Saltar para o conteúdo principal da página

Templo Romano de Évora - detalhe

Designação

Designação

Templo Romano de Évora

Outras Designações / Pesquisas

Templo de Diana / Templo Romano de Évora / Templo de Diana(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Templo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Évora / Évora (São Mamede, Sé, São Pedro e Santo Antão)

Endereço / Local

Largo Conde de Vila Flor
Évora

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)
Decreto de 10-01-1907, DG, n.º 14, de 17-01-1907 (classificou com a designação de Ruínas do Templo Romano)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Abrangido por conjunto inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, que, ao abrigo do n.º 7 do art.º 15.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro, se encontra classificado como MN

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Iniciada a sua construção na época de Augusto, no século I d. C., terá sido durante as duas centúrias seguintes que a sua edificação se foi completando. Este facto ter-se-á ficado a dever à campanha então empreendida de mudança da malha urbana pré-existente, quando o culto imperial impôs a existência de uma cidadela.
Como muitas outras edificações, também este templo sofreu alterações estruturais ao longo dos séculos. Assim, logo no século V, seria destruído durante as invasões "bárbaras", enquanto no século XIV serviu de casa-forte ao castelo de Évora, ao mesmo tempo que de açougue. No século XIX ainda apresentava os merlões em forma de pirâmide, erguidos durante as campanhas de adaptação mudéjar e manuelina. Além destes elementos, eram de igual modo visíveis as empenas cegas de onde despontava uma colunata. Finalmente, em 1836, deixou de funcionar como açougue. É nesta altura que são demolidos os edifícios anexos ao alçado norte do Templo, dando-se início àquela que poderá ser considerada como a primeira grande intervenção arqueológica empreendida entre nós, durante a qual se descobriram os tanques pertencentes a um primitivo aqueduto.
Em 1863, o investigador Augusto Filipe Simões propôs a demolição de todos os elementos medievais, ao defender a reposição da "traça primitiva" do Templo. É, então, que, num ambiente verdadeiramente romântico e idealizado, o projecto é entregue a José Cinatti, que concebe o seu restauro integral. Este Templo constitui o que resta do forum da cidade de Évora, que uma tradição seiscentista considerou dedicado à deusa Diana mas que, na realidade, seria consagrado ao culto imperial.
De linhas asumidamente clássicas, pertencente a uma tipologia que assistiu ao seu desenvolvimento especialmente no território da Península Ibérica, esta estrutura demonstra uma convivência plenamente harmoniosa entre materiais de construção tão diferentes, como o mármore e o granito.
De todo o complexo, chegaram até aos nossos dias o podium, quase completo, onde é ainda bem visível a escadaria, apesar do seu desmoronamento. O podium, propriamente dito, encontra-se estruturado numa área de c. de 25 m de comprimento, 15 m de largura e 3,5 m de altura, em cantaria granítica de aspecto irregular, o denominado opus incertum . Quanto às colunas, este Templo - um dos mais bem conservados da Península Ibérica -, apresenta a colunata intacta, composta de 6 colunas, arquitrave e fragmentos do friso no seu topo norte, enquanto do seu lado oeste surgem apenas 3 colunas inteiras - uma das quais sem capitel e base -, fragmentos da arquitrave e um dos frisos. No respeitante à tipologia, são colunas coríntias com fustes vincadamente canelados, constituídas por 7 tambores de tamanho irregular. As colunas assentam em bases circulares de mármore branco de Estremoz. Em relação aos capitéis, eles apresentam-se lavrados no mesmo mármore, com decoração estruturada em 3 ordens de acantos e ábacos, ornamentados de florões e flores, como malmequeres, girassóis e rosas.
Escavações mais recentes, nomeadamente as orientadas por Th. Hauschild, revelaram que o Templo seria rodeado por pórtico monumental e um espelho de água.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

O Templo romano de Évora e a renovação urbana do centro histórico, I Encontro Ibérico de Municípios com Centros Históricos

Local

-

Data

1994

Autor(es)

GUERREIRO, José Emílio

Título

A Restauração do Templo Romano de Évora, A Cidade de Évora

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Évora Ilustrada, A Cidade de Évora

Local

-

Data

1944

Autor(es)

FIALHO, Pe. Manuel

Título

El Recinto Mural Romano de Ebora Liberalitas Julia, Conímbriga

Local

-

Data

1971

Autor(es)

GARCIA y BELLIDO, António

Título

A Arte da Época Clássica (séculos II a. C .- II d. C.), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.79-101

Local

-

Data

1995

Autor(es)

MACIEL, Manuel Justino Pinheiro

Título

Investigações Efectuadas no Templo de Évora em 1982, Trabalhos de Arqueologia do Sul

Local

-

Data

1986

Autor(es)

HAUSCHILD, Theodor

Título

Le Culte Impériale dans la Péninsule Ibérique d'Auguste à Dioclétien

Local

-

Data

1974

Autor(es)

ÉTIENNE, Robert

Título

O Templo Romano de Évora, Escriptos Diversos

Local

-

Data

1888

Autor(es)

SIMÕES, Augusto Filipe

Título

História da Antiguidade da Cidade de Évora

Local

-

Data

1793

Autor(es)

PATRÍCIO, Amador (Martim Cardoso de Azevedo)

Título

Várias Antiguidades de Portugal, Colleçam de Antiguidades de Évora

Local

-

Data

1785

Autor(es)

ESTAÇO, Gaspar

Título

História da Antiguidade da Cidade de Évora

Local

-

Data

1573

Autor(es)

RESENDE, André de

Título

Restauração do Templo Romano em Évora

Local

-

Data

1872

Autor(es)

BARATA, António Francisco

Título

Portugal Romano

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. VII (Concelho de Évora - volume I)

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

A cidade romana Liberalitas Iulia Ebora - forúm, e maqueta de reconstituição do templo, A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (2ª Série), nº 7, 2007, pp. 195-212

Local

Évora

Data

2007

Autor(es)

DIAS, Rui M. Viegas

Título

Giuseppe Cinatti e o restauro do Templo Romano de Évora, A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (2ª Série), nº 4, 2000, pp. 273 - 288

Local

Évora

Data

2000

Autor(es)

RODRIGUES, Paulo Alexandre Simões