Saltar para o conteúdo principal da página

Dólmen de Carapito I, também conhecido por «Casa da Moura» - detalhe

Designação

Designação

Dólmen de Carapito I, também conhecido por «Casa da Moura»

Outras Designações / Pesquisas

Dólmen de Carapito I / Casa da Moura (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Dolmen

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Aguiar da Beira / Carapito

Endereço / Local

-- --
Carapito

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 735/74, DG, I Série, n.º 297, de 21-12-1974 (distrito de Coimbra neste diploma) (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Localizado nas proximidades da cidade da Guarda, este dólmen insere-se no grupo mais abrangente dos grandes sepulcros megalíticos de corredor da Beira Alta.
Embora ainda não tivessem sido detectados quaisquer elementos do corredor, trata-se, sem dúvida, de uma estrutura megalítica de consideráveis dimensões, constituída por uma câmara poligonal simples. Em relação àquela que é tida como a utilização primordial deste monumento (cerca de 2 9000 a. C.), os investigadores V. Leisner e L. Ribeiro registaram a presença de vestígios de uma lareira, aos quais se encontravam associados diversos materiais, como no caso de micrólitos geométricos, contas de colar de variscite, bem como de machados polidos. Foi ainda ao nível da camada da base da câmara que se encontraram outros artefactos, como lâminas e lamelas. Quanto à cerâmica, ela é praticamente omissa, embora se tivesse exumado um fragmento decorado com a aplicação do punção.
O quadro relativo à aparente ausência de materiais cerâmicos é rapidamente alterado com a análise dos artefactos associados às camadas de ocupação posterior. Com efeito, constata-se um aumento destes recipientes que, agora, nos surgem em formas simples, lisas, semiesféricas e de taças em calote. Em contrapartida, observa-se um nítido decréscimo dos materiais em maior abundância na primeira camada, ou seja, dos líticos.
Um dos elementos mais interessantes desta estrutura megalítica residirá, contudo, no facto de dois dos seus esteios apresentarem algumas gravuras constituídas por círculos, raiados, linhas onduladas verticais e círculos concêntricos.
[AMartins]

Imagens