Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Penela - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Penela

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Penela (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Penela / São Miguel, Santa Eufémia e Rabaçal

Endereço / Local

Rua 25 de Abril
Penela

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Penela teve primeiro foral dado por D. Afonso Henriques, em data incerta, seguido por outro de 1137, como resultado da sua posição estratégica privilegiada na defesa de Coimbra. Teve novo foral outorgado por D. Sancho I, em 1198, e finalmente foral manuelino, datado de 1512. Embora o seu pelourinho não pertença à mais evidente tipologia manuelina, é muito provável que tenha sido erigido na sequência da atribuição deste último foral, constituindo nitidamente uma peça de finais de Quatrocentos ou início de Quinhentos. Estava originalmente implantado na praça central da vila.
O pelourinho levanta-se sobre um soco de três degraus quadrangulares de aresta, o térreo quase totalmente embebido no pavimento, e o superior servindo de base à coluna. Esta possui fuste oitavado, de faces lisas, com arranque inferior talhado em bloco cúbico com estreitamento medial. A passagem à secção oitavada faz-se através de largos chanfros nos ângulos do fuste, que no topo retoma a forma cúbica da base, e igualmente a concavidade a meia altura. Não existe capitel, constando o remate de uma peça vagamente cúbica, parecendo composta por quatro grossos toros em feixe seccionado. Sobre esta peça assenta uma pinha de terminação cónica, com topo boleado, de cuja base irrompem quatro braços (serpes) de ferro forjado dispostos em cruz, e conservando ainda as argolas terminais. No remate estão gravados símbolos heráldicos municipais. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde