Saltar para o conteúdo principal da página

Castelo de Mértola - detalhe

Designação

Designação

Castelo de Mértola

Outras Designações / Pesquisas

Castelo e cerca urbana de Mértola (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Castelo

Inventário Temático

Itinerários Arqueológicos do Alentejo e Algarve

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Mértola / Mértola

Endereço / Local

- na parte antiga da vila
Mértola

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 38 147, DG, I Série, n.º 4, de 5-01-1951 (revogou a anterior classificação e classificou como MN) (ver Decreto)
Decreto n.º 32 973, DG, I Série n.º 175, de 18-08-1943 (classificou como IIP) (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 16-01-1970, publicada no DG, II Série, n.º 37, de 13-02-1970 (sem restrições) (ZEP do castelo e Igreja matriz de Mértola)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Desde as origens que Mértola teve importantes condições de defesa, implantando-se num alto rochosos na confluência da Ribeira de Oeiras com o rio Guadiana. Os inícios da fortificação encontram-se na época islâmica, período em que a cidade foi um importante porto fluvial entre Mérida e o Atlântico. Não obstante equacionar-se uma primitiva muralha tardo-romana (TORRES e outros, 1991, p.13), só no século IX encontramos as primeiras notícias documentais acerca da relevância militar da cidade, numa conjuntura de revolta de alguns senhores locais contra Córdova.
É de presumir que a grande campanha construtiva militar tenha acontecido durante o Califado omíada (930-1031), época de maior centralização estatal e de notáveis avanços no domínio da guerra por parte do Islão peninsular. Nas décadas de 30 e 40 do século XI, Mértola foi uma efémera capital taifa, conquistada pelo vizinho reino de Sevilha, em 1044. Um século depois, durante nova fragmentação do bloco islâmico peninsular, a cidade proclamou-se uma vez mais independente. Nesta altura, é de admitir que tenham existido melhoramentos no sistema militar, pois a "excelência das suas fortificações" não passou despercebida ao geógrafo Edrisi (IDEM, p.15).
Mas foi no final do século XII, no contexto da reacção almóada face ao avanço cristão, que se conhecem referências mais concretas ao castelo, com a construção de uma torre, muito provavelmente, da cisterna e, ainda, a feição geral da entrada no recinto (com arco ultrapassado que daria acesso a um corredor em cotovelo), bem como de parte do torreão cilíndrico que se lhe adossa (IDEM, p.16).
No entanto, terá sido uma "população (...) francamente empobrecida", sem meios de defesa adequados, que os cavaleiros de Santiago encontraram em 1238, altura em que conquistaram Mértola (BOIÇA e BARROS, 2001, p.579, contra opinião de TORRES e outros, 1991, p.17). A importância militar do local, com natural ligação ao Algarve, fez com que os Espatários escolhessem a cidade como sede da Ordem em Portugal, estatuto que manteve até 1316. Durante este período, dois factos importantes aconteceram: em 1254, D. Paio Peres Correia passou foral; de 1292 é uma inscrição que dá conta da construção da torre de menagem, por patrocínio de D. João Fernandes, mestre santiaguista.
O ano de 1292 tem servido para datar genericamente a obra gótica do castelo e deve inserir-se no "processo de autonomização do ramo português da Ordem de Santiago, alcançada e ratificada nos anos de 1288 e 1290" (IDEM, 2001, p.579). Apesar das múltiplas transformações por que passou, é ainda possível reconstituir a sua estrutura básica, reveladora de uma racionalização arquitectónica e espacial característica dos anos do Gótico.
A fortaleza é de planta quadrangular, ligeiramente trapezoidal, com ângulos defendidos por torres. A principal é a Torre de Menagem, que se eleva a quase 30 metros de altura. A sua implantação na face mais desnivelada do conjunto, obrigou a que o primeiro piso fosse "um robusto e elevado embasamento" (IDEM, p.580), sobre o qual se elevam dois andares: o primeiro, com acesso a partir do adarve, pela porta gótica sobrepujada pela inscrição de 1292, tem tecto de cruzaria de ogivas de oito tramos, possuía lareira e era iluminado por três frestas; o andar superior, muito transformado, deveria ter servido de residência, mas não restam vestígios dessa função. No extremo ocidental, situava-se a Torre da Carocha que, como o nome indica, terá desempenhado funções de prisão (IDEM, p.583). A entrada, voltada à vila, era feita por um corredor em cotovelo, com duas portas, e era defendida por torreões circulares.
Sem grandes alterações nos séculos seguintes (à excepção da casa do alcaide, edificada nos finais do século XV e que ocupou toda a muralha Norte), o castelo perdeu a sua função estratégica no século XVIII e entrou em decadência, travada apenas pelo restauro de 1948-50 e pelas mais recentes iniciativas de reconversão museológica.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

Terras da Moura encantada

Local

-

Data

1999

Autor(es)

MACIAS, Santiago, TORRES, Cláudio, GOMEZ, Susana

Título

Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

GIL, Júlio, CABRITA, Augusto

Título

O legado islâmico em Portugal

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

MACIAS, Santiago, TORRES, Cláudio

Título

O Livro das Fortalezas de Duarte Darmas (edição anotada)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

As «arrábidas» de Mértola e Juromenha, Anais da Academia Portuguesa de História, 2ª série, vol. 27

Local

Lisboa

Data

1981

Autor(es)

GONCALVES, José Pires

Título

Mértola - vila museu

Local

Mértola

Data

1989

Autor(es)

TORRES, Cláudio, SILVA, Luís Alves da

Título

Museu de Mértola - I - Núcleo do Castelo (Catálogo)

Local

Mértola

Data

1991

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

O Castelo de Mértola - estrutura e organização espacial (Sécs. XIII a XVI ) in Actas do Simpósio Internacional sobre Castelos

Local

Palmela

Data

2000

Autor(es)

BARROS, Maria de Fátima Rombouts, BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira

Título

Castelos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

MATTOSO, José

Título

Mértola islâmica - estudo histórico-arqueológico do Bairro da Alcáçova (séculos XII-XIII)

Local

Mértola

Data

1996

Autor(es)

MACIAS, Santiago, GONÇALVES, Iria

Título

O criptopórtico-cisterna da Alcáçova de Mértola, II Congresso de Arqueologia Medieval, pp.618-626

Local

Madrid

Data

1987

Autor(es)

OLIVEIRA, José Carlos, TORRES, Cláudio

Título

Alimentação de origem animal em regime islâmico - Alcaria Longa e Casa II da Alcáçova de Mértola, Arqueologia Medieval, nº4, pp.267-276

Local

Porto

Data

1996

Autor(es)

ANTUNES, Miguel Telles

Título

Mértola. Campo arqueológico, Informação arqueológica, nº1, p.106

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Mértola - Alcáçova, 1982, Informação arqueológica, nº5, p.42

Local

Lisboa

Data

1985

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Mértola - Alcáçova, 1983, Informação arqueológica, nº5, p.43

Local

Lisboa

Data

1985

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Campo arqueológico de Mértola, Informação arqueológica, nº7, pp.15-16

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Alcáçova de Mértola. História e arqueologia urbana, Arqueologia, nº6, pp.86-95

Local

Porto

Data

1982

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Estudo do armamento islâmico procedente da escavação na encosta do castelo e na alcáçova de Mértola, Arqueologia Medieval, nº6, pp.123-132

Local

Porto

Data

1999

Autor(es)

RAFAEL, Lígia

Título

Estudo de Arqueobotânica no Castelo de Mértola

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

QUEIROZ, Paula Fernanda, LEEUWAARDEN, Wim Van

Título

À descoberta de Mértola. Os caminhos do tempo e da terra

Local

Mértola

Data

1993

Autor(es)

OLIVEIRA, Rosário, REVEZ, Jorge, ABRANCHES, Filipe, TORRES, Nádia, PALMA, Odete, AIVECA, Gabriela

Título

As casas do Alcaide-Mor de Mértola no início do século XVI, Bracara Augusta, vol. 31, separata

Local

Braga

Data

1977

Autor(es)

SANTOS, Vítor dos Pavão

Título

As Comendas de Mértola e Alcaria Ruiva. As Visitações e os Tombos da Ordem de Santiago (1482-1607)

Local

Mértola

Data

1996

Autor(es)

BARROS, Maria de Fátima Rombouts, BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira

Título

IBN Qasi, rei de Mértola e Mahdi luso-muçulmano

Local

Mértola

Data

2003

Autor(es)

BORGES, Artur Goulart de Melo

Título

Mértola

Local

Mértola

Data

1997

Autor(es)

-

Título

Mertole almoravide et almohade

Local

Marrocos

Data

1988

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Subsídios para o Património HIstórico e Cultural do concelho de Mértola

Local

Mértola

Data

1997

Autor(es)

ELIAS, Mário

Título

A mesquita de Mértola, Mértola. Mesquita \ Igreja Matriz, pp.9-33

Local

Mértola

Data

2002

Autor(es)

MACIAS, Santiago, TORRES, Cláudio