Saltar para o conteúdo principal da página

Chafariz da Esperança - detalhe

Designação

Designação

Chafariz da Esperança

Outras Designações / Pesquisas

Chafariz da Esperança (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Chafariz

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Estrela

Endereço / Local

Largo da Esperança
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 512/98, DR, I Série-B, n.º 183, de 10-08-1998 (sem restrições) (ZEP do Museu Nacional de Arte Antiga e dos imóveis classificados na sua área envolvente) (ver Portaria)
Edital n.º 3/97 de 8-05-1996 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 20-03-1980 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 20-03-1980 da COISPCN
Proposta de 8-11-1977 da DGEMN para a ZEP do Edifício do Museu Nacional de Arte Antiga e outros imóveis

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A construção do Chafariz da Esperança integra-se na política de abastecimento público de Lisboa delineada desde o reinado de D. João V. Em 1731 o monarca assinou o decreto que autorizava a construção do Aqueduto das Águas Livres; este serviria toda a cidade e visava colmatar os problemas relacionados com o fornecimento de água à capital.
A obra do grande aqueduto, que se estende desde os arredores de Lisboa, arrastou-se pelas décadas seguintes, levantando inúmeras polémicas, devidas sobretudo à morosidade da obra e aos elevados custos que a construção da arcaria sobre o vale de Alcântara haviam implicado.
Em 1747, já com Carlos Mardel como arquitecto principal da obra do aqueduto, começaram a ser executadas as galerias para o abastecimento das fontes principais da cidade, utilizando o mesmo sistema de galerias do aqueduto geral. No entanto, a dúvida sobre o local onde deveria ser construída a Mãe de Água, se no subúrbio do Rato, perto da Fábrica das Sedas, se em São Pedro de Alcântara, junto ao Bairro Alto, atrasou a edificação dos chafarizes.
Assim, os primeiros projectos para os chafarizes públicos só seriam aprovados no início da década seguinte. Em 1752, era adquirido pelo senado da Câmara de Lisboa uma porção de terreno pertencente ao convento franciscano de Nossa Senhora da Esperança para construir um grande chafariz, cuja galeria de abastecimento vinha directamente do reservatório das Amoreiras.
O projecto do fontanário, executado por Carlos Mardel, aproveitava um espaço já existente na malha urbana da cidade, mas a sua implantação marcou de forma definitiva a zona da Esperança. Adossado a um edifício, o grandioso conjunto desenvolve-se numa estrutura de dois pisos servida por escadas laterais, de evidente carácter cénico, bem ao gosto barroco.
Em cada um dos registos foi edificado um tanque com espaldar. O tanque inferior, que servia como bebedouro de animais, implanta-se ao nível do chão, com três carrancas para saída da água. No piso superior, os tramos são marcados pela disposição de pilastras toscanas, e cada uma das carrancas verte águas sobre um pequeno tanque. O conjunto é rematado por pórtico de gosto pombalino, muito semelhante aos remates das fachadas das igrejas construídas no período pós-Terramoto, que imprime um cunho de verticalidade ao chafariz, uma vez que prolonga a sua altura muito para além do estritamente necessário.
Catarina Oliveira
DIDA/IGESPAR, I.P./ 25 de Outubro de 2007

Imagens

Bibliografia

Título

O aqueduto das Águas Livres, O Livro de Lisboa, pp.293-312

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

CAETANO, Joaquim Oliveira

Título

Monumentos e edifícios notáveis do distrito de Lisboa, Vol. V (3º tomo)

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

ATAÍDE, M. Maia