Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo da vila de Moreira de Rei - detalhe

Designação

Designação

Castelo da vila de Moreira de Rei

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Moreira de Rei (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Trancoso / Moreira de Rei

Endereço / Local

- -
Moreira de Rei

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 21 354, DG, I Série, n.º 136, de 13-06-1932 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

As origens do encastelamento em Moreira de Rei são bem antigas e recuam, pelo menos, à primeira metade do século X. Nessa altura, naquele que foi o primeiro grande momento de expansão do reino asturiano-leonês, documenta-se, pela primeira vez, um castelo, propriedade de D. Chamôa Rodrigues (ou D. Flâmula), e por si doado ao Mosteiro de Guimarães em 960. Desse primitivo reduto, provavelmente destruído por Almançor no final desse século X (BARROCA, 1990/91, p.95), nada sabemos. Pelas informações de outros castelos também mencionados nesse documento, é plausível que fosse uma estrutura defensiva pouco mais que rudimentar, tutelar sobre uma população essencialmente rural, mas destituído de efectivo valor militar em caso de invasão.
Fosse como fosse, certo é que Moreira de Rei foi um dos pólos mais importantes da região na transição para a Baixa Idade Média. Na década de 50 do século XI, quando D. Fernando, o Magno, empreendeu a conquista da região centro do actual território português, o castelo de Moreira foi uma das fortalezas tomadas. Mais tarde, já no reinado de D. Afonso Henriques, o povoado foi agraciado com um foral e deu-se corpo a uma reforma da fortificação.
É precisamente desse período que data o actual castelo, infelizmente já muito destruído. Ele implantou-se em posição ligeiramente periférica em relação à primitiva localidade (BARROCA, 2000, p.221), facto atribuível a uma consciente racionalização dos recursos militares do projecto. Desta forma, povoado e castelo foram os pólos fundamentais de organização dos homens em Moreira de Rei, marcando, de forma vincada, as distintas funcionalidades e vocações dos espaços.
Implantado num afloramento granítico dominante sobre a aldeia, o castelo românico integrava a torre de menagem e um circuito de muralhas. A torre desapareceu quase por completo, restando apenas "a primeira fiada de silhares, que nos documentam uma torre de planta quadrada (...) isolada da muralha do castelo" (IDEM, p.221), composição típica do Castelo Românico. A entrada fazia-se através de uma porta no primeiro piso, em posição elevada sobre a cota do pátio, a que se acedia por uma escada de madeira, de que restam ainda vestígios do encaixe. A linha de muralhas que protegia este reduto delimitava um espaço interno bastante reduzido, destinado a impedir que "uma vez ultrapassada a porta do castelo, as forças inimigas pudessem movimentar-se livremente" (IDEM, p.221).
Ao contrário do que seria de esperar, o povoado nunca foi verdadeiramente amuralhado. Ao que tudo indica, o advento das vilas novas de planeamento prévio, característico do tempo gótico português e das zonas raianas e interiores do Norte do país, nunca se verificou em Moreira de Rei. Por esta circunstância, a aldeia permaneceu relativamente indefesa, em torno do seu templo tutelar. Este, apresenta uma feição românica tardia e rural, de fábrica modesta, com nave única e sem grandes artifícios decorativos ou simbólicos. É um exemplo de arquitectura religiosa atribuível à viragem para o século XIII e que substituiu uma anterior igreja, pré-românica, de que nenhum vestígio construtivo chegou até nós, mas que está documentada pela necrópole de sepulturas escavadas na rocha, cuja datação corresponderá ao século X.
Estabelecimento relevante no século XII, os tempos seguintes determinaram um progressivo abandono. É, com certeza, sintomática a inexistência de qualquer reforma gótica da estrutura, sinal inequívoco de perda de importância da fortaleza no contexto regional. Nos inícios do século XVI, com D. Manuel, o novo foral e a colocação do pelourinho conferiu uma ilusória dinâmica à localidade, perspectiva que as décadas seguintes se encarregaram de rejeitar. Para a história do castelo, os últimos séculos foram particularmente gravosos, na medida em que a população o utilizou como pedreira. Na década de 40 do século XX, a DGEMN reconstruiu algumas parcelas da muralha, mas o aspecto geral é o de uma ruína.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

Do Castelo da Reconquista ao Castelo Românico (Sec. IX a XII), Portugália, nova série, vols. XI-XII, pp.89-136

Local

Porto

Data

1991

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Castelos da Raia Vol. I: Beira, 2ªed.

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

GOMES, Rita Costa

Título

Aspectos da evolução da arquitectura militar da Beira Interior, Beira Interior - História e Património, pp.215-238

Local

Guarda

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Castelos em Portugal. Retrato do seu Perfil Arquitectónico

Local

Coimbra

Data

2010

Autor(es)

CORREIA, Luís Miguel Maldonado de Vasconcelos