Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Santa Luzia (Marinhas) - detalhe

Designação

Designação

Capela de Santa Luzia (Marinhas)

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Santa Luzia(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Caminha / Vilar de Mouros

Endereço / Local

- Lugar de Santa Luzia
Marinhas

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma) , alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, N.º 251, de 28-12-2012
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundada em 1569, a Capela de Santa Luzia foi edificado como um pequeno templo particular, que servia sobretudo de local de peregrinação em romarias locais. Desconhece-se a identidade quer do autor da traça do templo, quer do encomendante.
De planta longitudinal, o conjunto do templo é composto pela nave e pela capela-mor, de secção mais estreita e cércea mais baixa, que apresenta no exterior três faces. A fachada principal apresenta um modelo de linhas muito simples, que lembra o românico da região.
Apresenta ao centro o portal, de volta perfeita, encimado por uma fresta. O conjunto é rematado em empena, com sineira ao centro. No cunhal do lado esquerdo da fachada foi colocada uma imagem de Cristo na Cruz.
O interior, de espaço único, apresenta alguma riqueza decorativa. No lado da Epístola foi construído o púlpito, de cantaria. Possui junto ao altar um retábulo de talha dourada de gosto maneirista, executado em 1638, que integra a imagem da padroeira.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 6 de Junho de 2005

Bibliografia

Título

A Talha em Portugal

Local

Lisboa

Data

1962

Autor(es)

SMITH, Robert C.

Título

Caminha e seu concelho

Local

Caminha

Data

1985

Autor(es)

ALVES, Lourenço