Saltar para o conteúdo principal da página

Mosteiro de Santa Clara-a-Nova - detalhe

Designação

Designação

Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro de Santa Isabel / Santuário da Rainha Santa Isabel (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Mosteiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Santa Clara e Castelo Viegas

Endereço / Local

Alto de Santa Clara
Coimbra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 31-A/2012, DR, 1.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (ampliou a área classificada e alterou a designação para "Mosteiro de Santa Clara-a-Nova") (ver Decreto)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de homologação de 30-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Procedimento prorrogado até 31-12-2011 pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Edital N.º 119/2008 de 15-07-2008 da CM de Coimbra
Despacho de abertura (ampliação) de 6-02-2008 do director do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 6-02-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 14-11-2006 da DR de Coimbra para ampliação da classificação
Decreto de 20-05-1911, DG, n.º 119, de 23-05-1911 (determinou que a classificação compreende não só o túmulo mas ainda o claustro e coros) (ver Decreto)
Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (classificou o Mosteiro de Santa Clara, compreendendo o túmulo da Rainha Santa Isabel) (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 381/2009, DR, 2.ª série, n.º 49, de 11-03-2009 (com ZNA) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 5-12-2008 do Ministro da Cultura
Despacho de concordância de 12-11-2008 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 12-11-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. a propor a separação das duas ZEP
Edital N.º 118/2008 de 15-07-2008 da CM de Coimbra
Despacho de homologação de 28-01-2008 da Ministra da Cultura
Edital N.º 299/06 de 18-12-2006 da CM de Coimbra
Parecer favorável de 4-10-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de alteração de 27-06-2006 da DR de Coimbra, estabelecendo uma ZEP conjunta do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha e do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova
Portaria de 8-10-1968, publicada no DG, n.º 259, de 4-11-1968
Portaria de 20-05-1960, publicada no DG, n.º 46, de 23-02-1961

Zona "non aedificandi"

Portaria n.º 381/2009, DR, 2.ª série, n.º 49, de 11-03-2009

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Os problemas registados no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha e a crescente insalubridade verificada nesse mesmo espaço, tiveram como consequência a construção de um novo mosteiro, cuja primeira pedra foi lançada a 3 de Julho de 1649. Este complexo conventual só estaria parcialmente concluído em 1696, data da sagração do templo, pois as obras do claustro, portaria e aqueduto continuaram até ao final do século XVIII (BORGES, 1987, p. 74). Muito embora o corpo da Rainha Santa tenha sido trasladado para a igreja, e o seu túmulo - uma das peças mais significativas do conjunto, executado por mestre Pero c. de 1330 -, se encontre no coro baixo da mesma, o mosteiro manteve a anterior invocação a Santa Clara.
A planta deste edifício foi traçada por Frei João Turriano (engenheiro-mor do Reino e lente de Matemática na Universidade de Coimbra), e as obras de construção do templo dirigidas por Mateus do Couto, arquitecto régio que terá mantido, de uma forma genérica, o projecto inicial.
Implantado no denominado Monte da Esperança, cuja localização ao mesmo nível da cidade de Coimbra permite uma vista privilegiada sobre a mesma, o mosteiro segue a linha de cume, o que deixa antever a sua organização volumétrica: "para a direita, em direcção a norte, alonga-se o extenso corpo do dormitório; ao centro ergue-se a parte da igreja e dos coros, ficando para trás o claustro e na sua ala norte, perpendicular à linha da frontaria do edifício, o refeitório e a cozinha; para a esquerda, a parte civil, conhecida por hospedarias" (GONÇALVES, CORREIA, 1947).
A planimetria simplificada e a preferência por linhas rectas, inscrevem o edifício ainda numa corrente maneirista, em que o portal da igreja e a fachada da portaria são já barrocos. Esta última foi desenhada por Carlos Mardel em 1761 e construída por Gaspar Ferreira. No interior do templo, destacam-se os catorze retábulos de talha dourada, nomeadamente o principal, de estilo nacional "(...) habilmente concebido para receber o trono eucarístico e o túmulo de prata da Rainha Santa" (BORGES, 1987, p. 74), que foi encomendado por D. Afonso de Castelo Branco em 1614, e executado pelo entalhador Domingos Lopes, com a colaboração de Manuel Moreira (BORGES, 2003). A imagem de Santa Isabel é da autoria de Teixeira Lopes e resulta de uma encomenda da Rainha D. Amélia. A nave, rectangular, divide-se em cinco tramos separados por pilastras dóricas que enquadram os retábulos com motivos franciscanos ou relatos da história de Santa Isabel, delineados por Mateus do Couto, e executados por António Gomes e Domingos Nunes em 1692.
Perto do coro, encontram-se dois túmulos góticos da Infanta D. Isabel (filha de D. Afonso V) e de uma das filhas de D. Pedro, duque de Coimbra. Já no coro alto, sobressaí o cadeiral de dois andares com pinturas de santos franciscanos nos espaldares, que remonta à primeira metade do século XVII; bem como diversos retábulos oriundos do antigo convento.
Pelas suas dimensões, o claustro assume-se como um verdadeiro claustro real (BORGES, 1987, p. 75). O seu traçado, tradicionalmente atribuído a Carlos Mardel (PEREIRA, 1995, p. 159), revela inspiração em modelos eruditos e austeros do maneirismo, tendo sido alvo de uma campanha decorativa dirigida por Gaspar Ferreira em 1737 (BORGES, 1987, p. 75). No entanto, outros autores defendem que apenas o piso superior do claustro é atribuível a Mardel, sendo que o piso inferior teria sido concebido por Manuel do Couto e Custódio Vieira (BONIFÁCIO, 1990).
Com a extinção das Ordens Religiosas, as dependências conventuais foram ocupadas pelo Exército - Batalhão de Serviços de Saúde - e pelo Museu Militar.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

