Saltar para o conteúdo principal da página

Portal manuelino do Convento de São Francisco - detalhe

Designação

Designação

Portal manuelino do Convento de São Francisco

Outras Designações / Pesquisas

Convento de São Francisco (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Portal

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Alenquer / Alenquer (Santo Estêvão e Triana)

Endereço / Local

Largo de São Francisco
Alenquer

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A povoação de Alenquer foi doada por D. Sancho I a sua filha, D. Sancha, em 1210, conforme disposição testamentária. Dois anos mais tarde, em 1212, ano no qual a infanta outorgou o primeiro foral à vila, faz-se já referência a um palácio real, onde terá habitado até se retirar para o mosteiro de Celas. A partir deste momento, o Paço de Alenquer seria convertido em convento, e entregue à Ordem dos Frades Menores (de São Francisco), o primeiro da Ordem - com regra definitivamente aprovada em 1221 - a ser erguido em Portugal. As obras de adaptação do edifício estavam concluídas em 1222, podendo enfim receber os frades, que já contavam com um ermitério junto da povoação, em terrenos cedidos por D. Sancha alguns anos antes. Os frades ficaram instalados em aposentos muito simples, até que, em 1280, têm início obras de construção de um novo edifício, desta feita a expensas da rainha D. Beatriz, então senhora de Alenquer. Estas obras ficaram concluídas em 1317, embora o convento estivesse ainda destinado a sofrer várias ampliações. Assim, no início do século XVI, e por iniciativa régia de D. Manuel, começam obras de restauro do claustro e da igreja, e é construída a porta da Sala do Capítulo, único elemento classificado do conjunto. Convento e igreja receberam ainda outras intervenções ao longo do século XVI e nos séculos XVII e XVIII, até ser profundamente atingido pelo grande sismo de 1755, quando cai em ruínas uma parte do cenóbio e a igreja, reconstruída de imediato.
O portal da sala capitular, voltado para o claustro, é um típico pórtico manuelino, de grande impacto visual. É aberto em arco de volta perfeita, e profusamente decorado. Embora a face voltada para a Casa do Capítulo esteja hoje tapada por uma parede fina, encostada ao muro original, é evidente que estaria à vista na origem. O arco é aliás decorado de forma contínua em ambas as faces e no intradorso. Está inteiramente coberto por temas tradicionais do Manuelino, como ramagens, troncos podados, vides, florões, glandes e folhagem de carvalho, animais e seres fantásticos, putti, e evocações da arte da cestaria. SML

Imagens

Bibliografia

Título

A Obra Silvestre e a Esfera do Rei

Local

Coimbra

Data

1990

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro