Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Graça - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Graça

Outras Designações

Igreja de Nossa Senhora da Graça
Colégio da Graça

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)

Endereço / Local

Rua da Sofia
Coimbra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 18-02-2010 do director do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC do Centro
Parecer de 20-01-2010 do Conselho Consultivo a propor que seja apresentada nova proposta
Proposta de 9-11-2009 da DRC do Centro para a ZEP dos imóveis classificados e em vias de classificação do Centro Histórico de Coimbra

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Colégio da Graça da Ordem dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho foi fundado por D. João III em 1543, ficando a obra a cargo de Frei Luís de Montoia. No ano de 1549 seria incorporado na Universidade por carta régia. O projecto foi elaborado pelo arquitecto Diogo de Castilho, que com esta edificação estabeleceu o modelo que a partir de então seria utilizado nos restantes colégios de Coimbra, um "edifício cupulado, abóbada de berço cobrindo o corpo da igreja, domínio de um assimilado sistema de ordens (jónica), decoração austera, com claustro adossado, que se inspira no modelo do da Hospedaria de Tomar" (SERRÃO, Vítor, 2001, p. 71).
De planta longitudinal, o seu interior é composto por uma nave única com seis capelas laterais intercomunicantes, sendo duas delas o transepto. A capela-mor, quadrada, alcança a largura da nave e do coro-alto. A fachada principal da igreja apresenta três registos; o primeiro assenta sobre um patamar ao qual se tem acesso através de uma escadaria. Ao centro abre-se o portal principal de vão rectangular ladeado por duas colunas toscanas e rematado por entablamento, sobre o qual assenta um nicho com a imagem da Virgem com o Menino. Em cada um dos lados do portal foram rasgados dois janelões rectangulares. O segundo registo tem ao centro um janelão, e o terceiro é constituído pelo remate do edifício, um frontão triangular que ostenta a pedra de armas com os emblemas régios e uma inscrição alusiva à fundação do colégio. Do lado esquerdo da fachada ergue-se um campanário com porta de acesso no primeiro registo, um janelão no segundo e dois vãos sineiros no último. A fachada oeste, que constitui a frontaria do colégio e se situa no prolongamento da fachada da igreja, apresenta portaria com dois arcos e vão rectangular intermédio, sobreposta por dois registos de três janelas cada. Encimando os arcos estão o escudo da ordem, à esquerda, e o escudo de Portugal, à direita; sobre o vão central foi colocada uma inscrição que data o conjunto de 1548. Os átrios da portaria são cobertos por abóbadas de aresta e decoradas por painéis de azulejos com motivos vegetalistas.
Interiormente, a igreja é de nave única, coberta com abóbada de pedra de caixotões, abrindo para a capela-mor, que possuí um retábulo de talha maneirista de estrutura arquitectónica, da primeira metade do século XVII, com quadros alusivos à Vida da Virgem, a maior parte da autoria do pintor Baltasar Gomes Figueira. A cada um do lados da nave foram abertas três capelas, comunicantes entre si e decoradas com altares de talha policromada. O coro alto é decorado por um cadeiral de madeira executado na primeira metade do século XVII, com pinturas de época mais tardia.
O claustro do colégio foi também desenhado por Diogo de Castilho, e a sua edificação iniciou-se cerca de 1548. De planta quadrada e ângulos cortados, apresenta uma estrutura de dois pisos, com três tramos por banda. O piso térreo possui arcada geminada e é coberto por abóbada de berço, cujos arcos torais estão apoiados em mísulas. O andar nobre terá sido edificado somente no século XVII. Os capitéis do claustro foram desenhados à semelhança dos capitéis esculpidos nas pilastras da igreja.
O Colégio da Graça de Coimbra destaca-se pelas novidades apresentadas ao nível estrutural, tanto do claustro como da igreja; sendo uma das primeiras edificações portuguesas desenhadas segundo o "novo estilo renascença" (DIAS, Pedro, 2002, p. 116), foi nesta igreja que se fez a implementação original da planta de nave única com capelas intercomunicantes (CORREIA, José Eduardo Horta, 1998, p. 18).
Catarina Oliveira
IPPAR/2003

Imagens

Bibliografia

Título

"«Os colégios universitários na definição das tipologias dos claustros portugueses», Revista Monumentos"

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

CORREIA, José Eduardo Horta

Título

"Coimbra - guia para uma visita"

Local

Coimbra

Data

2003

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

"A Arquitectura do Renascimento em Portugal"

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

HAUPT, Albrecht

Título

"Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra"

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura

Título

"A Arquitectura ao Romano"

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

CRAVEIRO, Maria de Lurdes