Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo de Castelo Bom - detalhe

Designação

Designação

Castelo de Castelo Bom

Outras Designações / Pesquisas

Castelo de Castelo Bom (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Almeida / Castelo Bom

Endereço / Local

-- -
Castelo Bom

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 35 443, DG, I Série, n.º 1, de 2-01-1946 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Ocupado durante a proto-história, este ponto dominante sobre o rio Côa fez parte do território disputado por Portugal e pelo reino de Leão durante os séculos XII e XIII. Neste período, Castelo Bom foi mesmo uma guarda avançada do lado leonês, contexto em que foi executada a sua primeira configuração enquanto castelo medieval. Em 1282, D. Dinis conquistou a povoação e, imediatamente, terá ordenado o reforço estrutural do seu sistema defensivo, para o que passou carta de foral. Antes do final do século, em 1297, Castelo Bom foi definitivamente incorporado no reino de Portugal e a sua importância estratégica, numa linha de fronteira ainda tensa, determinou que as obras continuassem.
Trata-se de um castelo de planta irregular, adaptado às condicionantes do terreno. A entrada no recinto faz-se através de porta de arco quebrado, defendida activamente por torre de menagem quadrangular, hoje arruinada. No sector meridional localiza-se a cisterna (conhecida localmente por Poço d'El-Rei), estrutura rectangular coberta por telhado de duas águas, com interior abobadado apoiado em dois arcos a pleno centro, ao qual se acede por porta numa das faces actualmente semi-enterrada.
Na Baixa Idade Média, ainda que escasseiem as informações, é de presumir que o sistema militar tenha sido complementado com outros dispositivos, nomeadamente uma barbacã desenhada nos inícios da época moderna por Duarte d'Armas. Estão documentados trabalhos de consolidação estrutural no reinado de D. Manuel, da responsabilidade de dois artífices biscaínhos, com obra realizada em Penamacor - mestre de obras João Ortega e pedreiro Pero Fernandes -, mas desconhece-se a amplitude dos trabalhos por si executados.
Os séculos seguintes foram marcados por uma progressiva decadência, que levou à quase completa ruína do castelo. Em 1834, o concelho de Castelo Bom foi extinto, o que precipitou o desmantelamento da própria fortaleza, sendo a sua pedra reaproveitada para construções privadas. No século XX tiveram lugar algumas intervenções pontuais de restauro, mas só em 1999, por conjugação de esforços entre a Câmara Municipal de Almeida e os proprietários, se iniciou a valorização sistemática da aldeia histórica, principiando pela construção de um miradouro.
PAF

Imagens