Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo de Arraiolos - detalhe

Designação

Designação

Castelo de Arraiolos

Outras Designações / Pesquisas

Paço dos Alcaides / Castelo e cerca urbana de Arraiolos (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Arraiolos / Arraiolos

Endereço / Local

Colina do Castelo
Arraiolos

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O castelo de Arraiolos foi mandado edificar pelo rei D. Dinis, no início do século XIV, existindo um documento coevo que nomeia o mestre João Simão, possível arquitecto do monumento. Mas já em 1217, quando D. Afonso II faz a doação da Herdade de Arraiolos ao primeiro bispo de Évora após a Reconquista, D. Soeiro, é referida a autorização régia para que aí se erga um castelo, no local onde existia um castro proto-histórico (confirmado por vestígios arqueológicos). Ao longo da centúria a escassa ocupação humana da zona foi-se densificando, até levar à formação de um núcleo de importância suficiente para justificar o investimento régio num Paço e fortificação envolvente, aparentemente levantados entre 1310 (ano da confirmação da carta de foral de Arraiolos) e 1315. Para tal, fora firmado um contrato entre o rei e o Alcaide, Juizes e Concelho locais, datado de 1305, determinando a construção de 207 braças de muro, de três braças de alto e uma braça de largo; e a fazer no dito muro dous portaes dárco com suas portas, e com dous cubellos quadrados em cada uma porta . Embora não se conheça notícia de edificações anteriores no local, à data das obras dionisinas, é perfeitamente possível que estas se tenham efectuado sobre construções existentes, com maior ou menor aproveitamento das suas estruturas.
O conjunto ergue-se no topo de um monte de configuração curiosa, em cone regular e de encostas suaves, dominando toda a vizinhança, também conhecido por Monte de São Pedro, a Norte da actual vila de Arraiolos. A muralha é de forma elíptica, acompanhando as curvas de nível do terreno, e encontra-se em bom estado de conservação. Era rasgada por duas portas, uma a Sul (diante da qual se desenvolveu todo o casario extra-muros), e outra a Noroeste, voltada para a cidade de Santarém, e conhecida justamente por este nome. A primeira porta, ou Porta da Barbacã, deveu por sua vez a designação a uma destas estruturas, hoje desaparecida, erguida em murete ou anteparo, que se levantava diante da entrada, para dificultar o acesso à mesma. Cada porta tinha dois cubelos, que no caso da Barbacã seriam aparentemente o torreão do relógio e a Torre de Menagem.
O Paço é constituído pela grande Torre de Menagem, de planta quadrada, e dependências anexas, dentre as quais se destaca a habitação principal. Embora a Torre ainda se apresente de forma reconhecível, com sinais dos quatro pisos de origem, da casa nobre restam apenas as paredes exteriores, rematadas nos ângulos por torres (uma das quais a de menagem), e os vãos ogivais das portas.
Ainda no século XIV se registam as primeiras queixas dos moradores do local, aparentemente pouco adequado a albergar uma povoação, por ser demasiado ventoso e isolado. Em 1371, o rei D. Fernando chega a determinar que os moradores de fora, cada vez em maior número, fossem privados do acesso à igreja e aos santos sacramentos durante a noite, entre outras tentativas de fixar os habitantes no interior da cerca, mas tal não chegou para atalhar ao progressivo despovoamento do local; a situação foi agravada pela ocupação da cerca por tropas castelhanas, em 1384. Em 1387, D. João I doou o castelo ao Condestável D. Nuno Álvares Pereira, segundo conde de Arraiolos, que aí chegou a habitar (sobretudo entre 1415 e 1423). Foram realizadas obras na fortificação em finais do século XV e inícios do XVI, integrando novas construções no Paço, e acrescentamentos como o coruchéu manuelino colocado na Torre do Relógio.
O castelo era ainda habitado em finais do século XVI, mas por pouco tempo mais; em 1613, o estado de ruína do conjunto era já denunciado pela Câmara local. As Guerras da Restauração causaram ainda mais degradação, apesar de algumas obras ordenadas por D. João IV. Da barbacã, sabe-se que estava em ruína em meados do século XVII, quando o Paço e a Torre de Menagem eram já inabitáveis, tendo o terremoto de 1755 apenas acrescentado à destruição geral. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. VIII (Distrito de Évora, Zona Norte, volume I)

Local

Lisboa

Data

1975

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Memorias da Villa de Arrayolos

Local

Arraiolos

Data

1999

Autor(es)

RIVARA, Joaquim Heliodoro da Cunha

Título

Castelo de Arraiolos, Boletim da Junta Distrital de Évora, nº 6

Local

Évora

Data

1967

Autor(es)

PAÇO, Manuel Afonso do

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

O Castelo de Arraiolos, A Cidade de Évora, nº 51 - 52, pp. 109 - 113

Local

Évora

Data

1969

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Castelos em Portugal. Retrato do seu Perfil Arquitectónico

Local

Coimbra

Data

2010

Autor(es)

CORREIA, Luís Miguel Maldonado de Vasconcelos