Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto dos restos do aqueduto romano de Conímbriga e do castellum de Alcabideque, abrangendo todo o sistema de captação de águas - detalhe

Designação

Designação

Conjunto dos restos do aqueduto romano de Conímbriga e do castellum de Alcabideque, abrangendo todo o sistema de captação de águas

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Aqueduto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Condeixa-a-Nova / Condeixa-a-Velha e Condeixa-a-Nova

Endereço / Local

-- -
Alcabideque

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 47 508, DG, I Série, n.º 20, de 24-01-1967 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 12-11-1971, publicada no DG, II Série, n.º 277, de 25-11-1971 (sem restrições)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Construído no séc. I d. C., o aqueduto ter-se-á inserido no projecto de urbanização desenvolvido na época de Augusto, tendo funcionado, já em plena época de Cláudio, como esgoto, que terá antecedido a construção de duas cisternas.
Situado em zona agrícola, a água era captada por uma represa e respectiva torre - denominado castellum - de planta rectangular. De câmara inferior com abóbada de canhão, o extradorso apresenta-se em arco abatido de características tipicamente romanas. Discorrendo ao longo de cerca de 3 550 metros de comprimento, o aqueduto desenvolve-se tanto subterraneamente como assente sobre sapata junto ao solo. Era no término deste percurso que a água passava a correr sobre dezasseis arcos, dos quais só chegou até aos nosso dias apenas um exemplar. Depois de desenvolvido sobre um paredão, o aqueduto retomava o seu andamento subterrâneo, finalizando por desembocar nas termas localizadas a Sul das ruínas de Conímbriga.
[Ana Martins]

Imagens