Saltar para o conteúdo principal da página

Moinho de vento na Gondruzeira - detalhe

Designação

Designação

Moinho de vento na Gondruzeira

Outras Designações / Pesquisas

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Moinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Ponte do Rol

Endereço / Local

-- -
Gondruzeira

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Em 28-10-2008 foi dado conhecimento do despacho à CM de Torres Vedras
Despacho de encerramento de 23-06-2008 da subdirectora do IGESPAR, I.P.
Proposta de 14-05-2008 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para o encerramento do processo de classificação, por o moinho não ter valor cultural de âmbito nacional
Ofício de 28-08-1980 da presidente do IPPC a comunicar à CM de Torres Vedras o início da instrução do processo de classificação
Proposta de classificação de 15-07-1980 da APAM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O moinho da Gondruzeira, sito da freguesia de Ponte de Rol, é um dos muitos engenhos de molinologia que ainda se conserva, marcando fortemente a paisagem em que se insere. Obedece à habitual tipologia dos moinhos de vento do Sul do país - construído em pedra, de planta circular, é rematado por um telhado cónico de rotação, ao qual se liga a roda e a vela, accionadas através de um mecanismo interno.
Os moinhos de vento, como o da Gondruzeira, são um testemunho relevante do aproveitamento das condições naturais de determinada região, que não deixam de ter eco nas actuais preocupações ecológicas. Ao mesmo tempo, simbolizam uma cultura tradicional reveladora das capacidades sócio-económicas de quem os construiu e de quem dependia da sua actividade de moagem. Implantam-se em locais elevados, de forma a melhor aproveitar a energia eólica, muitas vezes condicionando o urbanismo dos locais em que se inscrevem. No decorrer do século XIX e, depois, no século XX, este género de equipamentos foi perdendo importância, acabando por ser desactivados. O de Gondruzeira permanece ainda em funcionamento.
(RC)