada por contrafortes nos cunhais, apresenta ao centro o portal, ladeado por duas janelas, que se constitui como o elemento de maior destaque do templo pela erudição do seu programa. Edificado segundo um esquema serliano, apresenta portal de volta perfeita, alteado, inserido num frontão recortado decorado por urnas, mascarões e cartelas roll werk, inspirados nas gravuras de grutesco flamengas. Sobre este, no registo superior, foi rasgado um janelão, e o conjunto do frontispício é rematado em empena, com um curioso entablamento interrompido por arco rebaixado.
Do lado esquerdo, ergue-se um muro com portão de ferro, que encerra o recinto do cemitério local.
O espaço interior apresenta nave única, despojada de decoração, com púlpito de mármore colocado no registo superior, do lado do Evangelho, e coro alto sobre a entrada. Um arco de volta perfeita, encimado pelo monograma mariano, abre para o espaço da capela-mor, cujo programa decorativo data do século XVIII. Este espaço é revestido por painéis de azulejos dedicados a temas da Vida da Virgem, nomeadamente a Anunciação, o Casamento da Virgem e São Joaquim e Santa Ana. O retábulo, de talha dourada e polícroma, apresenta linhas simples, recriando um frontão arquitetónico de remate triangular. Ao centro, ergue-se uma imagem de vulto de Nossa Senhora da Conceição, datada também de Setecentos. O teto de madeira que cobre a capela é abobadado e pintado com um medalhão da padroeira, rodeado por ornamentos vegetalistas e mascarões policromados e dourados.
História
A Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Ulgueira foi fundada na década de 60 do século XVI, numa época em que a região de Sintra conhecia um interessante surto construtivo derivado do facto de acolher a Corte por diversas temporadas, e ser desde o início da centúria o destino preferencial das famílias aristocráticas lisboetas (Serrão:1989, p.54).
O templo conserva um portal maneirista de características eruditas, com cartelas com grutescos de inspiração flamenga, denota não só conhecimento da tratadística coeva mas também uma atualização com os modelos decorativistas do Norte da Europa; no entanto, mantêm-se no anonimato quer os nomes do seu arquiteto e do escultor do programa da fachada, quer a referência do encomendante da obra. Sabe-se apenas que foi edificado no ano de 1566, conforme indica a inscrição "ESTA.CASA.E.DE.NOSA.SÕRA.DA.COMCEICÃO.ANO.DE.1566" colocada sobre o portal.
Nos primeiros anos do século XVIII, o espaço interior da capela-mor começou a ser reformado, iniciando-se a nova campanha decorativa pelos painéis de azulejo que revestem as paredes laterais, assinados pelo monogramista LS. Já o retábulo-mor é datável dos anos finais da mesma centúria, apresentando linhas de gosto neoclássico. Poderá também datar desta época a pintura do teto abobadado.
Tanto o retábulo-mor como o teto de madeira foram restaurados entre 1994 e 1996 pela Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra.
A igreja foi classificada como de interesse público em 2012.
Catarina Oliveira
DGPC, 2016

Imagens

Bibliografia

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

Sintra

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Sintra Ex Arte. Renascimento, Maneirismo e Estilo Chão. Revista Tritão, n.º 1, pp.1-32

Local

Sintra

Data

2012

Autor(es)

CAETANO, Maria Teresa