Saltar para o conteúdo principal da página

Muralha de Melgaço - detalhe

Designação

Designação

Muralha de Melgaço

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Melgaço e muralha / Castelo e cerca urbana de Melgaço (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Muralha

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Melgaço / Vila e Roussas

Endereço / Local

-- -
Melgaço

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 11 454, DG, I Série n.º 35, de 19-02-1926 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O perímetro amuralhado que envolve o núcleo urbano mais antigo de Melgaço, e que se ligava ao castelo através de duas torres quadrangulares, é uma obra do século XIII, construída na mesma altura em que o velho castelo românico da vila foi objecto de uma reforma quase integral. A primeira referência a esta cerca data de 1245, ano em que as autoridades (o alcaide, muito provavelmente com o apoio de D. Afonso III e dos principais mosteiros da região) decidiram cercar a vila com uma muralha de "pedras quadradas" (ALMEIDA, 1987, p.178).
Os trabalhos ter-se-ão desenrolado com relativa rapidez, uma vez que, menos de vinte anos depois, em 1263, uma epígrafe assinala, muito provavelmente, a conclusão da empreitada. Localizada no troço ocidental da fortaleza, junto da porta principal (a que ligava o conjunto ao rio e às estradas para as principais povoações do Noroeste), ela indica que, no tempo de D. Afonso III, o mestre Fernando construiu o muro e que o alcaide do castelo, Martinho Gonçalves, custeou parte das obras. Esta informação é uma das mais importantes que o castelo de Melgaço nos deixou, na medida em que perpetuou o nome de um dos poucos arquitectos da nossa história militar medieval, cuja obra foi de tal forma relevante que o seu autor figurou ao lado do alcaide que a custeou.
De um ponto de vista planimétrico, a muralha duocentista de Melgaço não difere dos esquemas urbanísticos das vilas fortificadas góticas nacionais, apesar de grande parte ter sido já desmantelada, em consequência das obras públicas e privadas que se sucederam neste espaço. Uma planta arredondada, a caminhar para a forma oval, define o reduto, cuja linearidade era interrompida por torres e por portas, em número infelizmente desconhecido. Em 1506, Duarte d'Armas desenhou a fortaleza com três torres e duas portas, mas poderá não ter sido essa a solução original. Ainda se conserva a porta que ligava o castelo ao núcleo urbano, uma estrutura de vão único de perfil quebrado, aparentemente sem torres a ladeá-la, que era protegida por um segundo registo com balcão (de tipo matacães), em posição vertical sobre o portal.
A "raridade de cubelos e a exiguidade dos balcões, apoiados em mísulas, denotam-nos ainda uma relativa elementaridade" do sistema (IDEM, p.178), edificado num momento de transição da nossa arte da guerra, entre as concepções românicas já desajustadas à realidade e a constituição de um novo modelo funcional, determinado por conceitos de defesa activa, que esteve na base do aparecimento do castelo gótico.
O urbanismo intra-muralhas, pelo contrário, pode já considerar-se característico da racionalidade tardo-medieval. Ele era organizado a partir de um eixo viário fundamental - a Rua Direita - que colocava em comunicação directa as duas mais importantes portas da vila: a oriental, junto da qual se localizava a igreja Matriz, e a ocidental, voltada ao rio e principal entrada e saída do conjunto (IDEM, p.178). Paralelas a esta, duas outras ruas estabeleciam uma rede ortogonal com uma série de travessas e de ruas menores que cortavam perpendicularmente a Rua Direita e formavam terrenos rectangulares para construção de habitações.
Na Baixa Idade Média, Melgaço foi dotada de uma barbacã, que nos inícios do século XVI estava já muito destruída, mas de que se conservam ainda vestígios diante da porta principal. Parcialmente restaurado na década de 60 do século XX, numa campanha que não desvirtuou excessivamente o conjunto, o núcleo histórico da vila tem vindo a ser objecto de alguns projectos de valorização. A torre de menagem foi aproveitada para núcleo expositivo e algumas intervenções arqueológicas - em particular a que foi realizada na Praça da República - vieram pôr a descoberto importantes trechos da estrutura gótica, que nos permite, hoje, reconstituir, em traços gerais, o traçado original.
PAF

Bibliografia

Título

O Minho Pittoresco

Local

Lisboa

Data

1887

Autor(es)

VIEIRA, José Augusto

Título

A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal

Local

Barcelos

Data

1969

Autor(es)

PERES, Damião

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Epigrafia medieval portuguesa (862-1422)

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Castelos do Distrito de Viana

Local

Coimbra

Data

1926

Autor(es)

GUERRA, Luís Figueiredo da

Título

Melgaço. Sentinela do Alto Minho

Local

Melgaço

Data

1957

Autor(es)

ESTEVES, Augusto César

Título

A fortaleza de Melgaço, pedras e património

Local

Melgaço

Data

1987

Autor(es)

SILVA, Armando Malheiro da

Título

O VI centenário da tomada do castelo de Melgaço: historial, textos e entrevistas das comemorações

Local

Melgaço

Data

1991

Autor(es)

-

Título

Melgaço de ontem e de hoje

Local

Braga

Data

1993

Autor(es)

ROCHA, J. Marques

Título

Melgaço medieval

Local

Melgaço

Data

1975

Autor(es)

PINTOR, Manuel Bernardo

Título

Os forais de Melgaço

Local

Melgaço

Data

2003

Autor(es)

-

Título

Melgaço 2000. Roteiro

Local

Braga

Data

2000

Autor(es)

VAZ, A. Luís, VAZ, Carlos Nuno

Título

O sistema defensivo da Vila de Melgaço: dos castelos da reconquista ao sistema abaluartado

Local

Melgaço

Data

2002

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Brochado de

Título

O património cultural do Alto Minho (civil e eclesiástico). Sua defesa e protecção, Caminiana, ano IX, nº14, pp.9-80

Local

Caminha

Data

1987

Autor(es)

ALVES, Lourenço