Saltar para o conteúdo principal da página

Antigo claustro da Manga do Mosteiro de Santa Cruz - detalhe

Designação

Designação

Antigo claustro da Manga do Mosteiro de Santa Cruz

Outras Designações / Pesquisas

Claustro da Manga / Jardim da Manga / Tudo o que resta do motivo central do antigo claustro da Manga do Mosteiro de Santa Cruz: o pequeno tempo central e as quatro capelas que o rodeiam, bem como os tanques que os separam e ligam e o terreno livre do antigo claustro (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Jardim

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)

Endereço / Local

Rua Olímpio Nicolau Rui Fernandes
Coimbra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 23 967, DG, I Série, n.º 130, de 5-06-1934 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 25-01-1958, publicada no DG, II Série, n.º 44, de 21-02-1958 (sem restrições)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Jardim
O Jardim do Claustro da Manga integra o que subiste do Mosteiro de Santa Cruz, situado fora das muralhas medievais de Coimbra nas proximidades do Rio Mondego. O jardim, com cerca de 1400m2, desenvolve-se em torno de dois eixos centrados no templete sobrelevado, envolvido por um tanque cruciforme que acentua a divisão quaternária do espaço. Oito colunas clássicas de pedra de Ançã suportam a cúpula encimada por um lanternim, protegendo a taça circular onde jorra um repuxo. Liga-se por arcobotantes e pequenas pontes radiais, em tempos levadiças, a quatro oratórios ou eremitérios cilíndricos, enquadrados por canteiros simétricos, delineados por buxo e pontuados por laranjeiras. Nesta obra da Renascença, marcada pela coerência concetual que remete para a Fons Vitae e pelo simbolismo desvelado em torno da moralização dos religiosos, reconhecem-se alegorias aos muitos vícios em gárgulas e guardiães.
História
A construção integra-se na 1ª metade do século XVI aquando a reforma do Mosteiro, promovida por Frei Brás de Barros a instâncias de D. João III. De traça atribuída a João de Ruão, terá sido iniciada por 1533, ano em que foram lavrados os contratos da "obra de pedraria" executada por Pêro de Évora, Diogo Fernandes e Fernão Luís, admitindo-se a conclusão por 1534/35, ano dos pagamentos efetuados a Jerónimo Afonso e a João de Ruão pela "a obra q fizera dos cubelos na crasta terceira da pedraria laurada".
"A claustra chamada de manga pello Rey a traçar na manga da roupa Real, de que estaua vestido" é descrita na Chronica dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho datada de 1540 e atribuída a D. Veríssimo, como uma "Claustra quadrada, e tem duzentos palmos de comprido e quinze de largo (...) singularmente forrada com vinte arcos de pedraria. Em o meyo do Ceo desta Claustra (...) he hua fonte de agoa (...). Tem esta fonte à entrada quatro arcos de pedraria, que estão em meyo de todas as quatro partes desta Claustra. Destes arcos contra o ponto do meyo da mesma Claustra, correm quatro ruas de largura de doze palmos (...). Entre rio, e rio està hum jardim de limões, limas e cidras, e outras frutas e ervas prezadas, e muy cheirosas, e assi quatro jardins, e oito rios. Em meyo destes rios, e destas ruas, se levantão quatro escadas de pedra muy bem lauradas de sete degraus cada hua (...) entre dous grandes bestiaes de pedra." Refere ainda que a fonte central "mana a agoa pera os oito tanques, ou rios, a qual tem duas bacias em altura de 7. Palmos (...) e della por canos secretos cahe do alto por 4. bicas em os rios. E sobre este lajeamento assentão as bases, e pedestaes de huãs formosas colunas de mármore de vinte palmos de alto cõ seus capiteis, (...) leados com hua alquitrava redonda muy formosa, donde nasce a abobeda da dita fonte à maneira de cimborio (...) ". A Chronica não esquece as capelas destacando portas, frestas com vidraças coloridas e os retábulos de S. João Batista, S. Jerónimo, S. Paulo e S. Antão, realizados por João de Ruão. A descrição de Frei Jerónimo Roman de 1589 é semelhante. Em 1902 Joaquim Martins Carvalho confirmou a exatidão da descrição prévia, não deixando de referir diferenças pela degradação das construções. Por 1906 criticou o uso que estava a ser dado ao local pela Escola Industrial de Avelar Brotero, que localizava as suas oficinas sobre canteiros e tanque.
O jardim foi classificado como Monumento Nacional em 1934. Dois anos depois a DGEMN iniciou obras de recuperação, concluídas em 1940. Foram então demolidas as oficinas. Fotografias de Virgílio Correia, datadas de 1947, evidenciam a disposição de canteiros similar à atual. Em 1955, 1957 e 1994 sucedem-se intervenções nos edifícios, reintegram-se os retábulos e recuperam-se os jardins. De 1999 a 2000, decorrem novas obras, promovidas pelas DGEMN e CMC.
Rita Basto (estágio curricular AP), Mário Fortes e Teresa Portela Marques (orientadores de estágio)
DGPC, 2015.

Outras Descrições

Jardim do Claustro da Manga

Data

1 de Outubro de 2015

Tipo

Enquadramento Arquitectónico, Urbano e Paisagístico

Descrição

Jardim
O Jardim do Claustro da Manga integra o que subiste do Mosteiro de Santa Cruz, situado fora das muralhas medievais de Coimbra nas proximidades do Rio Mondego. O jardim, com cerca de 1400m2, desenvolve-se em torno de dois eixos centrados no templete sobrelevado, envolvido por um tanque cruciforme que acentua a divisão quaternária do espaço. Oito colunas clássicas de pedra de Ançã suportam a cúpula encimada por um lanternim, protegendo a taça circular onde jorra um repuxo. Liga-se por arcobotantes e pequenas pontes radiais, em tempos levadiças, a quatro oratórios ou eremitérios cilíndricos, enquadrados por canteiros simétricos, delineados por buxo e pontuados por laranjeiras. Nesta obra da Renascença, marcada pela coerência concetual que remete para a Fons Vitae e pelo simbolismo desvelado em torno da moralização dos religiosos, reconhecem-se alegorias aos muitos vícios em gárgulas e guardiães.br>História
A construção integra-se na 1ª metade do século XVI aquando a reforma do Mosteiro, promovida por Frei Brás de Barros a instâncias de D. João III. De traça atribuída a João de Ruão, terá sido iniciada por 1533, ano em que foram lavrados os contratos da "obra de pedraria" executada por Pêro de Évora, Diogo Fernandes e Fernão Luís, admitindo-se a conclusão por 1534/35, ano dos pagamentos efetuados a Jerónimo Afonso e a João de Ruão pela "a obra q? fizera dos cubelos na crasta terceira da pedraria laurada".
"A claustra chamada de manga pello Rey a traçar na manga da roupa Real, de que estaua vestido" é descrita na Chronica dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho datada de 1540 e atribuída a D. Veríssimo, como uma "Claustra quadrada, e tem duzentos palmos de comprido e quinze de largo(¿) singularmente forrada com vinte arcos de pedraria. Em o meyo do Ceo desta Claustra(¿) he h?a fonte de agoa(¿). Tem esta fonte à entrada quatro arcos de pedraria, que estão em meyo de todas as quatro partes desta Claustra. Destes arcos contra o ponto do meyo da mesma Claustra, correm quatro ruas de largura de doze palmos(¿). Entre rio, e rio està hum jardim de limões, limas e cidras, e outras frutas e ervas prezadas, e muy cheirosas, e assi quatro jardins, e oito rios. Em meyo destes rios, e destas ruas, se levantão quatro escadas de pedra muy bem lauradas de sete degraus cada h?a(¿) entre dous grandes bestia?s de pedra." Refere ainda que a fonte central "mana a agoa pera os oito tanques, ou rios, a qual tem duas bacias em altura de 7. Palmos(¿) e della por canos secretos cahe do alto por 4. bicas em os rios. E sobre este lajeamento assentão as bases, e pedestaes de huãs formosas colunas de mármore de vinte palmos de alto cõ seus capiteis,(¿) leados com huã alquitrava redonda muy formosa, donde nasce a abobeda da dita fonte à maneira de cimborio(¿)". A Chronica não esquece as capelas destacando portas, frestas com vidraças coloridas e os retábulos de S. João Batista, S. Jerónimo, S. Paulo e S. Antão, realizados por João de Ruão. A descrição de Frei Jerónimo Roman de 1589 é semelhante. Em 1902 Joaquim Martins Carvalho confirmou a exatidão da descrição prévia, não deixando de referir diferenças pela degradação das construções. Por 1906 criticou o uso que estava a ser dado ao local pela Escola Industrial de Avelar Brotero, que localizava as suas oficinas sobre canteiros e tanque.
O jardim foi classificado como Monumento Nacional em 1934. Dois anos depois a DGEMN iniciou obras de recuperação, concluídas em 1940. Foram então demolidas as oficinas. Fotografias de Virgílio Correia, datadas de 1947, evidenciam a disposição de canteiros similar à atual. Em 1955, 1957 e 1994 sucedem-se intervenções nos edifícios, reintegram-se os retábulos e recuperam-se os jardins. De 1999 a 2000, decorrem novas obras, promovidas pelas DGEMN e CMC.
Rita Basto (estágio curricular AP), Mário Fortes e Teresa Portela Marques (orientadores de estágio)
DGPC, 2015

Imagens

Bibliografia

Título

João de Ruão, escultor da renascença coimbrã

Local

Coimbra

Data

1980

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

Inventário Artístico de Portugal: distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1952

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio

Título

História da Arte em Portugal - o Renascimento e o Maneirismo

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Coimbra - guia para uma visita

Local

Coimbra

Data

2003

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Coimbra e Região

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

História da Arte em Portugal - O Renascimento, vol. 6

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MARKL, Dagoberto, PEREIRA, Fernando António Baptista

Título

A Arquitectura Portuguesa Chã - Entre as Especiarias e os Diamantes 1521-1706

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

KUBLER, George

Título

Tratado da Grandeza dos Jardins em Portugal

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

CARITA, Hélder; CARDOSO, Homem

Título

A Arquitectura ao Romano

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

CRAVEIRO, Maria de Lurdes

Título

Coimbra: parques e Jardins

Local

Coimbra

Data

2001

Autor(es)

CORREIA, Fernando, FARINHA, Nuno

Título

A Fonte do Claustro da Manga, espelho de perfeycam: uma leitura iconológica da sua arquitetura, Revista da Faculdade de Letras-Ciências e Técnicas do Património, 2008-2009, I Série, Volume VII-VIII, pág. 33-52

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

ABREU, Susana Matos

Título

O Jardim da Manga, Boletim da Direção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, Nº89

Local

Coimbra

Data

1957

Autor(es)

-

Título

Mosteiro de Santa Cruz

Local

Coimbra

Data

1978

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira

Título

Jardim da Manga - Coimbra. Obras de conservação e beneficiação 1999-2000, in Monumentos nº 13, pág. 129-131

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

MARTORELL, Francisca Joana, PESSOA, Lúcia

Título

Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura