Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Igreja da Póvoa de Santo Adrião - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Póvoa de Santo Adrião

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial da Póvoa de Santo Adrião / Igreja de Santo Adrião (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Odivelas / Póvoa de Santo Adrião e Olival Basto

Endereço / Local

Largo da Igreja
Póvoa de Santo Adrião

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 516/71, DG, I Série, n.º 274, de 22-11-1971 (retificou a designação da classificação como MN para "Igreja da Póvoa de Santo Adrião") (ver Decreto)
Decreto n.º 251/70, DG, I Série, n.º 129, de 3-06-1970 (a classificação como MN passou a abranger toda a igreja) (ver Decreto)
Decreto n.º 11 445 (art.º 119.º), de 13-02 1924, inserido na coleção do 1.º Semestre de 1926 (converteu a classificação para IIP) (ver Decreto)
Decreto n.º 8 252, DG, I Série, n.º 138, de 10-07-1922 (classificou o pórtico da igreja (manuelino) de Póvoa de Santo Adrião como edifício de valor artístico, arqueológico e histórico) (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 29-10-2015 do diretor-geral da DGPC a determinar o agendamento da elaboração de nova proposta de ZEP
Proposta de 7-10-2015 da DGPC para revogação do despacho de homologação da ZEP, por se desconhecer a sua delimitação
Despacho de homologação de 1-08-1975 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 25-07-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE
Proposta de 27-06-1975 da DGEMN

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Pertencente à paróquia de Loures até ao final do século XV, a povoação de Póvoa de Santo Adrião, à época designada Póvoa de Loures, foi constituída como paróquia autónoma no início do século XVI. Data dos primeiros anos da centúria de Quinhentos a edificação da sua igreja matriz, como atesta o portal principal, em estilo manuelino. Ao longo do século XVI a igreja foi objecto de algumas campanhas de obras, que possivelmente se destinavam a finalizar a estrutura do edifício.
A igreja possui estrutura de planta rectangular desenvolvida longitudinalmente, havendo um marcado contraste entre o despojamento e austeridade do exterior e a riqueza decorativa interior. A fachada principal apresenta ao centro portal manuelino, em arco conopial,decorado com florões e encimado por janelão. À esquerda foi adossada torre sineira, de secção quadrangular. No portal lateral foi inscrita a data de 1560.
O interior, de nave única, é coberto por tecto de caixotões de madeira pintados com motivos vegetalistas, putti e símbolos alusivos à Eucaristia e ao Santíssimo Sacramento. As paredes da nave são revestidas por azulejos enxaquetados, verdes e brancos, num esquema compositivo muito semelhante ao das igrejas matrizes de Bucelas e Camarate, e o coro-alto assenta sobre duas colunas de mármore vermelho.
Do lado do Evangelho foi aberta a capela baptismal, executada em 1546, e a capela seiscentista de Santo António, mandada executar por Francisco da Silva de Noronha, da família dos Marqueses de Vila Real, revestida com azulejos de tapete policromos e decorada por retábulo de talha dourada maneirista integrando quatro tábuas pintadas. Do lado da Epístola situa-se a capela de Nossa Senhora das Dores, com pintura do Calvário sobre tábua, sobreposta por crucifixo.
A capela-mor, reconstruída nos finais do século XVIII, é coberta por abóbada de berço com caixotões e possui retábulo pintado em trompe l'oeil, de frontão interrompido, integrando uma tela da Última Ceia, executada em 1802 por Pedro Alexandrino, um dos maiores mestres da pintura portuguesa de finais do século XVIII, que morava numa quinta nos arredores da Póvoa de Santo Adrião. Nas paredes laterais da capela-mor foram colocadas quatro telas representando Doutores da Igreja, também atribuídas ao mestre lisboeta.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2005

Imagens

Bibliografia

Título

Azulejaria Portuguesa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MECO, José

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, vol. III (Mafra, Loures e Vila Franca de Xira)

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de