O emergente pólo de Santa Clara, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

FIGUEIRA, Jorge

Título

O mosteiro velho de Santa Clara, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

MACEDO, Francisco Pato de

Título

Esboço sobre a vida e obra da rainha Santa Isabel, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

COELHO, Maria Helena da Cruz

Título

A construção do novo mosteiro, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

SILVA, Luísa Rodrigues da

Título

[Não] São rosas, Senhor - Sobre as obras do claustro (1704-1760), in Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

FERRÂO, Leonor

Título

As inscrições funerárias do coro-baixo (1629-1744), Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

AVELLAR, Filipa Gomes do

Título

A Talha, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

Os legados da Rainha Santa: notas para um percurso museológico, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

ALARCÃO, Adília, PEREIRA, Helena

Título

Santa Clara-a-Nova: reabilitação e diagnóstico, in Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

RODRIGUES, J. Delgado, CANAS, José Fernando

Título

Coimbra: caracterização da margem esquerda, Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

RODRIGUES, Vasco

Título

O construtor seiscentista Domingos de Freitas, Mundo da Arte

Local

Coimbra

Data

1981

Autor(es)

SILVA, Pedro Dias da

Título

A actividade de Gaspar Ferreira em terras do interior beirão, Mundo da Arte

Local

Coimbra

Data

1982

Autor(es)

-

Título

Contrato da obra dos canos do Mosteiro novo da Rainha Santa com o mestre Domingos de Freitas, Munda - Revista do Grupo de Arqueologia e Arte do Centro

Local

Coimbra

Data

-

Autor(es)

TAVARES, Paulino Mota

Título

João de Ruão, escultor da renascença coimbrã

Local

Coimbra

Data

1980

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

Os painéis da capela-mor da igreja: uma atribuição a Vincenzo Bacherelli (1672-1745), Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

MELLO, Magno

Título

A pintura mural da igreja , in Monumentos, n.º 18

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

CAETANO, Joaquim

Título

Polivalência e contradição: tradição seiscentista: o barroco e a inclusão de sistemas ecléticos no séc. XVIII: a segunda geração de arquitectos

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

BONIFÁCIO, Horácio

Título

Coimbra e Região

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

O barroco do século XVIII, História da Arte Portuguesa, vol.3

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, José Fernandes

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura