Saltar para o conteúdo principal da página

Tanque do Quintal do Ídolo - detalhe

Designação

Designação

Tanque do Quintal do Ídolo

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Fonte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Braga / Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto)

Endereço / Local

Rua do Raio
Braga

Número de Polícia: 390

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 589/2011, DR, 2.ª Série, n.º 119, de 22-06-2011 (com ZNA) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 7-10-2009 da Ministra da Cultura
Parecer favorável de 1-10-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Informação favorável de 28-08-2008 da DRC do Norte
Proposta de 4-01-2008 da CM de Braga para alteração da ZEP
Portaria de 24-04-1970, publicada no DG, II Série, n.º 105, de 5-05-1970

Zona "non aedificandi"

Portaria n.º 589/2011, DR, 2.ª Série, n.º 119, de 22-06-2011
Portaria de 24-04-1970, publicada no DG, II Série, n.º 105, de 5-05-1970

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificado como "Monumento Nacional" nos inícios do século XX, o "Tanque do Quintal do Ídolo", ou "Fonte do Ídolo" - como será mais vulgarmente conhecido - terá sido erguido em pleno séc. I d. C. numa zona actualmente rodeada de construções urbanas, num quintal muito próximo do Palácio do Raio, também ele classificado.
Em termos genéricos, estamos perante um artefacto arqueológico composto de uma rocha granítica de consideráveis dimensões, em cuja superfície se observa uma longa série de inscrições latinas e esculturas. Destas, fazem parte elementos tão diversificados, quanto a figuração de um homem, de pé, com pouco mais de um metro de altura, encoberto por roupagens compridas, segurando um objecto extenso com o braço esquerdo, cuja interpretação tem sido dificultada devido à significativa deterioração sofrida pelo monumento ao longo dos tempos. Encontra-se de igual modo esculpido um pequeno nicho com cerca de meio metro de largura, onde é possível observar um busto humano e a representação, no seu frontão, de uma pomba e de um hipotético maço de canteiro.
Apesar de ter sido classificado logo em 1910, foi somente em finais dos anos quarenta que a edilidade bracarense decidiu ceder gratuitamente ao Estado o terreno onde se encontra este santuário, bem como o respectivo terreno envolvente. Procedeu-se, então, à demolição do tanque, à reabilitação do sistema de canalização da água, à própria desobstrução do penedo e à subsequente vedação de toda a área imediatamente envolvente com um muro.
Foi, no entanto, apenas em 2000 que se abriu concurso público de adjudicação da empreitada para apresentação ("musealização") deste importante santuário rupestre relacionado com o culto das águas. É, pelo menos, o que parece confirmar o facto deste sítio se encontrar fora da antiga malha urbana de Bracara Augusta, onde o culto prestado a Tongoenabiago (presumivelmente estabelecido nesta antiga cidade romana por um migrante de Arcobriga, Célico Fronto) aparece estreitamente relacionado com o atribuído à deusa Nábia. De facto, alguns vestígios registados na zona apontarão para a existência de uma segunda edificação, possivelmente associada a um templo erguido em honra de Nábia, uma divindade local.
Passados que estiveram dois anos sobre o supracitado concurso, deu-se início aos trabalhos de limpeza de todo o monumento, de construção de uma cobertura, de colocação de um passadiço e de um posto de recepção, visando uma abordagem mais próxima da realidade original deste relevante santuário rupestre, competindo à Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho a condução das escavações arqueológicas. Uma intervenção concluída em 2004, com a exposição dos materiais arqueológicos recolhidos no local por intervenções anteriores.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Divindades indígenas sob domínio romano em Portugal

Local

-

Data

1975

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d'

Título

Subsídios para o estudo da Arqueologia Bracarense. A Fonte do Ídolo e o culto de Nabia, Prisma

Local

Porto

Data

1938

Autor(es)

TEIXEIRA, Carlos

Título

Réligion et société à Bracara Augusta (Braga) au Haut Emire romain, Actas do Seminário de Arqueologia do Noroeste Peninsular

Local

Guimarães

Data

1980

Autor(es)

TRANOY, Alain

Título

As Religiões da Lusitânia

Local

-

Data

1913

Autor(es)

VASCONCELOS, José Leite de

Título

As Rochas dos Monumentos Portugueses. Tipologias e Patologias

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

AIRES-BARROS, Luís