Saltar para o conteúdo principal da página

Restos do Castelo de Loulé - detalhe

Designação

Designação

Restos do Castelo de Loulé

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Loulé / Castelo e cerca urbana de Loulé / Museu Municipal de Loulé (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Loulé / Loulé (São Clemente)

Endereço / Local

Rua do Município
Loulé

Rua Rainha D. Leonor
Loulé

Rua da Barbacã
Loulé

Largo da Matriz
Loulé

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 9 842, DG, I Série, n.º 137, de 20-06-1924 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 425/85, DR, I Série, n.º 152, de 5-07-1985 (sem restrições) (ZEP dos restos do castelo, da Igreja matriz, da Capela de Nossa Senhora da Conceição, do portal e cruzeiro da Misericórdia e dos restos da Igreja da Graça) (ver Portaria)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

No período islâmico, Loulé (al-Ulya) foi um dos principais centros administrativos e uma das localidades mais celebradas pelos geógrafos árabes que descreveram o território algarvio. O que resta do seu castelo e das suas muralhas atesta bem a importância que teve no contexto islâmico, quer pelas dimensões da cerca muralhada, quer pela relevância artística e arqueológica dos materiais identificados.
O castelo islâmico assentou sobre um núcleo de povoamento anterior, documentado por vestígios romanos (nomeadamente uma ara votiva reutilizada na torre da igreja matriz) e, provavelmente, proto-históricos. Contudo, foi em plena Idade Média que Loulé teve o seu verdadeiro apogeu, edificando-se, então, a muralha que limitava um perímetro urbano de cinco hectares, área considerável se pensarmos que a capital do reino islâmico algarvio, Silves, tinha uma cerca militar urbana que rodeava cerca de sete hectares.
Na sua condição de cidade de primeira importância regional, Loulé dispôs de uma alcáçova (onde se concentravam as forças e as autoridades militares) e uma medina (bairro intra-muros de carácter essencialmente civil e administrativo). Destes dois espaços estruturantes restam ainda importantes vestígios. Três torres, uma das quais albarrã, definem um segmento de muralha a Nordeste, em ligeira curvatura planimétrica, que funcionaria como limite fundamental da alcáçova. Mais abaixo, o topónimo Rua da Barbacã "sugere a existência de uma muralha mais baixa paralela às muralhas do castelo" (CARRUSCA, 2001, p.63), hipótese que permanece como perspectiva de trabalho. Na actualidade, estas três torres encontram-se parcialmente adossadas a edifícios de menor escala, mas destacam-se, em altura, dando para uma das mais importantes praças da cidade, a da República.
No espaço mais amplo da medina sobressai uma magnífica torre quadrangular, hoje adaptada a torre sineira da igreja de São Clemente, mas que, na origem, foi o minarete da mesquita maior de al-Ulya. A sua cristianização é um dos mais importantes factores que apontam para a sobreposição da igreja matriz sobre a anterior mesquita.
Em 1249, no dia de São Clemente, as tropas de D. Afonso III conquistaram a cidade. Este acontecimento ditou a evolução de Loulé nos séculos seguintes, na medida em que a nova ordem cristã reafirmou o estatuto de sede concelhia (através de foral de 1266), bem como a dotou de uma feira (1291), ao que tudo indica a mais antiga do Algarve, o que confirma a centralidade de Loulé no novo contexto civilizacional da província.
Símbolo militar por excelência, o castelo foi objecto de uma campanha reestruturadora. Aparentemente, as linhas estruturantes do urbanismo islâmico foram mantidas (CARRUSCA, 2001, p.71), facto ainda hoje bem visível na malha citadina do centro histórico. A Rua Direita corria de Norte para Sul, ligando directamente a antiga alcáçova, ao Largo da Igreja de São Clemente, progressivamente o centro cívico da cidade.
Infelizmente, se o espaço intramuros se encontra bem definido urbanisticamente, na medida em que se encontra ladeado por vias de comunicação, o mesmo não acontece com os vestígios materiais das muralhas. À parte as três torres do castelo, na secção mais a Norte, são escassos os elementos da antiga cerca. Em todo o caso, mantém-se grande parte do troço Sul, que integra alguns restos de torres, assim como outros vestígios pontuais a Ocidente. Com o correr dos séculos e a perda de função das velhas fortificações medievais, a cidade de Loulé viu desmanteladas grandes secções da muralha, pelo adossamento de edifícios (que aqui encontravam uma parede estável), ou pela simples apropriação do espaço, que levou à sua destruição. No século XX, foram realizadas algumas obras de restauro, mas cuja amplitude não se aproximou das grandes obras propagandísticas do Estado Novo, registando-se reconstruções parciais das muralhas, em altura.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

Loulé. O património artístico

Local

Loulé

Data

2001

Autor(es)

CARRUSCA, Susana

Título

O Algarve islâmico : roteiro por Faro, Loulé, Silves e Tavira

Local

Faro

Data

2002

Autor(es)

CATARINO, Helena Maria Gomes

Título

Centros históricos de influência islâmica : Tavira, Faro, Loulé, Silves

Local

Portimão

Data

2001

Autor(es)

COUTINHO, Valdemar

Título

O foral de Loulé de 1266

Local

Loulé

Data

1985

Autor(es)

MARTINS, Isilda Maria Pires

Título

Muralhas de Loulé, O Arqueólogo Português, série III, nº5, pp.227-247

Local

Lisboa

Data

1971

Autor(es)

MATOS, José Luís Martins de, MARTINS, Isilda Maria Pires

Título

O castelo de Loulé

Local

Loulé

Data

1984

Autor(es)

MARTINS, Isilda Maria Pires

Título

Loulé : roteiro-guia histórico turístico, comercial e industrial do concelho

Local

Águeda

Data

1951

Autor(es)

PINTO, Raúl R.

Título

Arqueologia do Concelho de Loulé

Local

Loulé

Data

1988

Autor(es)

MARTINS, Isilda Maria Pires

Título

Monografia do Concelho de Loulé

Local

Porto

Data

1905

Autor(es)

OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde

Título

Loulé. História e expansão urbana

Local

Loulé

Data

1996

Autor(es)

SERRA, Pedro

Título

Algarve - Castelos, Cercas e Fortalezas

Local

Faro

Data

2008

Autor(es)

MAGALHÃES, Natércia