Saltar para o conteúdo principal da página

Mosteiro de Leça do Balio, compreendendo a lâmina sepulcral de bronze - detalhe

Designação

Designação

Mosteiro de Leça do Balio, compreendendo a lâmina sepulcral de bronze

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Antigo Mosteiro de Leça do Balio / Igreja de Santa Maria de Leça do Balio (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Mosteiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Matosinhos / Custóias, Leça do Balio e Guifões

Endereço / Local

Rua de Santos Lessa
Leça do Balio

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 21-09-1957, publicada no DG, II Série, n.º 24, de 29-01-1958 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 21-09-1957, publicada no DG, II Série, n.º 24, de 29-01-1958

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Uma antiga tradição refere que aqui existiu um primeiro edifício religioso pré-românico, construído no século X, mas de que nenhum elemento chegou até nós. Nos primeiros tempos da nacionalidade, pelos meados do século XII, D. Afonso Henriques doou o couto de Leça à Ordem do Hospital, a primeira Ordem Militar documentada em território português.
A construção que actualmente observamos não data do século XII, apesar de, nessa altura, se ter edificado um mosteiro românico. O imponente edifício fortificado que sobreviveu até hoje é uma construção gótica, datado da primeira metade do século XIV, e impulsionado por Fr. Estêvão Vasques Pimentel, falecido em 1336 e que se fez sepultar, em campa rasa, diante do altar. Por essa data, portanto, depreende-se que a cabeceira estaria em adiantado estado de construção, ou mesmo já terminada.
São duas as correntes artísticas dominantes neste monumento, aparentemente em contradição estética e funcional entre si, mas, um tanto paradoxalmente, aqui integradas de forma harmoniosa. De um lado, o esquema palnimétrico e volumétrico mendicante aplicado às igrejas. De outro, a máscara de fortificação e de poder que caracteriza exteriormente o edifício.
Em planta, o modelo mendicante é claro: três naves, organizadas em cinco tramos, sendo o último uma espécie de transepto inscrito, marcado apenas em altura; a divisão do espaço é feita através de grossos pilares, de perfil cruciforme pelo adossamento de colunas nas suas quatro faces; a cabeceira é tripla, com uma capela-mor mais profunda que os absidíolos, e de secção nascente poligonal. Se a estas características se juntar a cobertura em madeira das naves e o abobadamento em cruzaria de ogivas da cabeceira, temos um conjunto de indicadores que remetem para aquele modelo mendicante, que gozou de enorme sucesso na nossa arquitectura gótica, desde a igreja de Santa Maria do Olival, em Tomar, até praticamente ao século XVI.
Exteriormente, contudo, é uma outra linguagem estético-artística que vinga. A existência de merlões a toda a roda do edifício, de um caminho de ronda, de um balcão defensivo sobre o portal principal, ameado e dotado de matacães, e, principalmente, de uma robusta e grandiosa torre a ladear a fachada principal, pelo lado Sul, conferem a este monumento um estatuto ímpar na arquitectura religiosa gótica no nosso país, e colocam-no como principal exemplo do núcleo de igrejas-fortificadas então construídas.
Muito se tem já escrito sobre este carácter militar do templo de Leça do Bailio, discutindo-se, especialmente, se se trata de uma igreja-fortificada, se de uma igreja-fortaleza. O que parece claro é que a Ordem dos Hospitalários, em pleno século XIV, optou por um modelo construtivo religioso, de forte carácter militar, numa época em que a linha de fronteira que alimentava o antagonismo reconquistador estava bastante afastado. Tal facto justifica-se pelo objectivo de "representação retórica da força" (PEREIRA, 1995, vol. I, p.388), tão característico de uma Ordem Militar, e tão efectivo numa zona em que os detentores de poder eram ainda as velhas famílias de Infanções.
A estrutura militar de todo o conjunto foi também já interpretada como um sinal de arcaísmo do projecto, cujas abundantes massas pétreas contradizem muito do que foi a origem do Gótico. Tal leitura, todavia, apresenta-se hoje demasiado redutora, face ao complexo e erudito programa construtivo que foi seguido. Idênticas cautelas devem ser tomadas em relação aos capitéis das naves. O facto de ostentarem temas historiados, fez com que alguns autores tenham reconhecido um fundo românico na sua execução. No entanto, o Gótico continuou a utilizar a decoração figurativa em capitéis, e ainda que o granito tenha determinado uma maior simplificação das formas, estes capitéis correspondem a uma religiosidade já bem Gótica, como o atesta a crucificação de Cristo, em detrimento da natureza essencialmente divina do filho de Deus, que domina a iconografia românica.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - o Gótico

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, BARROCA, Mário Jorge

Título

A Arquitectura Gótica em Portugal

Local

Lisboa

Data

1981

Autor(es)

CHICÓ, Mário Tavares

Título

A Arquitectura (1250-1450), História da Arte Portuguesa, dir. Paulo Pereira, vol. I, pp.335-433

