Saltar para o conteúdo principal da página

Portal lateral dos antigos paços de São Cristóvão - detalhe

Designação

Designação

Portal lateral dos antigos paços de São Cristóvão

Outras Designações / Pesquisas

Paços de São Cristóvão (portal lateral) / Paço a par de São Cristóvão (portal lateral) / Palácio Vagos / Palácio São Cristovão / Clínica de São Cristóvão (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Portal

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santa Maria Maior

Endereço / Local

Rua do Regedor
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificado possivelmente na primeira metade do século XV, o Paço de São Cristóvão - ou Paço a par de São Cristóvão, como era referido na documentação coeva - foi o lugar escolhido para a celebração do casamento de D. Leonor, filha do rei D. Duarte, com Frederico III da Alemanha, em 1452.
Mais tarde, possivelmente nos primeiros anos da centúria seguinte, ter-se-ão executado algumas obras no paço, das quais subsistiu o portal manuelino que hoje se encontra numa das fachadas laterais.
De moldura rectangular dupla, o pórtico é decorado a toda a volta por toros torsos, que lateralmente formam colunelos com capitéis vegetalistas e bases facetadas, assentes sobre plintos cilíndricos, cuja implantação desajustada ao pavimento indica claramente que o portal foi deslocado do seu espaço original.
O Paço de São Cristóvão veio a sofrer profundas modificações, nomeadamente obras de reconstrução e ampliação da estrutura, tanto no início da segunda metade do século XVII como no primeiro quartel do século XVIII. Devido aos danos causados pelo terramoto de 1755, o palácio voltou a ser objecto de transformações profundas no seu conjunto. Em 1864, foi-lhe acrescentado mais um andar, e já no século XX, entre 1937 e 1939, a ala oeste do paço foi ampliada e foi edificado um pavilhão anexo.
Catarina Oliveira
DIDA/IGESPAR/ Abril de 2008

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário de Lisboa

Local

-

Data

1950

Autor(es)

ARAÚJO, Norberto de

Título

Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa

Local

-

Data

1987

Autor(es)

AA VV

Título

Lisboa Antiga. Bairros Orientais

Local

Lisboa

Data

1937

Autor(es)

CASTILHO, Júlio de

Título

Monumentos e edifícios notáveis do distrito de Lisboa, vol. V, (1º tomo)

Local

Lisboa

Data

1973

Autor(es)

ALMEIDA, D. Fernando de