Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo de Santiago do Cacém - detalhe

Designação

Designação

Castelo de Santiago do Cacém

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de São Tiago do Cacém (designação do diploma de classificação) / Castelo e cerca urbana de Santiago do Cacém (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Santiago do Cacém / Santiago do Cacém, Santa Cruz e São Bartolomeu da Serra

Endereço / Local

-- -
Santiago do Cacém

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 27-10-1949, publicada no DG, II Série, n.º 265, de 15-11-1949 (com ZNA) (ZEP do Castelo e da Igreja Matriz de Santiago do Cacém)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 27-10-1949, publicada no DG, II Série, n.º 265, de 15-11-1949

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As escavações realizadas no território correspondente na actualidade ao concelho de Santiago do Cacém revelam as remotas origens dos vestígios de ocupação humana na região, desde o Paleolítico, passando pelo Neolítico, até ao período da conquista romana, ao qual remontam as ruínas de Miróbriga, numa comprovação da adequação dos seus terrenos à prática agro-pecuária.
O antigo povoado de Santiago do Cacém terá, então, entrado num longo processo de declínio, por volta do século IV d. C., até à chegada dos mouros, em 712. Passou a ser, então, conhecido por Cacém, denominação eventualmente atribuída a partir do nome do seu governador árabe, Kassen, ainda que uma lenda local a atribua a nobre aportada do Mediterrâneo oriental que, após matar Kassen e conquistar o castelo no dia de Sant'Iago, o baptizou de Sant'Iago de Kassen.
Independentemente destas considerações, os mouros ergueram um castelo na povoação tomada pelos Templários em 1157, para ser perdida em 1185 e recuperada, logo no ano seguinte, pela Ordem de Santiago da Espada (ou dos Espatários), que a receberam por doação régia, formando-se, assim, a designação pela qual passou a ser conhecida: Santiago do Cacém. O que não obstou a que fosse tomada pelo Califado almóada em 1191, até que, em 1217, passou, em definitivo, para a posse dos cristãos, reafirmando D. Afonso II (1185-1223) a doação efectuada por seu pai à Ordem dos Espatários (vide supra).
Mais de um século depois, o castelo, propriamente dito, encontrava-se na posse da princesa D. Vetácia, próxima da Rainha Santa Isabel, regressando à Ordem com a morte da proprietária, até que Filipe II (1578-1621) o doou aos Duques de Aveiro, em 1594, transferindo-se para a Coroa em 1759, numa altura em que se encontrava já bastante danificado. Uma situação agravada pela destruição parcial do muralhado provocada pela construção da igreja Matriz, no século XIII, assim como pela utilização do seu recinto interno como cemitério da Vila, a partir do século XIX.
Implantado no topo de um morro, sobranceiro à povoação e de modo destacado na ampla planície, este exemplar da castelologia portuguesa desenvolve-se num paralelogramo de 190 metros de comprimento, exibindo dez torres e cubelos rasgados por seteiras e caminho de ronda, assim como a barbacã, conservada ainda na sua quase totalidade ("Santiago do Cacém", p. 506), características que lhe valeram, a par das "memórias" que encerra e simboliza, a sua inclusão no primeiro documento português de classificação de estruturas antigas como "monumentos nacionais", publicado em 1910.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

GIL, Júlio, CABRITA, Augusto

Título

A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal

Local

Barcelos

Data

1969

Autor(es)

PERES, Damião

Título

A maravilhosa história dos mais belos castelos de Portugal

Local

Porto

Data

1969

Autor(es)

PERES, Damião

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Santiago do Cacém, Tesouros Artísticos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1976

Autor(es)

ALMEIDA, José António Ferreira de

Título

Património edificado de Santiago do Cacém - Breve inventário

Local

Santiago do Cacém

Data

2001

Autor(es)

SOBRAL, Carlos, MATIAS, José

Título

Castelos românicos portugueses (séc. XII e XIII), Românico em Portugal e na Galiza, catálogo de exposição, pp. 88-111

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge