Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja, sacristia, claustro e respectiva fonte e cruzeiro de Paço de Sousa - detalhe

Designação

Designação

Igreja, sacristia, claustro e respectiva fonte e cruzeiro de Paço de Sousa

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Salvador, matriz de Paço de Sousa / Igreja Matriz de Paço de Sousa / Mosteiro do Salvador de Paço de Sousa / Mosteiro de Paço de Sousa / Igreja Paroquial de Paço de Sousa / Igreja do Salvador (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Penafiel / Paço de Sousa

Endereço / Local

- -
Lugar do Mosteiro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (alterou a designação para "Igreja, sacristia, claustro e respectiva fonte e cruzeiro de Paço de Sousa") (ver Decreto)
Decreto de 16-6-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (classificou a Igreja de Paço de Sousa, compreendendo o túmulo de Egas Moniz) (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 397/2014, DR, 2.ª série, n.º 103, de 29-05-2014 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 13638/2012, DR, 2.ª série, n.º 210, de 30-10-2012 (ver Anúncio)
Despacho de homologação de 28-01-2008 da Ministra da Cultura
Parecer favorável de 1-07-2007 do Conselho Consultivo do IGESPAR,I.P.
Proposta de 30-01-2007 da DR do Porto

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O principal mosteiro medieval da bacia do rio Sousa possui uma história rica, que tem o seu início muito antes da construção do edifício que, na actualidade, subsiste. Em 956, uma primeira comunidade familiar foi aqui fundada por D. Tructesindo Galindiz e sua mulher, Animia, sobre os restos do que se pensa ter sido uma uilla romana, mas de que não se detectaram ainda vestígios materiais. Sensivelmente um século depois, o cenóbio foi objecto de grandes reformas, no contexto proto-românico que caracteriza as décadas finais do século XI na diocese de Braga. Em 1088, com a presença solene do bispo D. Pedro, o novo templo foi sagrado.
As dúvidas acerca da cronologia exacta a atribuir às diferentes partes do conjunto iniciam-se com essa sagração. Sabemos que, nos inícios do século XII, o mosteiro estava já na posse dos Beneditinos que, com certeza, patrocinaram a construção do actual edifício, mas a data exacta desta vasta campanha e, sobretudo, o ritmo das obras não estão, ainda, suficientemente esclarecidos. De acordo com RODRIGUES, 1995, p.244, as obras não se terão iniciado antes de 1166, e prolongaram-se extraordinariamente, avançando lentamente sobre todo o século XIII e entrando, mesmo, no XIV (ALMEIDA, 1986, p.90).
Segundo a interpretação de Carlos Alberto Ferreira de Almeida, a empreitada românica iniciou-se pela fachada principal (e não pela cabeceira, como era habitual), porque terá havido a necessidade de se manter "boa parte da igreja anterior, enquanto se não adiantasse o corpo da nova", por forma a não se interromper o culto (ALMEIDA, 2001, p.118). Desta forma, o autor identificou três fases essenciais, bastante espaçadas no tempo, correspondendo a três diferentes impulsos construtivos: frontaria; corpo e cabeceira. Os argumentos que utilizou são de aceitar nas suas linhas essenciais, uma vez que, entre estes patamares de obra, existem suficientes elementos estilísticos diferenciadores.
Apesar destas discrepâncias, e das numerosas influências artísticas que aqui podemos identificar (assuntos que, pela sua complexidade, não podemos aqui desenvolver), o plano arquitectónico subordina-se à tipologia de templo beneditino de três naves, seguido em Portugal nos séculos XII e XIII (REAL, 1982): corpo tripartido em naves de quatro tramos, separadas por arcos diafragmas e cobertas por tecto de madeira; cabeceira igualmente tripartida, escalonada, com paredes testeiras redondas, e interior abobadado. Infelizmente, a capela-mor foi substituída, em 1741, pela actual, de planta rectangular e muito mais profunda, assim como desapareceu a capela de D. Egas Moniz, mandada destruir em 1605. Outras transformações ocorreram na época moderna, alterando-se, por completo, a fisionomia das áreas monacais e, principalmente, na década de 30 do século XX, quando se procedeu ao restauro de todo o conjunto.
No interior da igreja, conserva-se o mais importante túmulo românico nacional: o monumento funerário de D. Egas Moniz, tutor de D. Afonso Henriques e principal impulsionador do mosteiro, em cujas imediações possuía paço. A actual configuração da obra é o resultado de duas épocas distintas, uma realizada na segunda metade do século XII, pouco depois da morte deste nobre (1146) e outra pelos meados do século XIII (ALMEIDA, 2001, p.166), altura em que se terá refeito o túmulo.
Iconograficamente, é plena de actualidade com o que então se fazia noutros reinos da Europa ocidental, representando-se nela cenas da vida do tumulado, o passamento da sua alma e a deposição na terra. Por corresponder a uma atitude individual da história de Egas Moniz, merece destaque a viagem que empreendeu a Toledo, para se entregar a Afonso VII, a quem havia prestado vassalagem no cerco de Guimarães, atitude de verdadeiro e fiel membro da nobreza, que o fez abandonar o seu anterior senhor, Afonso Henriques. Num dos topos, representa-se o passamento da sua alma, simbolizada numa pequena figura nua, que sai da boca do seu corpo já sem vida.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

