Saltar para o conteúdo principal da página

Fragas de Panóias / Santuário de Panóias - detalhe

Designação

Designação

Fragas de Panóias / Santuário de Panóias

Outras Designações / Pesquisas

Fragas de Panóias / Santuário de Panóias (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Santuário

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Vila Real / Constantim e Vale de Nogueiras

Endereço / Local

Lugar do Assento
Vale de Nogueiras

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Declaração de retificação n.º 208/2016, DR, 2.ª série, n.º 39, de 25-02-2016 (retificou a freguesia e o distrito no texto e a freguesia na planta) (ver Declaração)
Anúncio n.º 69/2016, DR, 2.ª série, n.º 29, de 11-02-2016 (ver Anúncio)
Despacho de 5-01-2016 do diretor-geral da DGPC a determinar a abertura do procedimento de ampliação da classificação como MN e de redenominação para Santuário de Panóias
Proposta de 26-10-2015 da DRC do Norte para a ampliação da classificação como MN e de redenominação para Santuário de Panóias
Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 5-01-2016 do diretor-geral da DGPC a determinar a suspensão do procedimento de revisão da ZEP, atendendo ao despacho da mesma data que determinou a ampliação da classificação existente
Nova proposta de 26-10-2015 da DRC do NorteAnúncio n.º 2669/2012, DR, 2.ª série, n.º 28, de 8-02-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 26-10-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de alteração de 20-01-2009 da DRC do Norte
Portaria de 13-07-1951, publicada no DG, II Série, n.º 189, de 16-08-1951 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 13-07-1951, publicada no DG, II Série, n.º 189, de 16-08-1951

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Santuário de Panóias, durante muitos anos denominado Fragas de Panóias, foi alvo de variados estudos desde o séc. XVIII até aos nossos dias, por parte de investigadores nacionais e estrangeiros. Cabe aqui referir A. Gonçalves de Aguiar (1721), J. Contador de Argote (1732/34), F. F. Pereira (1836), Alexandre Herculano (1839), E. Hubner (1869/92), G. Pereira (1895), J. Leite de Vasconcelos (1888/97), Félix Alves Pereira (1906), F. Russell Cortez (1947), S. Lambrino (1953), A. Garcia y Bellido (1955), e, mais recentemente, J. Alarcão (1976), A. Tranoy (1981),), Armando Coelho F. Silva (1986), J. R. dos Santos Júnior (1989), T. Hauschild (1995), Géza Alföldy (1997) e A. R. Colmenero (1999).
É constituído por um recinto onde se encontram três (entre outras) grandes fragas onde foram talhadas várias cavidades, de diversos tamanhos, bem como escadas de acesso. Numa das rochas foram também gravadas inscrições. Uma das inscrições, embora existisse ainda no séc. passado, foi destruída, no entanto, além da sua leitura, sabemos onde estava localizada. Existem hoje três inscrições em latim e uma em grego, e nelas estão as instruções dos rituais celebrados em Panóias, a identificação dos deuses e a do dedicante. Podem traduzir-se da seguinte maneira:
"G.C. Calpurnius Rufinus consagrou dentro do templo (templo entendido como recinto sagrado), uma aedes, um santuário, dedicado aos Deuses Severos"
"Aos Deuses e Deusas e também a todas as divindades dos Lapitaes, Gaius C. Calpurnius Rufinus, membro da ordem senatorial, consagrou com este recinto sagrado para sempre uma cavidade, na qual se queimam as vítimas segundo o rito."
"Ao altíssimo Serápis, com o Destino e os Mistérios, G. C. Calpurnius Rufinus, claríssimo." "Aos deuses, G. C. Calpurnius Rufinus, claríssimo, com este (templo) oferece também uma cavidade para se proceder à mistura." Com base nos estudos sobre o monumento, podemos hoje dizer que tivemos no local um ritual de iniciação com uma ordem e um itinerário muito precisos - a matança das vítimas, o sacrifício do sangue, a incineração das vítimas, o consumo da carne, a revelação do nome da autoridade máxima dos infernos, e por fim a purificação.
Hoje em qualquer das três rochas temos vestígios dos pequenos templos que eram parte integrante do recinto. Restam também as diferentes cavidades rectangulares que serviam para queimar as vísceras, uma cavidade redonda-gastra, para assar a carne, e ainda uma outra onde se procedia à limpeza do sangue, gordura e azeite. Outras cavidades estavam relacionadas com os pequenos templos existentes, e destinar-se-iam a guardar os instrumentos sagrados usados nos rituais.
Temos portanto em Panóias testemunhos de um rito de iniciação dos mistérios das divindades infernais. As prescrições identificam-se como partes de uma lei sagrada, mas aplicadas a um local concreto e preciso. A escolha deste local não foi portanto feita ao acaso, mas sim fruto de critérios específicos e previamente estabelecidos. A topografia do local desempenhou aqui um importante papel.
C. G. Calpurnius Rufinus, senador, que introduziu este culto em Panóias, onde já haveria um culto indígena, deve ter sido um alto funcionário do governo provincial romano. A sua língua original foi o grego, mas na inscrição o uso da palavra "mystaria" em vez de "mysteria" demonstra o uso de um dialecto dórico ou pseudo-dórico. Os dados sobre a sua origem permitem supor com grande probabilidade que sejam Perge de Panfilia, cidade de tradição dórica e um dos centros do culto de Serápis, e situada na Ásia Menor. A sua presença nesta região não deverá ser alheia à exploração de ouro efectuada em Três Minas e Jales (Vila Pouca de Aguiar).
A construção deste recinto sagrado teria sido realizada neste local entre os finais do Séc. II e os inícios do Séc. III.
[OSousa]

