Saltar para o conteúdo principal da página

Necrópole Megalítica da Serra Amarela - detalhe

Designação

Designação

Necrópole Megalítica da Serra Amarela

Outras Designações / Pesquisas

Necrópole Megalítica da Serra Amarela(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Necrópole

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte da Barca / Britelo; Lindoso; Entre Ambos-os-Rios, Ermida e Germil

Endereço / Local

-- -
Mosteiro, Cidadelhe e Ermida

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIP - Sítio de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 403/2013, DR, 2.ª série, n.º 117, de 20-06-2013 (com restrições) (ver Portaria)
Parecer favorável de 2-05-2013 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 1-04-2013 da DRC do Norte
Declaração de retificação n.º 49/2013, DR, 2.ª série, n.º 11, de 16-01-2013 (ver Declaração)
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Anúncio n.º 13805/2012, DR, 2.ª série, n.º 248, de 24-12-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 17-12-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 14-12-2012 da DRC do Norte para a classificação como SIP
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 22-11-2006 da vice-presidente do IPPAR
Parecer favorável de 15-11-2006 do IPA
Proposta de classificação de 11-03-2003 do Parque Nacional da Peneda-Gerês

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Distribuída pelo território da Serra Amarela, onde predominam as rochas graníticas, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, numa zona caraterizada pela presença de vales, chãs e outeiros, a necrópole megalítica da Serra Amarela integra, até ao momento, um conjunto de 37 monumentos funerários associados a testemunhos de arte rupestre cujos motivos integram o grupo de arte "Galaico-Portuguesa" e o grupo de arte "atlântica".
Organizada do ponto de vista espacial, e não cronológico ou tipológico, em oito grupos bastante heterogéneos, com as designações de Biterno, Cerqueira, Chã da Escusalha, Chã de Cabanos (cujo monumento n.º 3 apresenta exemplos de arte megalítica), Coelheira, Cotil, Danta e Tombaril, a necrópole carateriza-se, na sua maioria, por mamoas que, apesar de mal conservadas, permitem ainda identificar os materiais de construção utilizados nas couraças, neste caso blocos de granito e quartzo leitoso.
Relativamente às antas, também em granito, e apesar da alteração a que estiveram sujeitas ao longo dos séculos, foi possível identificar em certos casos a disposição original dos esteios, que seriam colocados na vertical, e ainda o corredor de acesso à câmara, bem como gravuras ou pinturas a ocre a que estavam associados. É igualmente importante destacar o aproveitamento mais recente destas estruturas milenares, que marcaram o início da fixação do homem nas zonas mais montanhosas da serra, como abrigos de pastores.
Indissociável de um território pautado pela presença do granito e da vegetação rasteira, a necrópole da Serra Amarela representa assim não só um caso exemplar do património arqueológico existente na região, como um testemunho da importância paisagística que as construções megalíticas possuem ao longo de vários séculos.
DGPC / 2013

Imagens