Saltar para o conteúdo principal da página

Convento de São Bento de Castris - detalhe

Designação

Designação

Convento de São Bento de Castris

Outras Designações / Pesquisas

Convento de São Bento de Cástris (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento - Itinerário de Cister

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Évora / Malagueira e Horta das Figueiras

Endereço / Local

Monte de São Bento de Castris, a 2 km de Évora
-

Número de Polícia: --

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 8 218, DG, I Série, n.º 130, de 29-06-1922 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 20-08-1962, publicada no DG, II Série, n.º 210, de 6-09-1962 (com ZNA)

Zona "non aedificandi"

Portaria de 20-08-1962, publicada no DG, II Série, n.º 210, de 6-09-1962

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Erigido sobre uma singela ermida dedicada a São Bento, construída em 1169, o convento cisterciense de São Bento de Cástris, uma das mais antigas casas religiosas femininas em Portugal, remonta ao século XIV, tendo a igreja sido consagrada no ano de 1328. O actual templo acusa vestígios da herança românica, gótica, mudéjar, manuelina e barroca, tendo, no entanto, as principais intervenções ocorrido no reinado de D. Manuel, período em que este foi substancialmente alterado sob a égide dos nobres da Casa dos Almeidas.
A construção articula-se em torno de um claustro central, fazendo-se a entrada para o complexo conventual através de um pórtico rematado por frontão triangular e delgados pináculos, tendo ao centro gravadas as armas eclesiásticas de São Bernardo de Claraval ladeadas por dois nichos, actualmente vazios e originalmente destinados aos padroeiros da Ordem cisterciense, São Bernardo e São Bento. Esta passagem comunica com um amplo pátio que abre para a fachada principal do templo - a Sul - bem como para as duas restantes dependências - a Norte -, respectivamente Casa do Intendente e Casa do Confessor.
A fachada principal do convento, estruturada em dois registos, é rasgada por janelas rectangulares e dois pórticos : um, em arco de volta perfeita, de cantaria e outro, de arco abatido suportado por aduelas em cantaria rusticada, onde, no lintel se encontra gravada a data de 1617, fazendo a comunicação com a zona do antigo pomar.
Na zona exterior do templo e da sacristia, duas sineiras ornamentam o remate da fachada. O interior do templo, cuja feição estilística é marcadamente manuelina, possui uma entrada axial, localizada a nascente, que abre para um alpendre rasgado por pórtico de duas arquivoltas e colunas finamente torneadas, de bases entrançadas, de aspecto análogo ao pórtico da Igreja Real de São Francisco. A igreja apresenta planta longitudinal, dividida em quatro tramos, coro alto, sendo coberta por abóbada polinervada, com bocetes talhados, uns representando a esfera armilar, outros as armas da família Almeida. Esta tipologia de abóbada extravasa o espaço da igreja, podendo também ser encontrada numa galeria de acesso ao claustro. Ainda subsistem frescos nos panos da algumas abóbadas, sob a forma de delicadas representações polícromas de anjos.
SCP

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. VII (Concelho de Évora - volume I)

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

El mudejarismo en la arquitectura portuguesa de la epoca manuelina

Local

Madrid

Data

1955

Autor(es)

PEREZ EMBID, Florentino

Título

O Tardo-Gótico em Portugal, a Arquitectura no Alentejo

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

SILVA, José Custódio Vieira da

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro