Saltar para o conteúdo principal da página

Anta de Cas-Freires - detalhe

Designação

Designação

Anta de Cas-Freires

Outras Designações / Pesquisas

Anta de Casfreires / Orca do Tanque / Anta de Casfreires (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Anta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Sátão / Ferreira de Aves

Endereço / Local

- - junto à povoação de Cas-freires
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Apesar das estruturas megalíticas povoarem o imaginário popular e a curiosidade de diletantes desde tempos imemoráveis, subsistindo a convicção de que os dolmens corresponderiam às necrópoles dos habitantes dos castros, a verdade é que o annus mirabilis da Arqueologia (1859) acrescentou algumas novidades, sobretudo no respeitante ao olhar sobre a antiguidade humana, remetendo-a para um período bastante anterior ao consagrado nas "Sagradas Escrituras".
Não surpreende, por isso, que a instituição, em meados da mesma centúria, no âmbito do Ministerio das Obras Publicas, Commercio e Industria (MOPCI), dos Serviços Geológicos evidenciasse, de alguma maneira, a reunião das condições imprescindíveis ao desenvolvimento da ainda incipiente ciência Arqueológica que, nas principais capitais europeias resultara entretanto na formação de sociedades, institutos e espaços museológicos que lhe eram inteiramente consagrados.
Mas apesar de ter sido essencialmente graças aos estudos geológicos que se deram, de forma concertada e sistemática, os primeiros passos no entendimento da pré-historicidade humana no actual território português, o trabalho desenvolvido pela Real Associação dos Architectos Civis e Archeologos Portuguezes (RAACAP), formada em 1863, foi decisiva para o reconhecimento definitivo da Arqueologia, nomeadamente ao inventariar testemunhos pré-históricos, a par de outros ilustrativos da diversidade histórico-artística do país.
Na verdade, acreditamos que terá residido na conjugação de dois factores essenciais a institucionalização da política patrimonial entre nós.
Referimo-nos, em concreto, à publicação, a pedido do MOPCI, da primeira lista de estruturas antigas a merecerem a classificação de monumentos nacionaes, levada a cabo, justamente, pela RAACAP. Mas também nos reportamos à realização da Expedição Scientifica à Serra da Estrella, patrocinada pela "Sociedade de Geografia de Lisboa", no início dos anos oitenta, cuja secção de Arqueologia foi atribuída ao conhecido investigador vimarenense Francisco Martins de G. M. Sarmento (1833-1899). Iniciativas que incentivaram o estudo local e regional, ao mesmo tempo que um estudioso da envergadura de José Leite de Vasconcellos (1858-1941) a percorrer, entre outras regiões, a Beira Alta, em demanda de vestígios do passado, dos quais sobressaíam, sem dúvida, os megalíticos, até pela sua utilização política, embora sem a dimensão observada noutros países.
Não estranhará, por consequência, que o registo da tipologia megalítica que mais fascinava estes homens de finais de oitocentos-princípios de novecentos fosse a dolménica, integrando-se perfeitamente nas principais directrizes de trabalho delineadas pela Commissão dos Monumentos Nacionaes, num primeiro momento, e pelo Conselho Superior dos Monumentos Nacionaes, até à reforma dos serviços monumentais decretada pela República.
Alguns dos seus testemunhos acabariam por ser, assim, incluídos na primeira grande listagem dos "monumentos nacionais", decretada em 1910, onde os vestígios arqueológicos assumiram um estatuto legal equiparável às demais construções humanas.
Foi o caso da "Anta de Cas-Freires" (ou "Orca do Tanque"), um monumento funerário com câmara funerária, de planta poligonal, com cerca de dois metros e meio de diâmetro por dois de altura, composta de nove esteios inclinados para o seu interior, seis dos quais exibiam pinturas entretanto desaparecidas, embora ainda se observem, na respectiva laje de cobertura - ou "chapéu" - vestígios do ocre então utilizado, assim como "fossetes" (covinhas), cruzes e datas gravadas, estas últimas cronologicamente bastante mais recentes.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Guia de Portugal, Beira II - Beira Baixa e Beira Alta

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

DIONÍSIO, Sant'Ana

Título

Características predominantes do grupo dolménico da Beira Alta, Ethnos

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

MOITA, Irisalva Nóbrega

Título

A consolidação do sistema agro-pastoril, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

Desenvolvimento da hierarquização social e da metalurgia, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

Roteiro Arqueológico da Região de Turismo Dão Lafões

Local

Viseu

Data

1994

Autor(es)

VAZ, João Luís da Inês, PEDRO, Ivone dos Santos da Silva, ADOLFO, Jorge

Título

Para uma carta arqueológica do Concelho de Satão

Local

Satão

Data

1991

Autor(es)

VAZ, João Luís da Inês