Saltar para o conteúdo principal da página

Mamoa do Taio / Anta das Castanheiras - detalhe

Designação

Designação

Mamoa do Taio / Anta das Castanheiras

Outras Designações / Pesquisas

Mamoa do Taio / Anta das Castanheiras(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Mamoa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Paços de Ferreira / Frazão Arreigada

Endereço / Local

- -
Bitarães

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma) , alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Amplamente conhecido pelas inúmeras estações arqueológicas que atestam uma ocupação humana desde a mais alta antiguidade, o território correspondente, na actualidade, ao município de Paços de Ferreira encerra alguns testemunhos do ritual funerário megalítico, que exerceram desde sempre uma enorme influência sobre o imaginário popular, configurando-se as mais díspares teorias em torno da sua simbologia, fruição e pertença.
Os monumentos megalíticos constituíram, porém, uma das tipologias arqueológicas que mais concentraram o interesse de antiquários e homens dedicados ao estudo do passado, no sentido mais abrangente do termo, motivando a realização de inventários específicos, legislação especial e uma atenção redobrada sempre que a independência das fronteiras políticas europeias contemporâneas pareciam ameaçadas e as especificidades regionais e/ou locais eram olvidadas ou matizadas no âmbito de processos de unificação e reunificação.
Embora destituído de um vasto conjunto de problemáticas geopolíticas que assolou o continente europeu ao longo da segunda metade do século XIX, a verdade é que Portugal, ou melhor, os círculos intelectuais nacionais dificilmente permaneceriam indiferentes face a uma tendência que assumia proporções generalistas e crescentes.
E se podemos encontrar alguns dos nomes mais relevantes dos pioneiros dos estudos megalíticos em Portugal junto a instituições consagradas à cultura, como a Commissão dos Serviços Geológicos, a Real Associação dos Architectos Civis e Archeologos Portugueses e a Sociedade Martins Sarmentos, esta última sediada em Guimarães, para citarmos apenas estas (Cf. MARTINS, A. C., 2005), eles dificilmente passariam despercebidos a José Leite de Vasconcellos (1858-1941), director do "Museu Etnológico Português" e figura de referência das investigações desenvolvidas no nosso meio sobre o passado do território português.
A ele se deve, justamente, a investigação de exemplares megalíticos do actual termo de Paços de Ferreira (Cf. VASCONCELLOS, J. de L. de, 1910), sobretudo numa altura em que se revestiam de outra importância, graças à publicação, em 1910, do primeiro decreto português de classificação de estruturas antigas como "monumento nacional", incluindo, justamente, testemunhos desta singular tipologia funerária.
Mas apesar das dimensões consideráveis que ostenta, a mamoa - ou tumulus -, destinada a cobrir na totalidade o monumento na sua origem, a "Mamoa do Taio" apresenta uma enorme cratera decorrente de violação antiga, a mesma que terá originado o desaparecimento da primitiva estrutura sepulcral, ou seja, da respectiva câmara funerária formada por diversos esteios, certamente reforçado por um caminho que a rasgou parcialmente, remanescendo apenas um machado de pedra polida e um exemplar cerâmico como partes de um todo que seria a anta (designação pela qual são mais conhecidos, entre nós, os dólmenes) primeva.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Aquisições do Museu Etnológico Português (1913), O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1913

Autor(es)

LOPES, Coelho

Título

Coisas Velhas, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1917

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

A Associação dos Arqueólogos Portugueses na senda da salvaguarda patrimonial. Cem anos de transformação (1863-1963). Texto policopiado. Tese de Doutoramento em Letras.

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

MARTINS, Ana Cristina