Saltar para o conteúdo principal da página

Anta de Fonte Coberta - detalhe

Designação

Designação

Anta de Fonte Coberta

Outras Designações / Pesquisas

Anta da Fonte Coberta (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Anta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Alijó / Vila Chã

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificada logo em 1910 como "Monumento Nacional", a "Anta de Fonte Coberta" ergue-se de modo relativamente isolado no Planalto da Chã, nas imediações de um pinhal, e pertence ao grupo dos denominados "dólmens de vestíbulo" ou "dólmens de corredor de tipo vestibular", bastante raros nesta zona do país, contrariamente ao que sucede nalgumas regiões do Sul, a exemplo de Reguengos de Monsaraz.
Explorada ainda em finais do século dezanove por Henrique Botelho , parece ter sido somente em 1938 que foi objecto de um estudo mais sistemático, através de escavação dirigida pelo geólogo João Manuel Cotelo Neiva.
Monumento megalítico de consideráveis dimensões, chegaram até aos nossos dias todos os sete esteios que compunham primitivamente a respectiva câmara sepulcral de planta poligonal, embora um deles se encontre actualmente tombado no exterior do dólmen. Além destas componentes estruturantes, remanesce a laje de cobertura - ou "chapéu" - da câmara, com uma dimensão aproximada de três e meio por dois metros, bem como duas lajes cravadas e derrubadas que parecem formar um pequeno corredor ou vestíbulo. Quanto à mamoa - ou tumulus - original, foram identificados alguns vestígios no lado Sul do monumento.
Apesar das boas condições de conservação em que, na generalidade, o monumento permaneceu até à actualidade, o maior destaque passará pela presença de um conjunto de gravuras insculpidas na superfície de alguns esteios, que evidencia uma gramática decorativa assaz característica do universo simbólico desta tipologia arqueológica, como serão as "covinhas" e os "sulcos", sendo que, na superfície interna de um dos esteios gravados - o terceiro do lado esquerdo da entrada da câmara - foram de igual modo pintados traços de cor vermelha a uma altura apreciável do solo. Entretanto, as prospecções efectuadas nos últimos tempos permitiriam identificar algumas rochas com gravuras localizadas nas suas imediações.
O monumento foi recentemente sujeito a uma intervenção de conservação e restauro, graças à qual foi possível reconstituir parte da mamoa e recolocar alguns esteios.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Megalitismo do Norte de Portugal: Distrito do Porto - Os Monumentos e a sua problemática no contexto europeu

Local

Porto

Data

1982

Autor(es)

JORGE, Vítor de Oliveira

Título

O dólmen da Fonte Coberta (na Chã de Alijó), Boletim da Associação da Filosofia Natural

Local

Porto

Data

1938

Autor(es)

NEIVA, J. M. Cotelo

Título

Antas e castros do concelho de Alijó, O Archeologo Português

Local

Lisboa

Data

1996

Autor(es)

BOTELHO, Henrique

Título

Levantamento Arqueológico do Concelho de Alijó

Local

Porto

Data

1996

Autor(es)

PAIVA, Sérgio Joaquim Ferreira

Título

II - Estudos Sectoriais B - Património, Plano Director Municipal de Alijó

Local

Alijó

Data

1993

Autor(es)

VV. A. A.

Título

PROZED. Plano Regional de Ordenamento da Zona Envolvente do Douro

Local

Porto

Data

1990

Autor(es)

TEIXEIRA, Ricardo Jorge Coelho Marques Abrantes, AMARAL, Paulo, RODRIGUES, Miguel Carlos Lopes Brandão Areosa