Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Matriz de Armamar - detalhe

Designação

Designação

Igreja Matriz de Armamar

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de São Miguel, matriz de Armamar / Igreja Paroquial de Armamar / Igreja de São Miguel(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Armamar / Armamar

Endereço / Local

Praça da República
Armamar

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 8 175, DG, I Série, n.º 110, de 3-06-1922 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 30-07-1956, publicada no DG, II Série, n.º 192, de 14-08-1956 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 30-07-1956, publicada no DG, II Série, n.º 192, de 14-08-1956

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As origens do templo de Armamar remontam ao século XII e à marcante figura de Egas Moniz, que recebeu de D. Afonso Henriques uma extensa propriedade na região. Em 1189, a localidade já era vila e data de 1211 a primeira referência concreta à sua igreja. A partir destes dados, é de supor que o templo tenha sido construído naquela segunda metade do século XII, embora algumas características apontem para um período já proto-gótico. Em todo o caso, o monumento constitui uma das mais importantes igrejas românicas do original foco de Lamego.
Apesar de volumetricamente contido, o edifício apresenta uma monumentalidade insuspeita do exterior, pelo facto de o corpo ser espacialmente tripartido, fazendo-se a separação por delgadas colunas que unificam o espaço em vez de o seccionar em naves como foi muito mais habitual na arquitectura da Idade Média plena. A fachada principal, apesar de larga, não evidencia a composição interior em três falsas naves. Compõe-se de registo único organizado em dois andares, sendo o inferior preenchido por portal axial de duas arquivoltas já apontadas - o que eventualmente denuncia a sua feitura já no século XIII, quando as concepções góticas começavam a entrar na paisagem arquitectónica do país -, a que se sobrepõe linha de modilhões que terão originalmente servido de apoio a um desaparecido alpendre. O segundo andar é de perfil triangular e alberga um óculo ao centro. Do lado Norte adossa-se à frontaria uma poderosa torre sineira, de planta quadrangular, resultante das obras do século XVII. A cabeceira é vincadamente românica, de secção semicilíndrica, com colunas exteriores que enquadram janelas de arco de volta perfeita em cada pano.
Na Baixa Idade Média, Armamar foi uma importante localidade e é natural que o templo paroquial tenha recebido algumas obras de consolidação. Alguns autores atribuem a original disposição dos quatro tramos do corpo a esse período, embora tal sugestão não esteja ainda provada. A Idade Moderna, porém, passou pelo monumento sem deixar grandes marcas, à excepção da torre sineira já mencionada. O restauro foi realizado em 1956.
PAF

Imagens