Saltar para o conteúdo principal da página

Dólmen da Aliviada ou Mamoa 1 de Aliviada - detalhe

Designação

Designação

Dólmen da Aliviada ou Mamoa 1 de Aliviada

Outras Designações / Pesquisas

Dólmen pintado de Escariz (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Dolmen

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Arouca / Escariz

Endereço / Local

EN 519
Escariz

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 26-A/92, DR, I Série-B, n.º 126, de 1-06-1992 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Também conhecido por "Dólmen de Escariz" ou "Dólmen Pintado", o "Dólmen da Aliviada" foi construído durante o Neo-calcolítico desta região do actual território português.
Situado nas proximidades da localidade de Escariz, este sítio megalítico apresenta câmara sepulcral alongada, de planta sub-rectangular constituída por nove esteios graníticos, numa área onde se erguem duas outras mamoas, ou tumuli.
A principal característica deste dólmen residirá, no entanto, na superfície de sete dos nove esteios que compõem a câmara, por apresentarem gravuras e pinturas com motivos predominantemente ondulados e geométricos, enquadradas no que é geralmente entendido por arte megalítica do Norte de Portugal originada na primeira metade do III milénio a. C. (JORGE, S. O., 1991, p. 152). Com efeito, são os elementos geométricos os mais representados em monumentos megalíticos, sendo de igual modo os que suscitam maiores dificuldades em termos interpretativos entre os especialistas, "[...] que ora os ligam ao culto ofiolático (Bousa Brey), ora vêem neles a representação de linhas de água purificadoras, com uma força regeneradora e revivificante (Georg e Vera Leisner, Albuquerque e Castro)." (VILAÇA, Raquel, 1993, p. 27).
Intervencionado por D. Domingos Pinho Brandão, conhecido investigador e divulgador da História local e regional, de cujo vasto labor se preserva parte considerável no Museu de Arte Sacra instalado no Mosteiro de Arouca, assim como no Museu de Arte Sacra e Arqueologia, inaugurado, em 1958, por sua própria iniciativa, no seminário maior do Porto, de sua reitoria, este dolmen forneceu algum espólio, do qual se destaca um machado de anfibolite, de secção quadrada, a par de micrólitos geométricos e algumas contas executadas em xisto e quartzo.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Características predominantes do grupo dolménico da Beira Alta, Ethnos

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

MOITA, Irisalva Nóbrega

Título

A consolidação do sistema agro-pastoril, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

O conjunto megalitico de Escariz. Notas a margem de um inventário, Defesa de Arouca

Local

Arouca

Data

1984

Autor(es)

SILVA, Fernando Augusto Pereira da

Título

Um projecto de investigação no domínio do megalitismo: Estudo do megalitismo a Sul do rio Douro. O Concelho de Arouca, Defesa de Arouca

Local

Arouca

Data

1983

Autor(es)

SILVA, Fernando Augusto Pereira da

Título

História de Arte em Portugal, 1. Do Paleolítico à Arte Visigótica

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

VILAÇA, Raquel Maria da Rosa

Título

Materiais provenientes de dólmens de Escariz, Arouca: escavações de Domingos de Pinho Brandão, Cadernos de Arqueologia

Local

Braga

Data

1987

Autor(es)

JORGE, Vítor de Oliveira