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

A arquitectura gótica portuguesa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

A lápide de bronze de Leça do Balio, A Arte Portuguesa, nº1, pp.5-6

Local

Porto

Data

1882

Autor(es)

VASCONCELOS, Joaquim de

Título

A lâmina de bronze de Leça do Balio, Revista de Arqueologia, vol.3, pp.307-314

Local

Lisboa

Data

1938

Autor(es)

VITORINO, Pedro

Título

O conjunto monumental de Leça do Balio na época gótica, Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.15-21

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso

Título

O actual concelho de Matosinhos nas Inquirições de 1258, Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.23-39

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

BARBOSA, Isabel Lago

Título

A Comenda de Leça do Balio (séculos XII-XVI), Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.85-91

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

COSTA, Paula Pinto

Título

Ainda um convento familiar, Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.93-95

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

SERÉN, Maria do Carmo

Título

O acervo epigráfico do Mosteiro de Leça do Balio, Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.97-116

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Acompanhamento arqueológico na remodelação do edifício da Quinta do Mosteiro: metodologia de intervenção e resultados, Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.119-135

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

TEIXEIRA, Ricardo Jorge Coelho Marques Abrantes, BARROS, Márcia, SILVA, Teresa, FONSECA, Vítor

Título

A «última morada» de Leça do Balio: História e Património, Matesinus, nº5 (Actas das III Jornadas de História e Património Local - 2003), pp.147-155

Local

Matosinhos

Data

2004

Autor(es)

QUEIROZ, Francisco

Título

Memoria historica da Antiguidade do Mosteiro de Leça, chamado do Balio

Local

Porto

Data

1852

Autor(es)

BARBOSA, António do Carmo Velho de

Título

Mosteiro de Santa Maria de Leça do Balio, Archivo Pittoresco, ano IV, pp.257-259

Local

Lisboa

Data

1861

Autor(es)

BARBOSA, Inácio de Vilhena

Título

A igreja do Mosteiro de Leça, os Paços do Balio e as capelas da baliagem numa descrição de 1734, Boletim da Biblioteca Pública Municipal de Matosinhos, vol.11, pp.35-60

Local

Matosinhos

Data

1964

Autor(es)

BRANDÃO, Domingos de Pinho

Título

Leça do Balio no tempo dos cavaleiros do Hospital

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso, COSTA, Paula Pinto

Título

O Mosteiro de Leça do Balio

Local

Porto

Data

1940

Autor(es)

DUARTE, Arnaldo

Título

Santa Maria de Leça do Balio

Local

Porto

Data

1958

Autor(es)

FREITAS, Eugénio de Andrea da Cunha e

Título

A igreja de Leça do Balio, O Tripeiro, sér. 5, nº8, pp.177-178 e nº9, pp.206-208

Local

Porto

Data

1946

Autor(es)

FRONTEIRA, Joaquim

Título

Notas sobre a Anunciação da lápide de bronze de Leça do Balio, O Tripeiro, Sér. V, ano XIII, nº5, pp.142-146 e nº6, pp.171-173

Local

Porto

Data

1956

Autor(es)

GONÇALVES, Flávio

Título

A Anunciação na arte medieval em Portugal. Estudo iconográfico

Local

Porto

Data

1983

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

A igreja de Leça do Balio, A arte e a Natureza em Portugal, vol.2

Local

Porto

Data

1903

Autor(es)

MAGALHÃES, Luís de

Título

A igreja do Bailiado de Leça, Boletim da Associação Cultural Amigos do Porto, 2ª sér., vol.2, pp.23-41

Local

Porto

Data

1972

Autor(es)

OLIVEIRA, António de Sousa (Júnior)

Título

Mosteiro de Leça do Balio, Arte, ano 3, nº30-32

Local

Porto

Data

1907

Autor(es)

VASCONCELOS, Joaquim de

Título

Resenha Historica e Archeologia do Mosteiro de Lessa do Bailio

Local

Porto

Data

1899

Autor(es)

CARNEIRO, José Augusto

Título

A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal

Local

Barcelos

Data

1969

Autor(es)

PERES, Damião

Título

Mosteiro de Leça do Bailio. Boletim da DGEMN, nº1

Local

Lisboa

Data

1935

Autor(es)

-

Título

Castelos Portugueses

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

MONTEIRO, João Gouveia, PONTES, Maria Leonor

Título

Epigrafia medieval portuguesa (862-1422)

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

A Ordem do Hospital e a arquitectura militar em Portugal (Sécs. XII a XIV), 3ºCongresso de Arqueologia Peninsular, vol. VII, 2000, pp.187-209

Local

Porto

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

O claustro da Sé de Lisboa: uma arquitectura «cheia de imperfeições»?, Murphy, nº1, pp.18-69

Local

Coimbra

Data

2006

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida