Saltar para o conteúdo principal da página

Padrão de Elvas - detalhe

Designação

Designação

Padrão de Elvas

Outras Designações / Pesquisas

Padrão no arrabalde da cidade (designação do diploma de classificação) / Padrão dos Murtais / Padrão no arrabalde de Elvas / Padrão comemorativo da Batalha da Linha de Elvas / Terreiro da Batalha das Linhas de Elvas (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Padrão

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Elvas / Caia, São Pedro e Alcáçova

Endereço / Local

Outeiro dos Murtais
Sítio dos Murtais

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Castelo de Elvas constituiu sempre uma das mais importantes fortificações portuguesas, assegurando a defesa da fronteira alentejana, sendo forçosamente sitiado pelas tropas castelhanas em várias ocasiões. No contexto da Guerra da Restauração, Elvas foi atacada por diversas vezes, sendo a mais importante batalha a das Linhas de Elvas, em 1659, após três meses de cerco, imposto pelo numeroso exército de D. Luís de Haro. A vila encontrava-se numa situação desesperada, quando o seu governador, D. Sancho Manuel, mais tarde conde de Vila Flor, conseguiu obter da rainha regente o auxílio de um exército comandado pelo conde de Cantanhede, e vindo de Estremoz. A batalha desenrolou-se a 14 de Janeiro de 1659, no sítio dos Murtais, a norte da praça de armas. Aí se levantou, em comemoração da vitória, um padrão conhecido por Padrão de Elvas ou dos Murtais.
Erguido em mármore branco de Estremoz, é constituído por um pedestal paralelepipédico, em cujas faces estão gravadas legendas alusivas à batalha, e sobre o qual assenta a coluna de fuste cilíndrico, com cerca de 5 m de altura. O capitel é composto por uma plataforma quadrada, moldurada, que sustenta uma coroa real. O conjunto apoia-se num soco de três degraus quadrados, protegidos por gradeamento. As inscrições constam do seguinte texto: Esta memória se pôs para que os mortais dêem peças ao Senhor dos Exércitos e vitórias; roguem pelas almas dos que acharem e deram as vidas em tão singular e porfiada batalha, que durou desde nove horas da manhã até se cerrar a noite. SML

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. I (Distrito de Portalegre)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

KEIL, Luís

Título

Elementos para um diccionário de geographia e história portugueza: concelho d'Elvas e extinctos de Barbacena, Villa-Boim e Villa Fernando

Local

Elvas

Data

1891

Autor(es)

ALMADA, Victorino de