As mais belas igrejas de Portugal, vol. I

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

GIL, Júlio

Título

O Românico português na perspectiva das relações internacionais, Românico em Portugal e na Galiza, pp.30-48

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

REAL, Manuel Luís

Título

Portugal roman, vol. I

Local

-

Data

1986

Autor(es)

GRAF, Gerhard N.

Título

História da Arte em Portugal - O Românico

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

História da Arte em Portugal

Local

Porto

Data

1942

Autor(es)

LACERDA, Aarão de

Título

O mundo românico (séculos XI-XIII), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.180-331

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

Arquitectura Românica de Entre Douro e Minho

Local

Porto

Data

1978

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

O Românico em Portugal, História de Portugal, dir. José Hermano Saraiva, vol. 2, 1982, pp.305-321

Local

Lisboa

Data

1982

Autor(es)

VASCONCELOS, Flórido de

Título

Primeiras Impressões sobre a Arquitectura românica portuguesa, Revista da Faculdade de Letras do Porto, Série História, nº1, pp.3-56

Local

Porto

Data

1972

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

A escultura em Portugal (séculos XII-XV)

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

SANTOS, Reinaldo dos

Título

História da Arte em Portugal, vol. 3 (o Românico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Três túmulos

Local

Lisboa

Data

1924

Autor(es)

CORREIA, Vergílio

Título

Paço de Sousa. Resumo histórico

Local

Paço de Sousa

Data

1987

Autor(es)

MENDES, Manuel

Título

Mónio Ermiges, abade de Paço de Sousa, Bracara Augusta, vol. 30, separata

Local

Braga

Data

1976

Autor(es)

SOUSA, José João Rigaud de

Título

Livro dos Testamentos do Mosteiro de Paço de Sousa, Bracara Augusta, vol. 24, separata

Local

Braga

Data

1972

Autor(es)

SOUSA, José João Rigaud de, MONTEIRO, Maria Teresa

Título

The tombs at Paço de Sousa, Art Studies, nº4, pp.149-153

Local

Londres

Data

1926

Autor(es)

AGUIAR, José Monteiro de

Título

Homenagens a Egas Moniz no seu túmulo no Mosteiro de Paço de Sousa. Saudações de boas-vindas

Local

Porto

Data

1940

Autor(es)

CARVALHO, Diogo Augusto Lemos de

Título

Memórias do Mosteiro de Paço de Sousa e index dos documentos de arquivo

Local

Lisboa

Data

1942

Autor(es)

PIMENTA, Alfredo, MEIRELES, António da Assunção

Título

A igreja de Paço de Sousa, Ilustração Moderna, pp.281-287

Local

Porto

Data

1927

Autor(es)

VITORINO, Pedro

Título

Penafiel Antiga. Subsídios para a futura Monografia do Concelho, Boletim da Câmara Municipal de Penafiel, pp.49-132

Local

Penafiel

Data

1936

Autor(es)

AGUIAR, José Monteiro de

Título

Paço de Sousa, O românico nacionalizado, Belas Artes, nº 8, pp.5-21

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

MONTEIRO, Manuel

Título

O Túmulo de Egas Moniz, Boletim dos amigos do Porto, vol. IV, tomo I, 1966, separata

Local

Porto

Data

1966

Autor(es)

FONSECA JÚNIOR , A. Nascimento da

Título

Igreja de Paço de Sousa, Boletim da DGEMN, n.º 17

Local

Lisboa

Data

1939

Autor(es)

-

Título

Românico do Vale do Sousa

Local

Lousada

Data

2008

Autor(es)

AA. VV.

Título

O Mosteiro de Roriz na arte românica do Douro Litoral, Actas do Colóquio de História Local e Regional (1979), separata

Local

Santo Tirso

Data

1982

Autor(es)

REAL, Manuel Luís, SÁ, Pedro