Saltar para o conteúdo principal da página

Portais da extinta igreja e convento de Santa Ana - detalhe

Designação

Designação

Portais da extinta igreja e convento de Santa Ana

Outras Designações / Pesquisas

Portais da antiga Igreja e Convento de Santa Ana / Paço Episcopal de Coimbra / Museu Nacional Machado de Castro (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Portal

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)

Endereço / Local

Largo Dr. José Rodrigues
Coimbra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 18-02-2010 do director do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC do Centro
Parecer de 20-01-2010 do Conselho Consultivo a propor que seja apresentada nova proposta
Proposta de 9-11-2009 da DRC do Centro para a ZEP dos imóveis classificados e em vias de classificação do Centro Histórico de Coimbra

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O primitivo convento das eremitas de Santo Agostinho de Santa Ana, conhecido por Celas da Ponte, foi fundado no último quartel do século XII (GONÇALVES, CORREIA, 1947). No entanto, o açoreamento do Mondego implicou o abandono deste edifício e a mudança das freiras para uma quinta situada em São Martinho, doada pelo bispo-conde D. João Soares em 1561. A primeira pedra do novo mosteiro foi lançada a 23 de Junho de 1600, estando o edifício concluído em 1610, ano em que as freiras passaram a habitar as suas novas instalações, conforme refere a inscrição patente num dos portais da igreja.
Estes são contemporâneos da construção conventual do início do século XVII, denunciando características maneiristas que, segundo Pedro Dias, se inspiram em modelos renascentistas locais, patentes na linguagem decorativa e na desproporção evidente (DIAS, 1988).
Já no século XIX e em consequência da Extinção dos Conventos, as religiosas do Real Colégio Ursulino das Chagas instalam-se em Santa Ana, coexistindo as duas comunidades. Em Dezembro de 1851 as freiras são integradas no Colégio de São José dos Marianos, e o edifício abandonado acaba por ser adaptado a quartel militar do regimento de infantaria 12 no decorrer da primeira década do século XX. Nesta época o túmulo do Bispo Conde D. Duarte de Castelo Branco, que foi padroeiro do convento, transferiu-se para o claustro da Sé Velha. Na mesma época deverão ter sido levados também os portais da igreja e portaria para o Museu Machado de Castro e posteriomente aplicados na igreja de São João de Almedina, onde ainda se encontram.
O portal principal do convento foi colocado na entrada para o actual museu. O seu nicho, agora vazio, exibia uma imagem das Santas Mães do século XIV (que actualmente integra do acervo do museu), em que se destacava Santa Ana, a quem o convento era dedicado. O segundo portal, que é hoje a entrada lateral do museu, conserva as esculturas originais.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

A igreja de Oiã e o espólio do convento de Santa Ana de Coimbra, Munda - Revista do Grupo de Arqueologia e Arte do Centro

Local

Coimbra

Data

-

Autor(es)

NUNES, Mário

Título

Coimbra, Arte e História

Local

Coimbra

Data

1988

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura