Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Nossa Senhora das Salvas - detalhe

Designação

Designação

Capela de Nossa Senhora das Salvas

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Nossa Senhora das Salas / Capela de Nossa Senhora das Salvas / Ermida de Nossa Senhora das Salas(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Sines / Sines

Endereço / Local

Rua Nossa Senhora das Salvas
Sines

Largo de Nossa Senhora das Salvas
Sines

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 8 518, DG, I Série, n.º 248, de 30-11-1922 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 258/79, DR, I Série, n.º 128, de 4-06-1979 (sem restrições) (ver Decreto)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A igreja de Nossa Senhora das Salas deve a sua invocação à deturpação do vocábulo salgas, uma indústria tradicional desta zona, que remonta à época romana (FALCÃO, PEREIRA,1998,p.83; IDEM,2006). De acordo com a tradição, a invocação de Nossa Senhora das Salvas, relacionava-se com a princesa grega D. Vataça Lescaris, que veio a Portugal para ser dama de honor da futura rainha D. Isabel, mulher de D. Dinis. A viagem, marcada por uma grande tempestade, e a chegada ao porto de Sines em segurança teriam levado D. Vataça a prometer erguer uma capela no porto mais próximo, e deixar as relíquias do Santo Lenho que trazia consigo num castelo nas proximidades, ou seja, Santiago do Cacém (SOLEDADE,1973,p.193). A capela, por sua vez, foi construída em Sines, num local ligeiramente afastado do sítio actual.
A ermida original era bastante austera, de uma só nave, situando-se nas proximidades da mãe-de-água que alimenta a actual Fonte de D. Vataça, e ligeiramente a Este da igreja que hoje conhecemos (FALCÃO, PEREIRA,1998,p.85).
Em 1499 D. Manuel prometeu a Vasco da Gama, natural de Sines, o senhorio da vila, até aí na posse da Ordem de Santiago. A personalidade do navegador, que desde logo iniciou uma série de intervenções entre as quais a edificação de uma nova ermida dedicada a Santa Maria e que deveria substituir a antiga capela das Salas, conduziu à forte oposição da Ordem, acabando Vasco da Gama por ser expulso da vila em 1507 (IDEM,2006).
Em 1517 D. Jorge de Lencastre, mestre da Ordem, ordenou que se interviesse na primitiva capela mas, prova do poder do navegador, as obras prosseguiram na nova igreja que Vasco da Gama mandara construir, sagrada em 1529, conforme a lápide da fachada principal que perpetua a memória de Gama e o seu papel na edificação do templo. O comportamento quase senhorial do descobridor em terras da Ordem de Santiago continuou a motivar e a alimentar várias polémicas: por uma Visitação de 1605 percebemos que D. Jorge havia mandado retirar a lápide a as armas de Vasco da Gama da igreja, alegando não ter sido ele o fundador da capela mas sim D. Vataça. Ordem essa, que uma vez mais, não foi cumprida.
Indissociavelmente ligada à figura de Vasco da Gama, esta capela, de linguagem tardo-gótica, articula nave única com capela-mor, a primeira de três tramos de abóbada de cruzaria de ogivas, com o brasão de armas do navegador no tramo central, e a segunda também abobadada.
O modelo seguido é bastante comum na arquitectura religiosa do Sul do país, podendo ser coteja com outros exemplos como a ermida de São Brás, em Évora, de Santo André, em Beja, de São Sebastião, em Alvito, ou de São Bartolomeu, em Sines (IDEM,1998,p.88).
Já no século XVIII foi alvo de uma nova intervenção, que teve como objectivo actualizá-la relativamente às normas e cânones tridentinos, então em vigor. A capela-mor foi dotada de um novo retábulo de talha dourada, de estilo nacional, mais adequado à espiritualidade barroca, tal como o retábulo da capela do Senhor do Vencimento, e o púlpito, de 1712. Já na segunda metade do século XVIII, a fachada foi alterada, apresentando, desde então, a configuração que hoje conhecemos, com remate contracurvado, mas integrando o portal manuelino, ladeado por colunelos torsos.
Ainda na fachada, um registo com moldura concheada polícroma, enquadra a imagem de Nossa Senhora da Assunção, a azul. Executado, com certeza, na década de 1770, este painel é coevo do conjunto cerâmico que reveste o interior da capela, onde os silhares recortados exibem diferentes passos da Vida da Virgem.
Depois de uma intervenção de conservação e restauro efectuada pelo IPPAR e pelo Departamento Histórico e Artístico da Diocese de Beja, é hoje possível visitar o Tesouro, constituído por ofertas votivas (painéis pintados, jóias, vestidos bordados...) de grande interesse.
(RCarvalho)

Horário de visita: Quarta a Domingo 10h00 às 12h30 e 14h30 às 18h00
Contacto: 269 636 065
e-mail: dphadb@sapo.pt

Imagens

Bibliografia

Título

Santuário Mariano

Local

Lisboa

Data

1933

Autor(es)

SANTA MARIA, Frei Agostinho de

Título

Azulejaria em Portugal no século XVIII

Local

Lisboa

Data

1979

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Igreja de N. Sra. das Salas - preparada ara expor tesouro, Pedra & Cal, n. 25, p. 31

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

VARANDAS, João

Título

A ermida de Nossa Senhora das Salas, Da Ocidental Praia Lusitana - Vasco da Gama e o seu tempo

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

FALCÃO, José António, PEREIRA, Ricardo Estevam

Título

Vasco da Gama o homem, a viagem, a época

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

FONSECA, Luís Adão da,

Título

Memória paroquial do Concelho de Sines em 1758

Local

Santiago do Cacem

Data

1987

Autor(es)

FALCÃO, José António

Título

Vasco da Gama e a Vidigueira : estudo histórico

Local

Lisboa

Data

1886

Autor(es)

ARAGÃO, Teixeira de

Título

Igreja de Nossa Senhora das salas (Sines) - conservação e restauro dos revestimentos de azulejos, Património Estudos, n.º 4, pp. 116-121

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

TAVARES, Deolinda, ANTUNES, João Luís

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Tesouro da Igreja de Nossa Senhora das Salas - Sines (ed. Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja; IPPAR e CMSines)

Local

Sines

Data

2006

Autor(es)

FALCÃO, José António, PEREIRA, Ricardo Estevam