Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo de Freixo de Espada à Cinta - detalhe

Designação

Designação

Castelo de Freixo de Espada à Cinta

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Freixo de Espada-à-Cinta / Torre do Galo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Freixo de Espada à Cinta / Freixo de Espada à Cinta e Mazouco

Endereço / Local

Rua de D. Dinis
Freixo de Espada à Cinta

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portariade 10-01-1953, publicada no DG, II Série, n.º 19, de 23-01-1953 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portariade 10-01-1953, publicada no DG, II Série, n.º 19, de 23-01-1953

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O castelo de Freixo de Espada à Cinta é uma das mais antigas fortalezas transmontanas, estando documentada desde praticamente o século XII e antecedendo, por isso, o fenómeno de vilas novas criadas por D. Afonso III e D. Dinis. A referência mais antiga data de 1152 ou 1155-1157, anos em que D. Afonso Henriques passou carta de foral à localidade. É de presumir que a construção da fortaleza tenha ocorrido a partir deste diploma, mas só possuímos informações documentais relativas a obras em 1258 (BARROCA, 2000, CD-ROM). Perante estes dados, é provável que, logo no século XII, se tenha edificado um primitivo reduto, eventualmente com cerca a defender a povoação, como sugere Mário Barroca (IDEM), fortificação essa que acabaria por ser ocupada pelas tropas leonesas entre 1212 e 1213. Deste primeiro momento de vida do castelo, todavia, pouco ou nada é o que sabemos e o conjunto aguarda ainda por uma monografia rigorosa que permita identificar, por exemplo, se partes da actual muralha podem corresponder a esse período.
No século XIII, a partir do foral outorgado por D. Afonso III, datado de 1273, o castelo foi objecto de uma extensa campanha de obras. Estamos mal informados a respeito da extensão dos trabalhos realizados, pela grande destruição actual do conjunto, mas não restam dúvidas da grande importância desta campanha, em particular a que se desenvolveu no reinado de D. Dinis, a ponto de Rui de Pina escrever que este monarca povoou de novo e fez o castelo.
O principal elemento remanescente é a alta e cenograficamente refinada torre heptagonal (também designada por Torre do Galo). De fabrico dionisino, trata-se, ao que tudo indica, da torre de menagem do castelo gótico (BARROCA, 2003, pp.119-120), independentemente de Rita Costa GOMES, 2003, pp.125-126, admitir que tal função havia sido reservada a uma "das torres quadrangulares hoje demolidas, de traça mais arcaica" e de a torre heptagonal ser já posterior, eventualmente do reinado de D. Fernando. Com cerca de 25 metros de altura, e com faces de diferentes larguras, impõe-se na malha antiga da localidade e é uma das mais importantes realizações militares do tempo de D. Dinis, testemunhando o aparecimento dos dispositivos de tiro vertical, através dos balcões corridos assentes em cachorrada e com chão perfurado (também designados por machicoulis), e a complexificação planimétrica da estrutura, que permitia uma melhor defesa circundante.
A complexidade e diversidade das torres parece, de resto, ter sido uma constante da reforma dionisina. No século XVI, quando Duarte d'Armas desenhou a fortaleza, ainda existiam muitas delas, de perfil hexagonal e pentagonal, "dispostas a intervalos regulares" e a maioria integrando "balcões de matacães para defesa do circuito" (GOMES, 2003, pp.125-126).
Uma fortificação assim complexa, de apreciáveis dimensões e com notáveis recursos técnicos, deve ter levado bastante tempo a edificar-se. É desta forma que equacionamos o longo período que vai desde o foral de D. Afonso III até 1342, ano em que um documento noticia estar a cerca da vila ainda por concluir (IDEM, p.125). Em 1376, já no reinado de D. Fernando, novas obras são mencionadas, facto que testemunha a constante actualização do recinto ao exigente século XIV militar.
As dificuldades de povoamento deverão ter motivado a transformação da localidade em couto de homiziados, em 1406. No entanto, tal não impediu que novas obras se realizassem, "nomeadamente entre 1412 e 1423, e entre 1435 e 1459" (IDEM, p.126), empreitadas de eventual pendor residencial, tão ao gosto dos alcaides do final da Idade Média. Nos inícios do século XVI, o castelo dispunha de barbacã e registavam-se novos trabalhos, conduzidos pelo mestre biscaínho Pero Lopes.
Ao longo da época morderna existiram pequenos trabalhos de consolidação e a perda de funcionalidade ocorreu apenas no século XIX, quando o recinto foi adaptado a cemitério municipal (1836) e alguns panos foram sacrificados.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

O Leste do Território Bracarense

Local

Torres Vedras

Data

1975

Autor(es)

NETO, Joaquim Maria

Título

Memórias arqueológico-históricas do distrito de Bragança: repositório amplo de notícias corográficas, hidro-orográficas, geológicas, mineralógicas, hidrológicas, biobibliográficas, heráldicas (...), 2ªed.

Local

Bragança

Data

2000

Autor(es)

ALVES, Francisco Manuel

Título

Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

GIL, Júlio, CABRITA, Augusto

Título

Dicionário Histórico e Documental dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

VITERBO, Francisco M. de Sousa

Título

D. Dinis e a arquitectura militar portuguesa, Revista da Faculdade de Letras. História, II série, tomo XV, pp. 801-822

Local

Porto

Data

1998

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Roteiro dos castelos de Trás-os-Montes

Local

Chaves

Data

2000

Autor(es)

VERDELHO, Pedro

Título

A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal

Local

Barcelos

Data

1969

Autor(es)

PERES, Damião

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Freixo de Espada à Cinta. Notas históricas. Sua evolução através do tempo, Brigantia, vol.1, nº1, pp.127-132

Local

Bragança

Data

1981

Autor(es)

TEIXEIRA, António José

Título

Castelo de Freixo de Espada à Cinta, Do Douro Interncional ao Côa. As raízes de uma fronteira, CD-ROM

Local

Porto

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Epigrafia medieval portuguesa (862-1422)

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Freixo de Espada à Cinta e as suas Antiguidades, Amigos de Bragança, 3ª série, nº8, pp.49-73

Local

Bragança

Data

1967

Autor(es)

PAULO, Amílcar

Título

Povoamento Romano de Trás-os-Montes Oriental, 6 vols., Dissertação de Doutoramento apresentada à Universidade do Minho

Local

Braga

Data

1993

Autor(es)

LEMOS, Francisco Sande

Título

Da Reconquista a D. Dinis, Nova História Militar de Portugal, vol. I, pp.21-161

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

O castelo de Freixo de Espada à Cinta. Notas para a sua história

Local

Freixo de Espada à Cinta

Data

1992

Autor(es)

PINTADO, Francisco António

Título

De Freixo a Freixo de Espada à Cinta. Notas de monografia, 2 vols.

Local

Freixo de Espada à Cinta

Data

1996

Autor(es)

PINTADO, Francisco António

Título

Castelos em Portugal. Retrato do seu Perfil Arquitectónico

Local

Coimbra

Data

2010

Autor(es)

CORREIA, Luís Miguel Maldonado de Vasconcelos