Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja e Convento de Santa Maria de Aguiar - detalhe

Designação

Designação

Igreja e Convento de Santa Maria de Aguiar

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro e Igreja de Santa Maria de Aguiar (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Figueira de Castelo Rodrigo / Castelo Rodrigo

Endereço / Local

Lugar de Santa Maria de Aguiar
Castelo Rodrigo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 21 996, I Série, DG n.º 295, de 17-12-1932 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Construído quando o território de Riba-Côa se encontrava na posse do reino leonês, para alguns autores (HERCULANO), ou já sob a ordem portuguesa, para outros (AZEVEDO, 1962), o Mosteiro de Santa Maria de Aguiar data de meados do século XII, altura em que uma primitiva comunidade de monges beneditinos (ou de eremitas) aqui se instalou (CARVALHEIRA, 2002, p.18). Na década de 70 desse século, a comunidade abraçou a Ordem de Cister e deu-se então início à construção que hoje vemos.
O projecto adoptado pela comunidade reformada deu especial atenção à água, elemento tão caro aos mosteiros cistercienses. O local beneficiava da proximidade da ribeira de Aguiar e há notícias de canalizações ainda no século XV (IDEM, p.28). Arquitectonicamente, previa um interior amplo, organizado em três naves, mas tal só aconteceu nos primeiros dois tramos. Provavelmente por falta de verbas, o plano foi drasticamente reduzido, embora se tenham mantido as dominantes essenciais de cunho cisterciense: linhas austeras e rígidas, ausência de decoração, sobriedade generalizada. Ainda assim, a qualidade e ambição do projecto inicial documenta-se em alguns aspectos construtivos, como a elevação à mesma altura da nave central e do transepto saliente. A cabeceira é tripartida e escalonada, de planta rectangular, com capela-mor de maior relevância em relação aos absidíolos.
Do claustro, construído quase um século depois da igreja, resta a Sala do Capítulo, espaço quadrangular que denuncia já uma clara tendência para o naturalismo decorativo, característico da escultura arquitectónica do século XIV. Conhecemos a quadra apenas através de uma fotografia publicada por João Couto (1927), que revela duas alas de arcarias contínuas em arcos de volta perfeita assentes sobre salientes capitéis dóricos, desprovidos de qualquer decoração (CARVALHEIRA, 2002, p.31).
No final da Idade Média, as doações régias e as de senhores da região diminuíram consideravelmente. Não obstante, Santa Maria de Aguiar manteve a posse de vastas terras, tanto em território nacional, como na parcela castelhana. A própria localização do mosteiro numa área raiana, demasiado sensível em tempos de guerra, conduziu a uma certa decadência da instituição, materializada, em 1459, na carta do abade D. Nuno Álvares ao Papa, dando conta do estado lastimável do mosteiro por essa altura.
Na época moderna, foram várias as obras efectuadas no conjunto. Do período quinhentista datará o piso superior do claustro, entre outros trabalhos não discriminados. No século XVII, na sequência de um movimento reformista no seio da Ordem de Cister, o mosteiro foi objecto de algumas obras de actualização estética, como o novo retábulo, mandado executar em 1636. Cerca de vinte anos antes, aqui se fez sepultar Fr. Bernardo de Brito, cronista do Mosteiro de Alcobaça e um dos nomes principais da Monarquia Lusitana, o primeiro ensaio historiográfico português segundo alguns autores. Do século XVIII data o cadeiral de talha barroca, bem como alguns altares e respectivas imagens devocionais.
O período das invasões francesas e a posterior extinção das ordens religiosas determinou o estado de abandono a que o mosteiro chegou na segunda metade do século XIX e inícios do século XX. Alienado pelo Estado em hasta pública, só em 1937 aconteceram as primeiras obras de restauro, a cargo da DGEMN. Estas foram alvo de um recente estudo, comprovando-se a radicalidade do método aplicado. Ao longo de pouco mais de vinte e cinco anos de intervenção, a DGEMN reinventou o monumento, acrescentando e reconstruindo numerosas partes: "apenas o alçado meridional e a nave lateral sul terão obtido o total respeito dos responsáveis pelo programa de restauro" (IDEM, p.117). Ainda mais recentemente, a partir de 2001, o mosteiro passou a integrar o programa de intervenções em conjuntos monásticos, desenvolvido pelo IPPAR, que contou com uma campanha de beneficiação integral do monumento.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

