Saltar para o conteúdo principal da página

Anta de Cunha Baixa - detalhe

Designação

Designação

Anta de Cunha Baixa

Outras Designações / Pesquisas

Anta da Cunha Baixa / Casa da Orca / Casa da Moura (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / (Ver Ficha em www.arqueologia.patrimoniocultural.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Anta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Mangualde / Cunha Baixa

Endereço / Local

- -
Lugar da Orca

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Anta da Cunha Baixa localiza-se no lugar da Orca ou da Casa da Moura, freguesia da Cunha Baixa, concelho de Mangualde. Dista sensivelmente 1 km a oeste da Cunha Baixa e 2 km a sudoeste da sede de concelho. Implanta-se numa zona de planalto, junto ao Rio do Castelo.
Nas imediações, considerando um raio de 5 km, estão identificados diversos monumentos análogos designadamente a Orca de Bracais, o Dólmen de Alcafache, a Orca de Gandufe, a Orca de Pinhal dos Ameais e a Orca da Carvalhinha.
Este monumento funerário megalítico apresenta câmara e corredor bem diferenciados. A câmara sepulcral é poligonal, tendencialmente retangular pela disposição em linha do esteio de fundação e dos dois adjacentes. Mede cerca de 3 metros de diâmetro, e é formada por nove ortostatos de granito. A sua base foi regularizada com a construção de um lajeado, opção que poderá ter sido replicada no corredor de acesso. O chapéu mantém-se sustentado conferindo à câmara uma altura de 3,20 metros. O corredor afuselado, orientado a sudeste, é muito longo, com um comprimento de 7,17 metros e largura máxima de 1,68 metros, delimitado por oito esteios de cada lado. Preserva uma laje de cobertura in situ. À entrada da câmara dispunham-se dois pilares de secção retangular destinados a apoiar a laje de fecho que se encontrava-se tombada no interior do corredor. Não restam vestígios da mamoa. A sua construção não recorreu aos habituais alvéolos de fixação, estando diretamente firmada no substrato geológico.
A laje de cabeceira expunha pinturas a vermelho, das quais não restam vestígios. Detetaram-se, igualmente, gravuras no chapéu, onde foi assinalado um conjunto de covinhas que também é possível registar num dos esteios do corredor, presumivelmente preexistentes à anta. Mais curioso é um pictograma muito deteriorado, colocado noutro esteio do acesso, constituído por vários sulcos distribuídos em dois núcleos separados, um dos quais parece formar um reticulado, apesar de o estado de conservação não possibilitar a leitura segura.
História
A edificação da Anta da Cunha Baixa baliza-se entre o último quartel do 4º milénio e meados do 3º milénio a.n.e., atendendo à sua tipologia construtiva e espólio exumado (Neolítico Final/Calcolítico) embora este revele uma longa diacronia que atinge a Idade do Bronze, certamente num episódio de revisitação.
São conhecidas referências relativa a este monumento megalítico desde os finais do século XIX, quando surge na obra Portugal Antigo e Moderno de Pedro Augusto Ferreira, publicada em 1870.Posteriormente, em 1902, José Leite de Vasconcelos conduz uma escavação no local tendo recolhido algum espólio. Mereceu a atenção de George e Vera Leisner, sendo aludida na publicação de 1959, Die Megalithgraber der Iberischen Halbinsel: der Westen. Irisalva Moita realiza uma nova planta da anta constante no artigo Características predominantes do grupo dolménico da Beira Alta, de 1966. Finalmente, em 1987, Raquel Vilaça e Domingos da Cruz realizam uma escavação arqueológica que permite recuperar a planta do monumento, descobrir as insculturas e, paralelamente, realizar trabalhos de conservação e restauro.
Ana Vale
DGPC, 2020

Imagens

Bibliografia

Título

A Casa da Orca da Cunha Baixa

Local

Mangualde

Data

1990

Autor(es)

VILAÇA, Raquel Maria da Rosa, CRUZ, Domingos de Jesus da

Título

Arqueologia Pré-Histórica da Beira. O dólmen da Cunha-Baixa, in O Arqueólogo Português, vol. IX

Local

Lisboa

Data

1904

Autor(es)

VASCONCELOS, José Leite de