Imagens

Bibliografia

Título

Coisas Velhas, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1917

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

Circulação Monetária no Noroeste de Hispânia até 192

Local

Porto

Data

1987

Autor(es)

CENTENO, Rui Manuel Sobral

Título

A Cultura Castreja no Noroeste de Portugal

Local

Paços de Ferreira

Data

1986

Autor(es)

SILVA, Armando Coelho Ferreira da

Título

Roman Portugal

Local

Warminster

Data

1988

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

Apontamentos arqueológicos

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

LOPO, Albino dos Santos Pereira

Título

Panóias

Local

Vila Real

Data

2005

Autor(es)

OLIVEIRA, Alberto de Souza

Título

Roteiro arqueológico e artístico do Concelho de Vila Real, Juventude com História

Local

Vila Real

Data

1999

Autor(es)

PARENTE, João Ribeiro

Título

Aqvae Flaviae I. Fontes Epigráficas da Gallaecia Meridional Interior

Local

Chaves

Data

1997

Autor(es)

RODRÍGUEZ COLMENERO, António, AIRES, Firmino, ALCORTA, Enrique

Título

Corpus-Catalogo de inscripciones rupestres de epoca romana del cuadrante Noroccidental de la Peninsula Iberica

Local

Coruña

Data

1993

Autor(es)

RODRÍGUEZ COLMENERO, António

Título

Catálogo do Museu de Arqueologia da Sociedade Martins Sarmento: secção de epigrafia latina e de escultura antiga

Local

Guimarães

Data

1985

Autor(es)

CARDOZO, Mário

Título

Catalogo do Museu Archeologico, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1901

Autor(es)

GUIMARÃES, A. Oliveira

Título

La Galice romaine: recherches sur le nord-ouest de la penínsule ibérique dans l'Antiquité

Local

Paris

Data

1981

Autor(es)

TRANOY, Alain

Título

II. Inscriptiones Hispaniae Latinae, CIL Corpus Inscriptionum Latinarum

Local

Berlin

Data

1869

Autor(es)

HUBNER, Emil

Título

Les divinités orientales en Lusitanie et le sanctuaire de Panóias, Bulletin des Études Portugaises et de l'Institut Français au Portugal

Local

Coimbra

Data

1953

Autor(es)

LAMBRINO, Scarlat

Título

Cividade dos Lapiteas. Subsídios para o estudo dos cultos orientais e da vida provincial romana na região do Douro, Anais do Instituto do Vinho do Porto

Local

Porto

Data

1947

Autor(es)

CORTEZ, Fernando Russell

Título

Breves considerações sobre o santuário romano de Panóias, Revista de Estudos Transmontanos

Local

Vila Real

Data

1993

Autor(es)

PINHO, Luís Miguel B. B. da Silva

Título

Estudos sobre Panoias, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1897

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

Memórias para a história ecclesiástica do arcebispado de Braga Primaz das Hespanhas, dedicadas a El Rey D. João

Local

Lisboa

Data

1732

Autor(es)

ARGOTE, Jerónimo Contador de