Saltar para o conteúdo principal da página

Monumentos da Quinta da Nora e Herdade da Marcela - detalhe

Designação

Designação

Monumentos da Quinta da Nora e Herdade da Marcela

Outras Designações / Pesquisas

Monumentos da Quinta da Nora e Herdade de Marcela (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Tholos

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Vila Real de Santo António / Vila Nova de Cacela

Endereço / Local

- -
Vila Nova de Cacela

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

São muito mal conhecidos os vestígios pré-históricos deste local. Estácio da Veiga e Francisco d'Ataíde Oliveira teceram alguns comentários a seu respeito, no que devem considerar-se pioneiros na identificação e divulgação deste complexo, mas nunca houve possibilidade de se realizar uma investigação arqueológica coerente e sistemática. Acresce a isto o facto dos monumentos não terem sido encontrados aquando das mais recentes sondagens do local.
Ao que tudo indica, tratava-se de um tholos em associação com menires, de cronologia neo-calcolítica. O monumento funerário, alvo de descrição pormenorizada por Estácio da Veiga, foi construído por escavação parcial e encontrava-se organizado segundo um eixo axial linear, seccionado em três corpos. A câmara mortuária seria de planta circular, de diâmetro médio a rondar os 4 metros, e realizada com recurso a 13 esteios. Relacionava-se com um pequeno átrio, onde eram visíveis restos de pavimento composto por pedra miúda. Finalmente, o núcleo central ligava-se a um pequeno corredor de acesso.
No exterior, o conjunto era pontuado por menires, em número ainda impreciso. É muito possível que tenham existido alterações posteriores à época de construção.
A dispersão de vestígios prolongar-se-ia pela herdade vizinha da Nora, onde foram recolhidos materiais osteológicos associados a fragmentos de pedra polida e alguns vasos em barro, assim como pontas de sílex, o que aponta para uma ocupação de contornos mais extensos. Aqui existiu uma "construção bizarra", de 8,2m de comprimento por 2,2m de largura máxima (GONÇALVES, 1997, p.174), anterior à ocupação da Marcela.
O espólio recolhido por Estácio da Veiga foi alvo de estudos mais recentes que remetem para uma cronologia a rondar a segunda metade do 4º milénio, em particular as placas de xisto de decoração geométrica (IDEM). Outros artefactos são mais recentes, casos de peças em osso e de uma tampa de caixa em marfim, obra que parece não ter contextualização aparente com o restante espólio, fazendo crer que terá existido uma fase posterior de ocupação ou, em alternativa, um enterramento "de luxo" (IDEM, p.175).
PAF / Sílvia Leite / DIDA - IGESPAR / 2006-2011

Bibliografia

Título

Megalitismo e inícios da metalurgia no Alto Algarve Oriental

Local

-

Data

1979

Autor(es)

GONCALVES, Victor Manuel dos Santos

Título

Antiguidades Monumentaes do Algarve 4. Tempos Prehistoricos.

Local

-

Data

-

Autor(es)

VEIGA, Sebastião Filipe Martins Estácio da

Título

Monografia do concelho de Vila Real de Santo António

Local

Porto

Data

1908

Autor(es)

OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde

Título

Megalitismo e metalurgia no alto Algarve oriental, uma aproximação integrada, Estudos e Memórias, n.º 2, vol. 1

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

GONCALVES, Victor Manuel dos Santos