Saltar para o conteúdo principal da página

Ermida de Nossa Senhora do Ameal - detalhe

Designação

Designação

Ermida de Nossa Senhora do Ameal

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Ermida

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Santa Maria, São Pedro e Matacães

Endereço / Local

Largo do Choupal
Torres Vedras

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 715/77, DR, I Série, n.º 268, de 19-11-1977 (sem restrições) (ZEP conjunta da Capela e Forte de São Vicente e da Ermida de Nossa Senhora do Ameal) (ver Portaria)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Apesar de indefinida a data de fundação da primitiva Ermida de Nossa Senhora do Ameal, este templo foi possivelmente a primeira igreja paroquial edificada na região de Torres Vedras. Sabe-se que em 1310 a Rainha D. Isabel fundou nas dependências da ermida o Hospital de Nossa Senhora de Rocamador, pertencente à Ordem de Santa Maria de Rocamador, o que comprova que estava já edificada no início do século XIV. Em 1337 o hospital era entregue à Confraria dos Alfaiates, que se comprometeu a socorrer e dar albergue aos pobres da região.
Depois da transferência do hospital para a Rua Pelomes, em 1507, a ermida seria completamente remodelada. Entre 1550 e 1560 era executada a campanha de obras que conferiu ao templo a sua traça actual. Em 1767 e 1858 foram executadas novas obras, para aumentar o espaço do templo.
A capela, de planta longitudinal, apresenta uma tipologia maneirista de alguma erudição, num modelo simples e austero. A nave única é precedida por galilé com colunas toscanas e frontão triangular, de inspiração palladiana. Na fachada lateral foi aberto um portal de modelo serliano, assente em colunas toscanas e encimado por frontão triangular.
Nas obras quinhentistas foram reaproveitados alguns elementos anteriores, como a sineira, colocada sobre a fachada lateral, os azulejos mudejares que compõem o lambril da nave, o conjunto de azulejos hispano-árabes que decoram o altar, e a pia baptismal de tipologia manuelina.
O interior possui ainda púlpito de pedra quinhentista e capela lateral dedicada a Nossa Senhora de Rocamador, edificada em 1719, cujo retábulo integra uma imagem policroma da padroeira datada do século XV. A capela-mor é coberta por abóbada de nervuras, e o altar possui retábulo de talha executado em 1767, com imagem da Senhora com o Menino.
Ao acervo da Capela de Nossa Senhora do Ameal pertencia ainda um conjunto de pinturas do século XVI, com representações de São Pedro, São Paulo, São Lourenço e São Sebastião, que actualmente se encontram no Museu Municipal de Torres Vedras.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2004

Imagens

Bibliografia

Título

"Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa"

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

"Torres Vedras : passado e presente"

Local

Torres Vedras

Data

1996

Autor(es)

RODRIGUES, Cecília Travanca

Título

"Arquitectura mudéjar portuguesa: tentativa de sistematização, Mare Liberum, nº8, pp.49-89"

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

DIAS, Pedro