Saltar para o conteúdo principal da página

Gruta em Nossa Senhora da Luz - detalhe

Designação

Designação

Gruta em Nossa Senhora da Luz

Outras Designações / Pesquisas

Gruta em Nossa Senhora da Luz (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Gruta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Rio Maior / Rio Maior

Endereço / Local

Quinta da Senhora da Luz, na EN 1, 114, a NNE de Rio Maior, na Est. que faz ligação com a EN 362
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 23 743, DG, I Série, n.º 80, de 6-04-1934 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Numa altura em que exercia o cargo de director do, então já, "Museu Etnológico do Dr. Leite de Vasconcelos", Manuel Heleno, explorou várias estações arqueológicas de Rio Maior, região particularmente abundante em arqueossítios, mercê das condições naturais que desde cedo propiciaram a sua procura por parte de comunidades humanas (Cf. BARBOSA, F., BARBOSA, F. B., PAÇO, A. do e SOUSA, J. do N., 1959). O local era, no entanto, já conhecido, como comprova o facto de ter sido alvo de classificação, como "Monumento Nacional", em 1934 (Cf. CARDOZO, M., 1941).
De entre estes sítios, destaca-se a necrópole neolítica e calcolítica acompanhada de um conjunto significativo de espólio funerário associado, conhecida pela designação de "Gruta em Nossa Senhora da Luz", rasgada em calcários do Jurássico médio, inicialmente explorada entre 1935 e 1936, à qual se associaram posteriores campanhas decorrentes até 1942, tendo o abundante espólio recolhido à época sido conduzido para o actual "Museu Nacional de Arqueologia" (CARDOSO, J. L., CARREIRA, I. M. da C. e CARREIRA, M. I. M., 1996, p. 195; Cf. FERREIRA, O. da V., 1970), caracterizando a sua ocupação ocorrida ao longo de quatro fases: Neolítico antigo, Neolítico final, Calcolítico pré-campaniforme e campaniforme.
Do vastíssimo conjunto de artefactos então exumados, constam diversos exemplares de indústria lítica, como machados, enxós e escopros, no que se refere aos utensílios de pedra polida, assim como trapézios, crescentes, triângulos e lamelas, no respeitante a indústrias microlíticas de pedra lascada, abundando, ainda, exemplares de furadores, pontas de seta, de par com testemunhos, entre outros, de alabardas e punhais. Quanto às indústrias ósseas, elas encontram-se de igual modo bem representadas, nomeadamente através de furadores e pontas, bem como objectos de adorno executados em osso e concha.
Integráveis no denominado "universo de carácter mágico-simbólico", consta um exemplar liso de cilindro de calcário, "[...] idêntico aos numerosos cilindros exumados em povoados e necrópoles da Estremadura e do Sul de Portugal." (Id., Idem, p. 236). Acresce a este artefacto um machado votivo e dois vasos de calcário, estes últimos a corporalizar, na opinião de alguns autores, "[...] a adaptação ao calcário - matéria-prima usualmente conotada com o fabrico de artefactos mágico-simbólicos no Calcolítico - de formas pré-existentes [...]." (Ibid.).
No que se refere à cerâmica, normalmente sempre mais representada nas estações arqueológicas, em razão da sua natureza e da frequência com a qual era produzida e utilizada no quotidiano das comunidades que dela fruíam, a necrópole forneceu fragmentos de diferentes tipologias lisas, como esféricos, taças em calote e carenadas, conjuntamente a exemplares decorados neolíticos, calcolíticos e balizados já na Idade do Bronze (Id., Idem, pp. 238-246).
[AMartins]

Bibliografia

Título

Tipos de punhal lítico da colecção dos Serviços Geológicos de Portugal, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1957

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga

Título

Alguns objectos inéditos, bastante raros, da colecção do professor Manuel Heleno, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1970

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga

Título

Jóias pré-romanas, Ethnos

Local

Lisboa

Data

1935

Autor(es)

HELENO, Manuel

Título

Breves palavras sobre Arqueologia do Concelho de Rio Maior, Revista de Guimarães, vol. LXXXVIII, pp.389-399

Local

Guimarães

Data

1979

Autor(es)

ALMEIDA, Fernando de

Título

A Gruta Pré-histórica de Alcobertas

Local

Coimbra

Data

1971

Autor(es)

SANTOS, Maria Cristina

Título

Notas arqueológicas da região de Alcobertas, Actas e Memórias do I Congresso Nacional de Arqueologia, pp.281-292

Local

Lisboa

Data

1959

Autor(es)

PAÇO, Manuel Afonso do, SOUSA, José do Nascimento e, BARBOSA, Francisco, BARBOSA, Francisco Bergstrom

Título

Rio Maior, estudo da Vila e seu Concelho

Local

Rio Maior

Data

1951

Autor(es)

DUARTE, Fernando

Título

As Grutas da Senhora da Luz têm grande calor antropológico e arqueológico, Concelho de Rio Maior

Local

Rio Maior

Data

1936

Autor(es)

Anónimo

Título

Subsídios para a História do Museu Etnológico do Dr. Leite de Vasconcellos, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1964

Autor(es)

MACHADO, João Luís Saavedra

Título

Monumentos Nacionais. Seu arrolamento, classificação e protecção, especialmente na parte que se refere a arqueologia, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1941

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

O espólio arqueológico das grutas naturais da Senhora da Luz (Rio Maior), Estudos Arqueológicos de Oeiras

Local

Oeiras

Data

1996

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga, CARREIRA, Júlio Roque, CARDOSO, João Luís