Saltar para o conteúdo principal da página

Mosteiro de Alcobaça, compreendendo os túmulos de D. Pedro I e de D. Inês - detalhe

Designação

Designação

Mosteiro de Alcobaça, compreendendo os túmulos de D. Pedro I e de D. Inês

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro de Alcobaça / Real Abadia de Santa Maria de Alcobaça (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Mosteiro - Itinerário de Cister

Inventário Temático

Itinerários de Cister

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Alcobaça / Alcobaça e Vestiaria

Endereço / Local

Praça 25 de Abril
Alcobaça

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)
Decreto de 10-01-1907, DG, n.º 14, de 17-01-1907 (classificou com a designação de Mosteiro de Alcobaça)

ZEP

Anúncio n.º 13672/2012, DR, 2.ª série, n.º 218, de 12-11-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de alteração de 30-11-2010 da DRCLVT
Despacho concordante de 24-01-1996 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 27-02-1995 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de alteração de 14-12-1989 do IPPAR
Portaria de 11-05-1957, publicada no DG, II Série, n.º 190, de 16-08-1957 (ZEP conjunta do Mosteiro de Alcobaça e da Capela de Nossa Senhora do Desterro)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 11-05-1957, publicada no DG, II Série, n.º 190, de 16-08-1957

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Inscrito na Lista da UNESCO

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Abadia de Alcobaça é um dos mais importantes mosteiros cistercienses medievais. Ao estatuto de monumento emblemático da Ordem durante o século XIII, a nível europeu, juntam-se os de primeira obra inteiramente gótica de Portugal e de segundo panteão da monarquia nacional, depois dos enterramentos régios de D. Afonso I e de D. Sancho I em Coimbra.
O mosteiro foi fundado em 1153 por doação do nosso primeiro monarca a Bernardo de Claraval. Alguns autores sugeriram que, imediatamente após esta data, a construção tenha arrancado, segundo uma rígida planta bernardina (muito provavelmente a de Fontenay), projecto historiograficamente conhecido como Alcobaça I (COCHERIL). A verdade, porém, é que estudos posteriores rejeitaram esta hipótese e parece hoje relativamente consensual o arranque da obra somente em 1178 (GUSMÃO, 1948).
Este estreitamento da cronologia da obra fundacional, entre 1178 e os meados do século XIII (o templo foi sagrado em 1252), está longe de corresponder a uma etapa construtiva unitária. De acordo com os mais recentes estudos, são três os momentos distintos marcados no monumento. À primeira fase pertence o "traçado geral do convento (...) e a construção da parte mais importante da cabeceira, transepto e coro dos monges" (REAL, 1998: 89). Devido a um mestre francês, formado nitidamente em Claraval (em cujo plano o monumento português se filia), a opção foi por uma cabeceira com capela-mor de duplo tramo (o segundo semi-circular), ladeada por deambulatório onde se abriam originalmente nove capelas radiantes, de planta trapezoidal com parede fundeira rectangular. Uma das suas grandes novidades foi a inclusão de arcobotantes a amparar o deambulatório, solução claramente gótica e sem paralelo, até então, no nosso país.
Quando a obra chegou ao quinto tramo do corpo, deu-se uma mudança na orientação do projecto. Entre as alterações então efectuadas, salienta-se a diferente elevação das naves, que passaram a estar quase à mesma altura, e a adopção de um repertório decorativo de tendência coimbrã nos capitéis (IDEM: 89). Finalmente, os dois últimos tramos e a fachada devem-se a um terceiro mestre, que rematou o conjunto com uma galilé e o actual portal principal, a que se sobrepunha uma fachada em empena. Tendo em conta que o corpo de D. Afonso II foi trasladado para esta galilé em 1233, é de crer que a obra estaria praticamente pronta por essa altura (IDEM: 90).
Apesar destas diferenças, o conjunto impressiona, ainda hoje, pela sensação de normalização dos elementos que o constituem, a que não foram alheias as primordiais directrizes bernardinas de austeridade e simplicidade. A opção pelos capitéis vegetalistas (quase invisíveis na massa vertical de suportes e de paredes) e o ritmo ordenado dos tramos do corpo são a marca mais evidente dessa tendência estética, tão característica dos cistercienses, a que não falta uma sugestão militar transmitida pelo coroamento contínuo de merlões (PEREIRA, 1995: 351).
Nas primeiras décadas do século XIV, construiu-se o claustro, ao que tudo indica com o patrocínio de D. Dinis. Ele foi executado pelo arquitecto Domingos Domingues, cujo nome consta de uma lápide in situ. Artisticamente, é uma obra que denota "hesitações de programa e encurtamentos" (PEREIRA, 1995: 378), mas cujos capitéis, tematicamente muito variados e de assinalável qualidade técnica, nada têm já de românico. Deverá ter existido, todavia, um primeiro projecto, de que restam alguns vestígios (ALMEIDA e BARROCA, 2002: 40-41)
Ao longo dos séculos seguintes, foram muitas as obras e transformações no mosteiro. Como principal panteão régio da primeira dinastia, aqui se fizeram sepultar D. Pedro e D. Inês de Castro, em dois túmulos de qualidade ímpar a nível europeu. Na época manuelina, registaram-se novas obras, como o átrio da sacristia e o seu decorado portal e, no Barroco, novas realizações de actualização estética. Já neo-gótica é a sala dos túmulos, aberta para o braço Sul do transepto.
PAF

Outras Descrições

Claustros, jardins e cerca

Tipo

Enquadramento Arquitectónico, Urbano e Paisagístico

Descrição

Jardins e cerca
O mosteiro localiza-se na confluência do Alcoa e do Baça. Compreendia o conjunto edificado e a cerca de terras férteis, suportados por um complexo sistema hidráulico.
Integra cinco claustros. O de D. Dinis ou do Silêncio, marcado pelo corpo do lavabo, foi objeto de intervenção recente. Alterou-se a quadra de 900m2, que integrava canteiros quadrangulares de buxo, laranjeiras e tanque central. O jardim do claustro do Cardeal ou dos Noviços, de 2400m2, distribui-se por duas plataformas retangulares desniveladas, distintas pelo muro balaustrado e unidas por escadarias. É atravessado pela levada, derivação do rio Alcoa, cruzada por ponte e marginada por quatro grandes canteiros retangulares, esquartelados e centrados por tanques elípticos de cantaria. O do Rachadouro encerra o terreiro quadrado de 3600m2, contornado por amoreiras (Morus nigra L.). Os pequenos claustros da Portaria e da Hospedaria são apenas pavimentados.
Na cerca subsistem reminiscências agrícolas e dos jardins das Murtas e do Obelisco. O primeiro enquadra a capela de Nossa Senhora do Desterro, a que se ascende por escada ladeada por grutas que rompem o muro azulejado. Desta, desce-se por escadaria dupla ao segundo jardim, obra notável oblíqua à fachada da biblioteca, centrada pelo grande tanque elíptico e respetivo obelisco, também de cantaria calcária, que debitava água por quatro carrancas. Inclui fontanários e outros elementos relevantes. Nestes jardins de feição barroca, contíguos mas conceptualmente autónomos, regrava a simetria.
História
A fundação remonta a 1153 assumindo-se a construção por 1178. Foi sucedida por várias campanhas. Entre 1308-11 levantou-se o claustro gótico de D. Dinis sobre anterior, alterado por João de Castilho a instâncias de D. Manuel I. Seguiram-se obras na cerca. Avaliações de 1527 referem os claustros primeiro e segundo. Em 1550, decorrendo novas obras, questionou o prudente Cardeal D. Henrique se "era necessário mudarse o Rio para outra parte, ou metello por dentro" do mosteiro. Sucedem-se os claustros da Hospedaria (1656-67) e do Rachadouro (concl. c.1755) e registam-se eventos críticos, a cheia de 1772 e obras sequentes. No séc. XVIII construiu-se o jardim das Murtas. Frei Manuel de Figueiredo registou a visita de D. Maria I em 1786, que no Jardim do Obelisco, viu "o lago do meyo da horta e ahy esteve muito tempo assentada", onde Murphy viria a admirar estátuas de topiária. Seguiram-se vicissitudes: as tropas napoleónicas incendeiam o edifício (1811); os monjes abandonam a casa (1833); as ordens são extintas (1834); desagrega-se o conjunto, incorpora-se o Jardim do Obelisco e parte do Rachadouro no Ministério da Guerra (1836); derruba-se parte da cerca (1839).
Em 1885, Manuel Natividade descreve o jardim das Murtas que "era sobre todos o jardim mais artístico do mosteiro. Ornado de grutas, de bons mármores, dividia-se em dois planos: o primeiro, sahindo da sachristia, era ricamente arborizado, notando-se especialmente três cedros plantados". Descreve, ainda, o jardim reconhecido por "um soberbo obelisco, com um formoso lago, rodeado de estatuas mythologicas colocado ao meyo do jardim¿ formado por longas alamedas de chorões, accacias, cedros e aylanthos, elevados sobre uma longa toalha de verdura e flores, e embellezadas por estatuetas".
No séc. XX a DGEMN intervém nos claustros de D. Dinis (1920-1950) e respetivo jardim, do Cardeal e do Rachadouro (1949 e 1957), então em ruínas. O IPPC e IPPAR seguem os esforços de unificação da cerca, intervencionada tal como a levada nos finais deste século. De 2002 a 2006 intervém-se no rossio fronteiro, projeto dos arquitetos Gonçalo Byrne e João Pedro Falcão de Campos. Em 2010, o jardim do claustro de D. Dinis é reformulado pela arquiteta paisagista Elisabete Barreiros Ferreira e pelo arquiteto João Seabra Gomes.
Rita Basto (estágio curricular AP), Mário Fortes e Teresa Portela Marques (orientadores de estágio)
DGPC,

Imagens

Bibliografia

Título

O Panteão Régio do Mosteiro de Alcobaça

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

VIEIRA da SILVA, José Custódio

Título

Portugal roman, vol. I

Local

-

Data

1986

Autor(es)

GRAF, Gerhard N.

Título

Domingos Domingues, arquitecto régio do século XIV, Mundo da Arte, nº5

Local

Coimbra

Data

1982

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

História da Arte em Portugal - O Românico

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

A Obra Silvestre e a Esfera do Rei

Local

Coimbra

Data

1990

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

História da Arte em Portugal

Local

Porto

Data

1942

Autor(es)

LACERDA, Aarão de

Título

Integração dos Monumentos de Leiria, Batalha e Alcobaça nas correntes artísticas do seu tempo, Estudos, separata

Local

Coimbra

Data

1951

Autor(es)

GONÇALVES, Flávio

Título

História da Arte em Portugal - o Gótico

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, BARROCA, Mário Jorge

Título

O descanso eterno. A tumulária, História da Arte Portuguesa, vol.1, pp.435-455

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

MACEDO, Francisco Pato de

Título

O mundo românico (séculos XI-XIII), História da Arte Portuguesa, vol.1, Lisboa, Círculo de Leitores, 1995, pp.180-331

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

A Arquitectura Gótica em Portugal

Local

Lisboa

Data

1981

Autor(es)

CHICÓ, Mário Tavares

Título

A Arquitectura (1250-1450), História da Arte Portuguesa, dir. Paulo Pereira, vol. I, pp.335-433

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

A arquitectura gótica portuguesa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

História da Arte em Portugal, vol. 3 (o Românico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

História da Arte em Portugal, vol. IV (O Gótico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Breve História de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1995

Autor(es)

VILA NOVA, Bernardo

Título

A imagem de S. Bernardo em azulejo do Mosteiro de Santa Maria de Cós, Azulejo, n.º 3/7

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

PAIS, Alexandre Nobre

Título

Pintura maneirista e barroca na região dos Coutos de Alcobaça, 1538-1750. Arte e Arquitectura nas Abadias Cistercienses nos séculos XVI, XVII e XVIII (Actas), pp. 121-144

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Alcobaça e Batalha. Recordações de uma excursão

Local

Lisboa

Data

1914

Autor(es)

BECKFORD, William

Título

Monumentos de Portugal. Alcobaça e Batalha

Local

Lisboa

Data

1927

Autor(es)

LARCHER, Jorge das Neves

Título

A construção cisterciense em Portugal durante a Idade Média, Arte de Cister em Portugal e na Galiza, catálogo de exposição, pp.43-96

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

REAL, Manuel Luís

Título

Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

FERREIRA, Maria Augusta Trindade

Título

Claustros góticos portugueses (séculos XIII a XV), Dissertação de Mestrado em História da Arte apresentada à FCSH da Universidade Nova de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

VILLAMARIZ, Catarina

Título

Subsídios para a história de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1956

Autor(es)

VILA NOVA, Bernardo

Título

Alcobaça, capitale de citeaux au Portugal, Papel das Áreas Regionais na Formação de Portugal

Local

Lisboa

Data

1975

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Santa Cruz de Coimbra e Santa Maria de Alcobaça. Um caso de rivalidade cultural?, A historiografia portuguesa anterior a Herculano, pp.87-101

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Mosteiro e coutos de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1960

Autor(es)

NATIVIDADE, M. Vieira

Título

William Beckford et la cuisine d'Alcobaça, Museu, 2ª sér., nº2

Local

Porto

Data

1961

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Mais subsídios para a História de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1960

Autor(es)

VILA NOVA, Bernardo

Título

Vitrais de Santa Maria de Alcobaça, Belas Artes, 2ª sér., nº15

Local

Lisboa

Data

1960

Autor(es)

GUSMÃO, Artur Nobre de

Título

Os túmulos de Alcobaça e os artistas de Coimbra

Local

Coimbra

Data

1944

Autor(es)

ALMEIDA, Lourenço Chaves de

Título

Problemas de alteração e conservação do conjunto em terracota da morte de São Bernardo no mosteiro de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1974

Autor(es)

-

Título

A roda da fortuna / roda da vida do túmulo de D. Pedro, em Alcobaça, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2ª sér., vol. 8, pp.255-263

Local

Porto

Data

1991

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

A real abadia de Alcobaça (1948), 2ªed

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

GUSMÃO, Artur Nobre de

Título

Os túmulos de Alcobaça, Ocidente, separata

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

MACEDO, Diogo

Título

Alcobaça monumental, histórica e turística

Local

Alcobaça

Data

1940

Autor(es)

ALVES, Fernando António

Título

Alcobaça. Estudo historico-archeologico e artistico da Real Abbadia de Santa Maria de Alcobaça

Local

Porto

Data

1929

Autor(es)

KORRODI, Ernesto

Título

Guia de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1926

Autor(es)

VILA NOVA, Bernardo

Título

Descrição do Real Mosteiro de Alcobaça

Local

Alcobaça

Data

1979

Autor(es)

SANTOS, Manuel dos, NASCIMENTO, Augusto Aires

Título

O mosteiro de Alcobaça. Notas historicas

Local

Coimbra

Data

1885

Autor(es)

NATIVIDADE, M. Vieira

Título

Os túmulos de D. Pedro I e de D. Inês de Castro no mosteiro de Alcobaça: história dos infelizes amores destes inditosos príncipes

Local

Horta

Data

1938

Autor(es)

SOUSA, Maria das Dores Pereira de

Título

Museu de Alcobaça

Local

Sintra

Data

1995

Autor(es)

FERREIRA, Maria Augusta Trindade

Título

Abadias cistercienses portuguesas, Lusitânia Sacra, t.IV

Local

Lisboa

Data

1959

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Notes sur l'architecture et le décor dans les Abbayes cisterciennes du Portugal

Local

Paris

Data

1972

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Études sur le monachisme en Espagne et au Portugal

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

(E)vocações

Local

Alcobaça

Data

2003

Autor(es)

FRÓIS, Virgínia, COSTEIRA, Isabel

Título

A expansão da arquitectura borgonhesa e os mosteiros de Cister em Portugal. Ensaio de arqueologia da Idade Média

Local

Lisboa

Data

1956

Autor(es)

GUSMÃO, Artur Nobre de

Título

Routier des abbayes cisterciennes du Portugal

Local

Paris

Data

1986

Autor(es)

COCHERIL, Maur

Título

Documentos para a história de Santa Maria de Alcobaça nos séculos XVI a XVIII: o Corpo Cronológico do Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, Arte e Arquitectura nas Abadias Cistercienses nos Séculos XVI, XVII e XVIII, pp. 11-70

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

GOMES, Saul António

Título

Abadia de Santa Maria de Alcobaça, Dar Futuro ao Passado, pp. 116-125

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

FERREIRA, Maria Augusta Trindade

Título

A Arquitectura Gótica

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

O Mosteiro de Alcobaça e a Monarquia, Bracara Augusta, n.º 109, pp. 277-313

Local

Braga

Data

2006

Autor(es)

MARQUES, José

Título

A água em Alcobaça, Pedra & Cal, n.º 18, pp. 16-17

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

TAVARES, Pedro

Título

Rinoceronte e palácio quinhentista no Mosteiro de Alcobaça, Arte e Arquitectura nas Abadias Cisterciences nos séculos XVI, XVII e XVIII, pp. 291-300

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

MONTEIRO, João Oliva

Título

Mosteiro de Alcobaça

Local

Londres/Lisboa

Data

2007

Autor(es)

RODRIGUES, Jorge

Título

O claustro da Sé de Lisboa: uma arquitectura «cheia de imperfeições»?, Murphy, nº1, pp.18-69

Local

Coimbra

Data

2006

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida

Título

«Sobre a génese e a geometria das escadas em caracol do século XVI em Portugal: o processo conceptual», Artis - Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa

Local

Lisboa

Data

2009

Autor(es)

TRINDADE, António Oriol

Título

A Escultura nos Séculos XV a XVII

Local

Lisboa

Data

2009

Autor(es)

CARVALHO, Maria João Vilhena de

Título

Diogo Contreiras: actividade artística conhecida nos conventos cistercienses e na região de Alcobaça, Arte e Arquitectura nas Abadias Cistercienses nos Séculos XVI, XVII e XVIII

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

CAETANO, Joaquim Oliveira

Título

A Casa dos Túmulos no Real Mosteiro de Alcobaça, Arte e Arquitectura nas Abadias Cistercienses nos Séculos XVI, XVII e XVIII

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

ANACLETO, Regina

Título

Portugal, Património Mundial - Objectos singulares, objectos universais

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

PEREIRA, Paulo, SANTANDREU, Roberto, NASCIMENTO, José Carlos

Título

A igreja abacial de Alcobaça : lugar de memória

Local

-

Data

2009

Autor(es)

FERREIRA, Maria Augusta Lage Pablo da Trindade

Título

Alcobaça, o mosteiro, o rio e o Rossio: o fio do desafio!, 3.º Seminário do Património da Região Oeste, pp. 203-214

Local

Cadaval

Data

2006

Autor(es)

TAVARES, José Pedro Duarte