Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de São Domingos (capela-mor) inacabada - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Domingos (capela-mor) inacabada

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro de São Domingos de Coimbra / Igreja de São Domingos (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)

Endereço / Local

Rua da Sofia
Coimbra

Proteção

Situação Actual

Desclassificado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Portaria n.º 207/2015, DR, 2.ª série, n.º 71, de 13-04-2015 (desclassificação) (ver Portaria)
Anúncio n.º 13/2015, DR, 2.ª série, n.º 12, de 19-01-2015 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 17-12-2014 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de desclassificação de 1-07-2014 da DRC do Centro
Anúncio n.º 133/2014, DR, 2.ª série, n.º 105, de 2-06-2014 (ver Anúncio)
Despacho de 7-02-2014 do diretor-geral da DGPC a determinar a abertura do procedimento de desclassificação
Despacho de concordância de 28-01-2014 do Secretário de Estado da Cultura
Proposta de 2-01-2014 da DRC do Centro para a abertura do procedimento de desclassificação, por dela nada restar para além da parede exterior, alterada
Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (classificou como MN) (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O antigo convento de São Domingos de Coimbra ficava situado na zona baixa junto ao rio. Fundado por duas filhas do rei D. Sancho I, D. Branca e D. Teresa, o convento viria a tornar-se inabitável devido ao assoreamento do Mondego. Assim, em Março de 1506 era publicado um diploma pontifício que autorizava a mudança de localização da casa conventual dominicana. No entanto, os frades hesitaram em sair do velho edifício, fazendo-lhe algumas reformas nas décadas seguintes. Em 1546 os dominicanos conimbricences obtinham as licenças de D. João III e do capítulo geral da ordem para mudarem para o local onde iria ser construída a nova casa conventual, na Rua da Sofia, em terrenos cedidos pelos frades de Santa Cruz, proprietários daquela via.
Para executar o projecto do novo convento foi contratado Isidoro de Almeida, arquitecto e engenheiro militar formado em Itália. O projecto apresentado constituía "uma novidade em relação ao tipo de igreja que então se praticava na cidade, introduzido por Diogo de Castilho" (BORGES, Nelson Correia, 1980). Com três naves abobadadas, sendo a central mais alta que as laterais, um transepto, coberto por abóbada e cúpula, para o qual abriam a capela-mor e as duas capelas laterais. Para as abóbadas foi delineado um minucioso projecto decorativo, e os tramos eram divididos entre si por pilastras jónicas. Apesar da novidade do projecto, este não foi concluído como o previsto. Construídos o transepto e a cabeceira, as obras de edificação ficaram paradas por falta de verbas. Depois de 1834 a igreja de São Domingos seria vendida, tendo servido os mais diversos fins. Actualmente está convertido em centro comercial, encontrando-se totalmente descaracterizado. No seu interior conserva-se ainda a Capela de Jesus.
A Capela do Tesoureiro encontra-se actualmente no Museu Machado de Castro. Em 1533 o tesoureiro da Sé de Coimbra, Francisco Monteiro, comprou um padrão de juro de 20.000 reais, dados por esmola a realização de missas na capela de Nossa Senhora da Assunção que seria erigida na nova igreja e para a fábrica da qual o tesoureiro daria mais 200.000 réis. O contrato para a edificação seria realizado em 1558 e a obra estava terminada em 1565.
Da autoria de João de Ruão, a Capela do Tesoureiro é uma das melhores obras do "estilo ruanesco da segunda fase", caracterizando-se pela sobriedade do conjunto e por uma "permeabilidade às sugestões do maneirismo internacional" (BORGES, Nelson Correia, 1980). Dentro de todo o conjunto destaca-se o magnífico retábulo e a abóbada de caixotões, ornamentada por florões e ferroneries. O grande retábulo divide-se em três registos. O primeiro enquadrava o altar, ladeado por motivos roll werk, inspirados na tratadística flamenga. No friso sobre o altar, igualmente decorado com motivos roll werk, salientam-se os bustos dos quatro Evangelistas em relevo. Sobre estes estão colocadas as colunas coríntias, de fuste canelado, com pendurados na zona superior; entre cada par destas estão dois nichos sobrepostos, os superiores para as imagens de S. João Baptista e São Tiago, os inferiores provavelmente albergavam imagens de S. João Evangelista e Santo António (BORGES, Nelson Correia, 1980). Ao centro foi esculpida a cena da Assunção da Virgem, possivelmente inspirada numa gravura italiana. Sobre as colunas assenta o entablamento, cujo friso foi decorado por cabeças aladas, e sobre o qual assenta o último registo do retábulo. Este apresenta ao centro, sob um arco abatido, a cena da coroação da Virgem, ladeada por dois nichos com as imagens de S. Pedro e S. Paulo. O conjunto é rematado por um frontão triangular.
A Capela do Tesoureiro foi elaborada à luz de duas influências distintas. Se a expressividade das imagens nos remete para as gravuras italianas, o programa decorativo é claramente inspirado na nova tratadística flamenga, originando uma obra de carácter maneirista ligadas às correntes mais vanguardistas da época.
Catarina Oliveira
2003

Imagens

Bibliografia

Título

Coimbra - guia para uma visita

Local

Coimbra

Data

2003

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

A Capela do Tesoureiro da antiga Igreja de São Domingos

Local

Coimbra

Data

1980

Autor(es)

BORGES, Nelson Correia

Título

A Igreja do Convento de São Domingos na Rua da Sofia

Local

Coimbra

Data

1982

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira

Título

Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura