Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Nespereira - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Nespereira

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Nespereira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Cinfães / Nespereira

Endereço / Local

Largo da Feira
Nespereira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Nespereira é uma localidade muito antiga, que no século XIII já era constituída por três freguesias. Foi villa e capital de concelho, tendo em data incerta integrado o concelho e julgado de São Fins (Sanfins), que recebeu foral manuelino em 1513. Por esta razão, tem sido defendido que o pelourinho que hoje se encontra em Nespereira terá sido originalmente levantado na povoação de Sanfins. Para Mário Guedes Real, o monumento deve ter passado pelas sedes de conselho que se seguiram, nomeadamente Cresconhe (Santiago de Piães), o Souto, e por fim Nespereira (REAL, Mário Guedes, 1976). O concelho de Sanfins foi extinto em 1855, e as suas freguesias passaram então para Cinfães.
O pelourinho ergue-se no largo que tomou o seu nome, junto do edifício da Camara Municipal de Cinfães. Sobre um soco de quatro degraus quadrangulares, de aresta, assenta o singelo conjunto da coluna e remate, sem capitel ou grimpa. A coluna tem base constituída por um pequeno plinto quadrangular, e o fuste, relativamente curto, é cilíndrico e liso, com secção decrescente em direcção ao topo. Remata com ligeiro espessamento anelar, sobre o qual pousa a peça terminal. Esta consta de um simples tronco cilíndrico, muito rústico, encimado por pequeno cone.
O pelourinho esteve, pelo menos até 1942, encravado no muro que acompanha uma estrada da povoação; dois anos mais tarde, uma notícia de Jornal dava conta do estado deteriorado no qual se encontrava. Foi levantado na sua implantação actual nesse mesmo ano. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde

Título

Revista da Beira Alta, Vol. XXXVI, nº. 4

Local

Viseu

Data

1976

Autor(es)

REAL, Mário Guedes