A Arquitectura (1250-1450), História da Arte Portuguesa, dir. Paulo Pereira, vol. I, pp.335-433

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

A arquitectura gótica portuguesa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Arqueologia dos espaços cistercienses no Vale do Douro, Cister no Vale do Douro, pp.189-242

Local

Porto

Data

1999

Autor(es)

TEIXEIRA, Ricardo Jorge Coelho Marques Abrantes

Título

A igreja cisterciense de Santa Maria de Aguiar. O conjunto arquitectónico medieval e as campanhas de restauro da DGEMN (1936-1962)

Local

Sem local de edição

Data

2002

Autor(es)

CARVALHEIRA, Ana Margarida Gonçalves

Título

Documentos de Santa Maria de Aguiar (Castelo Rodrigo), Revista Lusitana, vol. XIII, nº1-2, pp.1-17

Local

Lisboa

Data

1910

Autor(es)

AZEVEDO, Pedro A. de

Título

Riba Coa sob o domínio de Portugal no reinado de D. Afonso Henriques. O Mosteiro de Santa Maria de Aguiar de fundação portuguesa e não leonesa, Anais da Academia Portuguesa de História, 2ª sér., vol. 12, pp.231-298

Local

Lisboa

Data

1962

Autor(es)

AZEVEDO, Rui Pinto de

Título

Abadias cistercienses portuguesas, Lusitânia Sacra, t.IV

Local

Lisboa

Data

1959

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Notes sur l'architecture et le décor dans les Abbayes cisterciennes du Portugal

Local

Paris

Data

1972

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Études sur le monachisme en Espagne et au Portugal

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

O Convento de Santa Maria de Aguiar em Riba-Côa (termo de Castelo Rodrigo)

Local

Porto

Data

1927

Autor(es)

COUTO, João

Título

Remarques sur l'architecture cistercienne au Portugal, Bracara Augusta, vol. XVI-XVII (Actas do Congresso Histórico sobre Portugal medievo)

Local

Braga

Data

1964

Autor(es)

CROZET, René

Título

Guia turístico do convento de Santa Maria de Aguiar

Local

Figueira de Castelo Rodrigo

Data

1981

Autor(es)

MARTINS, José Canário

Título

Domínio e senhorio de Santa Maria de Aguiar, sécs. XII e XIII, Congresso Internacional sobre San Bernardo e o Cister en Galicia e Portugal, vol.1, pp.563-576

Local

Ourense

Data

1991

Autor(es)

VICENTE, António Maria Balcão

Título

O Mosteiro de Santa Maria de Aguiar, História do Bispado e da Cidade de Lamego, vol.2

Local

Lamego

Data

1979

Autor(es)

COSTA, Manuel Gonçalves da

Título

Santa Maria de Aguiar - um mosteiro de fronteira: património rural e paisagem agrícola - séculos XII - XIV, Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1996

Autor(es)

VICENTE, António Maria Balcão

Título

O Mosteiro Cisterciense de Santa Maria de Aguiar, Terras do Côa de Malacata ao Reboredo. Os valores do Côa, pp. 117-132

Local

sem local de edição

Data

1998

Autor(es)

CARVALHEIRA, Ana Margarida Gonçalves

Título

O Mosteiro de Santa Maria de Aguiar e os Monges de Cister

Local

Figueira de Castelo Rodrigo

Data

1997

Autor(es)

BORGES, Júlio António

Título

O Mosteiro de Santa Maria de Aguiar, Dissertação de Mestrado em História da Arte apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1996

Autor(es)

RAICK, Regina

Título

O Mosteiro de Santa Maria de Aguiar em Riba-Coa

Local

Figueira de Castelo Rodrigo

Data

1996

Autor(es)

ALBUQUERQUE, Maria Paula Vilhena C. Beirão Vieira

Título

A expansão da arquitectura borgonhesa e os mosteiros de Cister em Portugal. Ensaio de arqueologia da Idade Média

Local

Lisboa

Data

1956

Autor(es)

GUSMÃO, Artur Nobre de

Título

Routier des abbayes cisterciennes du Portugal

Local

Paris

Data

1986

Autor(es)

COCHERIL, Maur